Notícias

CEBDS lança publicação sobre precificação de carbono na COP 22

Data: 16/11/2016

Área: Clima, Finanças

Foi lançado nesta quarta-feira (16), em Marraquexe, no Marrocos, o estudo Precificação de carbono: o que o setor empresarial precisa saber para se posicionar , elaborado pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), em parceria com o CDP (antigo Carbon Disclosure Project) e apoio do We Mean Business.

O objetivo da publicação é prover ao empresariado brasileiro toda a informação necessária sobre os mecanismos de precificação do carbono, sua eficácia na redução de emissões, benefícios ao desenvolvimento socioeconômico, impactos sobre a competitividade dos diferentes setores e como as empresas se inserem nesse processo.

O lançamento aconteceu durante discussão promovida pelo CEBDS, em parceria com o Ministério do Meio Ambiente (MMA), sobre precificação de carbono e estratégias financeiras para implementação das NDCs. O evento ocorreu em paralelo à 22ª Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas para as Alterações Climáticas (COP 22).

“Trouxemos o estudo a público aqui na Conferência do Clima porque as empresas são parte indissociável das soluções em favor da descarbonização da economia mundial e este é um mecanismo que traz maior previsibilidade para seus investimentos e maior competitividade para as soluções empresariais de baixo carbono. A publicação mostra como as empresas estariam inseridas nos diferentes mecanismos de precificação de carbono que podem ser adotados no país, bem como seus consequentes impactos, oportunidades e desafios”, disse a presidente do CEBDS Marina Grossi, que também integra o conselho consultivo do PMR (Parternship for Market Readiness) no Brasil. O PMR é um fórum de países criado pelo Banco Mundial em favor de ações para implementar mecanismos de precificação de carbono nos países participantes.

Atualmente, mais de 500 empresas no mundo já consideram o preço interno do carbono nas suas tomadas de decisões e outras 700 planejam fazer o mesmo até 2018, segundo o CDP. Precificar o carbono significa atribuir um preço aos gases de efeito estufa (GEE) de produtos ou serviços fornecidos à sociedade. A atribuição de um preço ao carbono pode vir sob a forma de imposto (taxação direta) ou da transação de certificados de carbono (comercializados no mercado financeiro), ou ainda de uma combinação de ambos os instrumentos. “É uma discussão complexa e que não se resume a escolher um ou outro mecanismo. Para ser eficiente na função de promover uma economia mais verde, a precificação do carbono deve ser entendida como parte de um quadro regulatório que direcione investimentos a tecnologias limpas, garantindo a transição eficiente para uma economia de baixo carbono”, afirma Grossi.

A União Europeia e cerca de 40 países e 24 territórios subnacionais já precificam o carbono, cobrindo 13% das emissões mundiais, de acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). “A prática tem se expandido rapidamente, mesmo porque o artigo 6º do Acordo do Clima prevê o estabelecimento de um mercado mundial de carbono, que começa a ser esboçado nesta COP 22 e certamente terá um impulso poderoso com a adoção já iniciada pela China em seus mercados subnacionais, que deverão se integrar, tornando-se um mercado nacional no próximo ano”, pondera a economista Lilia Caiado, coordenadora da Câmara Temática de Energia e Mudança de Clima do CEBDS.

Nesse cenário, as empresas brasileiras precisam colocar a precificação do carbono no horizonte imediato das suas tomadas de decisões. “Tanto porque a eficiência em reduzir emissões impactará de maneira positiva a competitividade e a gestão dos riscos das corporações, quanto pela importante contribuição que pode trazer para o esforço mundial em conter a alta da temperatura global em 2 oC, com esforço para mantê-la em 1,5 oC acima da média pré-Revolução Industrial”, finaliza Marina.

