Notícias

Bioeconomia é crucial para Acordo de Paris, defendem especialistas no I Biofuture Summit

Data: 27/10/2017

Área: Clima, Logística e Transportes

Com o objetivo de estimular a criação de uma bioeconomia de baixa emissão de carbono e pensar os melhores caminhos para torná-la possível, o I Biofuture Summit ocupou os salões do Estanplaza International, em São Paulo, nos dias 24 e 25 de outubro. O evento reuniu cerca de 300 representantes de 26 países e foi marcado pela apresentação da Biofuture Platform e pelo primeiro roadshow do below50 na América do Sul.

A presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), Marina Grossi, participou da abertura do evento e destacou que a busca por soluções de baixo carbono dos setores energético e de transportes é primordial para o alcance das metas pactuadas na Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) do Brasil. “O setor empresarial tem todas as condições de liderar esse processo e pressionar o governo para garantir avanços nos marcos regulatórios e políticas nacionais, que hoje representam um gargalo para o desenvolvimento da bioeconomia”, enfatizou.

O ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes, chamou a atenção para um dos grandes desafios que o mundo tem pela frente: aumentar exponencialmente a produção e o uso de bioenergia, a fim de garantir os limites acordados em Paris.

Ministro Aloysio Nunes fala na abertura do evento

“A bioeconomia moderna é capaz de mitigar gases de efeito estufa e trazer inúmeros benefícios para a sociedade. Pode dar mais valor e produtividade para a agricultura, possibilitar o aproveitamento de resíduos urbanos e rurais, garantir a segurança energética e o acesso à energia, além de ser uma fonte próspera de negócio. A bioeconomia já movimenta 22 bilhões”, justificou.

O ministro falou ainda sobre a Plataforma para o Biofuturo, cuja secretaria interina foi assumida pelo Brasil. “A plataforma será catalisadora dos esforços rumo à economia de baixo carbono”, ressaltou.

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, apresentou a experiência do estado em estimular o uso de biocombustíveis, especialmente do etanol. “Queremos somar nosso esforço nesta necessidade global de termos uma economia de baixo carbono. A experiência da bioeconomia mostra que podemos agir na questão da energia e dos combustíveis, mas é preciso estimular de maneira mais rápida esse processo. Por isso temos dado grande apoio ao RenovaBio, programa brasileiro de estímulo aos biocombustíveis”, afirmou.

Roberto Jaguaribe, presidente da ApexBrasil, explicou que é possível combinar desenvolvimento social com aumento da capacidade de produtiva. “Um estudo da Climate Bonds Initiative mostrou que áreas em que foram implantadas usinas de cana-de-açúcar no Mato Grosso do Sul ganharam com a preservação do meio ambiente. Gerar renda nesses espaços faz diferença na conservação e proteção do meio ambiente, porque a pobreza tende a degradar a natureza”, pontuou. 

“A pobreza tende a degradar a natureza”, ressaltou Jaguaribe

Em depoimento exibido em vídeo, a CEO da Energia Sustentável para Todos (SEforALL), Rachel Kyte, destacou a importância do Brasil nas negociações do Acordo de Paris e lembrou que os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) defendem que a melhoria da qualidade de vida das pessoas passa, necessariamente, pela garantia de energia acessível, sustentável e moderna.

O vice-diretor geral da Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA), Sakari Oksanen, complementou reforçando que a bioenergia é essencial para atingirmos os ODS. Paul Simons, vice-diretor executivo da Agência Internacional de Energia (IEA), afirmou que o nosso país é visto como ator fundamental na construção de um mundo mais sustentável. “O Brasil apresenta diversas soluções inovadoras, seguras e acessíveis para o futuro energético global”, reconheceu.

 

Painéis destacam oportunidades e desafios

Após a abertura, foram realizados dois painéis com a finalidade de discutir os cenários climáticos e os principais desafios para o desenvolvimento da bioeconomia global. Moderado por Christian Zinglersen, chefe da Secretaria Ministerial de Energia Limpa (IEA), o debate “Cenários climáticos e a necessidade de ampliar a bioeconomia avançada” destacou a urgência de se desenvolver o mercado de bioenergia em suas diversas frentes, da produção ao consumo, respeitando as diferenças regionais.

Paolo Frankl, chefe da Divisão de Energia Renovável da IEA, ressaltou que os biocombustíveis são indispensáveis para o alcance das metas do Acordo de Paris. “Mesmo cumprindo com todas as NDC, será difícil atingir as metas acordadas na COP21. Pela frente, temos como principal desafio o aumento, em grande escala, da participação de biocombustíveis na matriz energética global até 2030”. Para ele, o caminho é expandir o desenvolvimento de tecnologias.

Bernardo Gradin, CEO da Granbio, trouxe a perspectiva da indústria para o debate. “A descarbonização oferece um amplo espectro de oportunidades de negócios, mas faltam programas e políticas que estimulem a produção e a demanda de biocombustíveis”, defendeu. O painel contou também com a participação de Sakari Oksanen.

O segundo painel – Superando os desafios atuais e estruturando as opções políticas futuras -, moderado pelo diretor geral de Desenvolvimento Sustentável, Energia e Clima do Ministério do Meio Ambiente da Itália, Francesco LaCamera, teve como principal questão debater soluções concretas para a superação das barreiras, especialmente as legislativas.

