O setor empresarial na COP 21

Atentas às mudanças mercadológicas e regulatórias que virão como consequência do novo pacto climático, empresas do Brasil e do mundo se movimentam para diminuir os impactos das novas regras do jogo econômico em suas operações e identificar novas oportunidades de negócios. O desenvolvimento de processos e de produtos adequados às crescentes exigências de menor impacto ambiental passa a ter mais relevância e a requerer novas abordagens para investimentos, produtos e marketing empresarial. Nesse contexto, a presença do setor privado na Conferência do Clima de Paris deverá ser sem precedentes. Para saber mais sobre a agenda da Conferência, eventos paralelos, logística clique aqui

  • cebds
  • cpfl-energia
  • ecofrotas
  • edp
  • fibria
  • itau
  • kpmg
  • vale
  • votorantim
  • santander
  • cemig
  • electric

Tecnologia (LCTPi)

A Iniciativa de Parcerias para Tecnologias de Baixo Carbono (LCTPi, na sigla em inglês) reúne empresas com o objetivo de identificar oportunidades, entraves e soluções em áreas estratégicas pelo seu potencial de reduzir emissões de gases de efeito estufa (GEE), mas que necessitam de esforço internacional organizado para unir os setores público e privado. A agenda de trabalho, no Brasil está focada em cinco áreas:  energias renováveis, biocombustíveis avançados, materiais (cimento), florestas e agricultura.

We Mean Business

O We Mean Business reúne atualmente  centenas de empresas de todo o mundo, com receitas estimadas em trilhões de dólares, em torno de estratégia de baixo carbono que é boa para o planeta e também para os negócios. As lideranças empresariais são chamadas a se comprometer com metas como a fixação de preço interno para o carbono (CO2), aquisição de 100% de energia renovável em sua operação e fim do uso de produtos oriundos de áreas desmatadas ou de exploração ilegal. Um dos resultados deve ser a redução da pegada de carbono das carteiras de ações e o direcionamento de investimentos para projetos e empresas de baixo carbono.