Faça o download da publicação:

place-holder-carbon-pricing-409x307-pt

 



Publicações Relacionadas

Precificação de Carbono: o que o setor empresarial precisa saber para se posicionar

Ver publicação
Veja todas as publicacoes

Eventos Relacionados

Saiba como economizar energia em 5 passos

Você sabia que o setor de edificações consome mais energia elétrica do que a indústria? Saiba mais no post que faz parte da parceria do Secovi Rio com o Projeto de Eficiência Energética em Edificações (EEB Lab) e CEBDS.

Água e falta de participação social

"Hoje a agenda [de água] enfraqueceu, justo quando deveria ser tema central, uma vez que a água será o recurso mais afetado pelas mudanças climáticas. A ONU estima que, até 2030, o deficit entre demanda e oferta deve alcançar 40%". Clique e confira mais sobre o artigo da presidente do CEBDS no Correio Braziliense.

Um novo amanhã é possível – Conheça o CEBDS!

Mais do que nunca, é hora de reunirmos as pessoas, empresas e governos para construirmos um novo amanhã.

Entenda o que é aquecimento global

Você já deve ter ouvido as palavras “efeito estufa”, “aquecimento global” e “mudança climática” por aí, mas você sabe realmente o que são? O nosso planeta está sofrendo hoje as consequências de um processo que o ser humano começou há séculos atrás.

Manual de compras sustentáveis: como proceder?

Veja um manual de como as empresas devem proceder para incluir os critérios de sustentabilidade ao realizar suas compras. Confira!

O que é Capital Natural?

Hoje somos afetados pelos impactos causados ao nosso modo de vida, devido ao mau uso desses recursos, sendo necessário repensar a maneira como lidamos com os recursos naturais. Conheça o conceito de Capital Natural e entenda o valor dos recursos naturais em relação a um produto ou serviço.

Carta aberta ao presidente Temer

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo, Israel Klabin direciona uma carta ao presidente da República solicitando a não ratificação das MPs 756 e 758. Confira!

Industrialização Inclusiva X Negócios

A presidente do CEBDS, Marina Grossi, fala em entrevista exclusiva à FIESP sobre a industrialização inclusiva como forma de integrar o desenvolvimento sustentável em seu negócio. Confira a entrevista.

Sustentabilidade é bom negócio

Confira o artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, publicado no jornal O Globo.

Sustentabilidade Urbana: uma nova agenda para as cidades

A construção de cidades mais sustentáveis é um desafio que só pode ser alcançado com base em modelos modernos e inovadores, capazes de construir instrumentos de congregação dos esforços da esfera pública com as forças da sociedade civil e da iniciativa empresarial.

Entenda a NDC brasileira

Assista ao vídeo produzido pelo CEBDS com o apoio do We Mean Business e entenda as metas da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês) brasileira.

Quais são as metas do Brasil para o Acordo de Paris?

Entenda o papel da NDC brasileira nessa jornada e por que ela é tão importante para obtenção de resultados concretos rumo ao desenvolvimento sustentável. Confira!

Gestão de Recursos Hídricos: o que é e como aplicar em minha empresa?

Uma importante questão é que a gestão de recursos hídricos vai muito além do simples racionamento ou economia. Trata-se de mapear riscos e oportunidades que englobam o tema.

Títulos verdes no Brasil

Confira o novo artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, no site do Projeto Colabora sobre como os gestores estão se unindo para estruturar o mercado brasileiro de investimentos em projetos ambientais.

Trabalhar pelo Acordo de Paris: um compromisso do Brasil

Compete ao CEBDS ser o combustível para incitamos nossas empresas associadas a mostrar suas ações realizadas para ajudar o Brasil a honrar os compromissos assumidos no âmbito do Acordo de Paris e, também, a convocar outras empresas para fazer o mesmo. Conheça mais sobre a corrente #JuntosPeloClima.

Siemens neutralizará sua emissão de CO2 até 2030

Além de apoiar seus clientes, a Siemens estabeleceu o objetivo de ser a primeira empresa industrial do mundo a conseguir atingir a pegada de carbono zero até 2030 em sua própria operação. Saiba sobre essas e mais ações na corrente #JuntosPeloClima.

