Precificação de carbono (CO2)

Precificação de carbono é atribuir um custo aos impactos gerados pelo aumento de gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera, causados pela queima de combustíveis fósseis e mudanças no uso da terra para a produção de insumos, manufatura, distribuição e consumo desses produtos. As duas formas mais discutidas de precificação do carbono são a emissão de cap and trade e a tributação das emissões.

Guia de Precificação de Carbono

Tem como objetivo esclarecer o que é precificação de carbono, seus mecanismos e exemplos de aplicação por governos, empresas e investidores. Faz parte de um projeto do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) e do Carbon Disclousure Program (CDP), apoiado pelo Instituto Clima e Sociedade – ICS, que inclui uma sessão de engajamento, um vídeo e um estudo de caso sobre uso de preço interno de carbono. Baixe o Guia de Precificação de Carbono

Energia Renováveis

Segundo a Agência Internacional de Energia, em 2012, 67% da a eletricidade era produzida a partir de combustíveis fósseis, 11% era de origem nuclear e apenas 21% de origem renovável. Para se manter abaixo do limite de 2°C, precisamos descarbonizar nosso sistema de geração de energia de forma que em 2030, a matriz elétrica global inclua, pelo menos, 30% de energias renováveis, a fim de reduzir as emissões de CO2 em 61%.
Cerca de metade da energia elétrica de fontes renováveis era gerada pelas fontes solar e eólica. A demanda de energia deverá crescer significativamente à medida que nos aproximamos de 2030. A fim de alcançar a meta de 30% de energias renováveis no cabaz energético, precisamos ampliar a implantação de tecnologias maduras para alcançar 1TW de capacidade de energia renovável até 2020. Saiba mais

Eficiência energética
A eficiência energética diminui a necessidade de investimentos em expansão da oferta de energia seja na extração ou importação de combustíveis fósseis como, também, em projetos de geração elétrica. O plano decenal de energia 2013-2022 da EPE estima que a eficiência energética em 2022 representará a redução de 5,8% da demanda esperada de energia no ano. Essa redução é equivalente a 10 GW giga watts? de hidrelétricas ao ano (70% da capacidade instalada de Itaipu) e mais de 360 mil barris dia de petróleo. Em termos financeiros, esse cenário representa uma economia superior a R$ 5,4 bilhões em investimentos de geração elétrica ao ano e de R$ 30 milhões por dia em barris de petróleo.
Já do lado ambiental, a relevância da eficiência energética se dá pelo seu elevado potencial de redução de emissões de carbono. A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) estima um potencial de redução de aproximadamente 61 milhões de toneladas de CO2 em 2022. Saiba mais