Unilever mostra que atuação sustentável impulsiona crescimento

De 2008 a 2015, a Unilever reduziu em 36,09 % a emissão de gases de efeito estufa (GEE) e o consumo de água, além de diminuir em 95,36% a geração de resíduo por tonelada produzida. Saiba mais ações sobre as ações da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Mais eólicas para o Brasil alcançar as metas do Acordo de Paris

FURNAS apostou na diversificação das fontes de energia, limpas e renováveis, que apresentam uma boa relação risco x rentabilidade e contribuem para o crescimento sustentável da empresa e do Brasil. Saiba mais sobre essa e outras ações na corrente #JuntosPeloClima.

Mudanças climáticas e o papel de cada um

A Ticket Log criou dois programas que conversam ativamente com a questão das mudanças climáticas. Conheça essas ações e de outras iniciativas da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Como contribuímos para um mundo mais sustentável

Conheça as ações da CPFL Renováveis apresentada na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para a implementação dos compromissos assumidos pelo Brasil em Paris, por meio da geração de energia por fontes alternativas (eólica, solar e biomassa).

Da fazenda ao porto e do porto para fora, AMAGGI incorpora sustentabilidade em seus negócios

Ao longo dos anos, a AMAGGI vem progressivamente incorporando a sustentabilidade em todas as suas áreas de negócios. Conheça as ações e métodos apresentados na corrente #JuntosPeloClima. Confira!

Energia segura e sustentável também para as áreas remotas do Brasil

Conheça o Programa de Acesso à Energia que a Schneider Eletric apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol do desenvolvimento sustentável de comunidades rurais e remotas, aumentando a eficiência energética e diminuindo a emissão de gases de efeitos estufa.

O papel do setor privado no desenvolvimento de um futuro sustentável

Conheça as ações e resultados que a Suzano Papel e Celulose apresenta na corrente #JuntosPeloClima tornando a matriz energética da empresa mais limpa, além de outras ações que contribuem para a construção de um mundo melhor.

Inovar e cocriar para proteger o clima

Conheça as metas e soluções que a BASF apresenta na ação #JuntosPeloClima no combate às mudanças climáticas. Clique e confira!

Nossos produtos, as suas escolhas e o clima do Planeta

O Grupo Boticário apresenta na corrente #JuntosPeloClima as ações da empresa e da sua Fundação que estimulam atitudes sustentáveis impactando diretamente no clima no Planeta.

Emissões evitadas de carbono do Legado das Águas/Votorantim somam U$ 14 milhões

A Votorantim apresenta na corrente #JuntosPeloClima o Legado das Águas, a maior reserva privada de Mata Atlântica e uma importante contribuição para o planeta.

Aegea aposta na eficiência do uso da água e restauração florestal para reduzir emissões

Conheça os projetos e sistemas que a Aegea apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol da segurança hídrica e de ações de impacto positivo no ecossistema.

Monsanto fornece hidrogênio para reduzir emissão de gás carbônico na Bahia

Conheça as ações e as metas que a Monsanto apresenta na corrente #JuntosPeloClima que pavimentam o objetivo de chegar a 2021 com uma produção totalmente neutra na emissão de carbono.

Vale: a mineração se reinventa

Conheça os projetos e as ações que a Vale apresenta na corrente #JuntosPeloClima que agregam soluções alinhadas aos esforços mundiais de redução das emissões de GEE e da manutenção de uma gestão equilibrada dos recursos naturais nos processos.

Brasil Kirin aposta em iniciativas para reduzir emissões de CO2

Conheça as iniciativas que a Brasil Kirin apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para reduzir a emissão de CO2 entregando benefícios para todo o planeta.

A Alcoa está comprometida com mitigação e adaptação às mudanças climáticas

Conheça as ações que a Alcoa apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem com os esforços nacionais e globais de redução dos impactos das mudanças climáticas.
Veja todos os eventos