Rasmus Valanko, do WBCSD, apresenta o below50

Rasmus Valanko, diretor de Clima e Energia do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), apresentou o below50, projeto que busca criar demanda para combustíveis que, como o etanol e o biodiesel, emitam 50% menos CO2 do que os combustíveis tradicionais. Para ele, a colaboração intersetorial e entre os países é fundamental para que o mercado avance. “Dizer o que precisa ser feito não é mais suficiente, precisamos saber como fazer e o below50 traz essa perspectiva”, declarou. 

Plinio Nastari, representante da sociedade civil no Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), aprofundou o debate sobre o RenovaBio. “O programa propõe uma regulação baseada em dois pilares: a introdução de eficiência energética no uso e produção de bioenergia; e o reconhecimento da capacidade de mitigação de cada um dos biocombustíveis. Por meio desse estímulo, o RenovaBio trará competitividade às nossas empresas e preços mais baixos para os consumidores”, explicou.

O painel também teve contribuições do chair de Bioenergia da IEA, Kees Kwant; e do chair do Grupo de Trabalho em Biocombustíveis do Ministério de Petróleo e Gás da Índia, Ramakrishna Y.B.


O papel da indústria na bioeconomia

Durante a tarde de terça (24), os participantes da Cúpula se dividiram em três painéis paralelos, com o objetivo de esmiuçar temas relativos à bioeconomia, como a construção de políticas públicas e o desenvolvimento de biocombustíveis e bioprodutos de baixo carbono.

Ana Szklo moderou o painel sobre o desenvolvimento de biocombustíveis na indústria

O painel “Desenvolvimento Industrial na Bioeconomia: combustíveis de baixo carbono” foi moderado pela gerente sênior de Assessoria Técnica e Projetos do CEBDS, Ana Szklo, e formalizou o roadshow do below50. “O setor de transportes é central na redução das emissões de gases de efeito estufa e os biocombustíveis também podem ser disruptivos. Hoje, observamos que há uma desconexão entre onde deveríamos estar e onde estamos”, pontuou. 

Pedro Scorza, diretor de Biocombustíveis de Aviação da GOL, explicou que o setor de aviação é muito sensível a mudanças. “Antes de falarmos em disseminar os biocombustíveis em grande escala, precisamos de políticas públicas e marcos regulatórios que abram caminho para a consolidação do mercado”, reforçou.

João Alberto Abreu, vice-presidente executivo da Raízen, concordou parcialmente. “Precisamos de marcos regulatórios para fomentar a indústria de bioenergia, mas o setor empresarial deve ser mais construtivo nesse debate. Investimentos em inovação e tecnologias, disruptivas ou não, são o melhor caminho”, sustentou.

O painel contou com a participação de Rebecca Boudreaux, presidente da Oberon Fuels; e Daniel Cardinalli, chefe de Desenvolvimento de Negócios na América Latina da Novozymes.

O segundo debate sobre o desenvolvimento da bioeconomia na indústria contou com a participação de parceiros do below50 – hub América do Sul. Bernardo Silva, presidente da Associação Brasileira de Biotecnologia Industrial (ABBI), abordou as oportunidades que o Brasil têm pela frente com o programa do governo federal para alavancar os biocombustíveis. “O RenovaBio é, sobretudo, uma política de inovação”, reforçou.

Também participaram da discussão Elizabeth Farina, presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica); Donizete Torkaski, diretor da União Brasileira de Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio); Gabriel Kropsch, Associação Brasileira de Biogás e Biometano (ABiogás); e moderação de Gerard Ostheimer, diretor do below50/SEforALL.

O I Biofuture Summit foi organizado pelo Ministério de Relações Exteriores em parceria com o CEBDS e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), e contou com o apoio da ABBI; ABiogás; Unica; Ubrabio; Confederação Nacional da Indústria (CNI); Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia de Bioetanol (CTBE); e Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

Mais informações sobre os painelistas e discussões apresentadas podem ser encontradas em www.biofuturesummit.com.



Eventos Relacionados

Energia solar já é realidade?

Confira mais um texto feito no âmbito da parceria entre o Secovi Rio e o CEBDS, por meio do Projeto de Eficiência Energética em Edificações (EEB Lab). Desta vez, falamos sobre energia solar!

Saiba como economizar energia em 5 passos

Você sabia que o setor de edificações consome mais energia elétrica do que a indústria? Saiba mais no post que faz parte da parceria do Secovi Rio com o Projeto de Eficiência Energética em Edificações (EEB Lab) e CEBDS.

Água e falta de participação social

"Hoje a agenda [de água] enfraqueceu, justo quando deveria ser tema central, uma vez que a água será o recurso mais afetado pelas mudanças climáticas. A ONU estima que, até 2030, o deficit entre demanda e oferta deve alcançar 40%". Clique e confira mais sobre o artigo da presidente do CEBDS no Correio Braziliense.

Um novo amanhã é possível – Conheça o CEBDS!

Mais do que nunca, é hora de reunirmos as pessoas, empresas e governos para construirmos um novo amanhã.

Entenda o que é aquecimento global

Você já deve ter ouvido as palavras “efeito estufa”, “aquecimento global” e “mudança climática” por aí, mas você sabe realmente o que são? O nosso planeta está sofrendo hoje as consequências de um processo que o ser humano começou há séculos atrás.

Manual de compras sustentáveis: como proceder?

Veja um manual de como as empresas devem proceder para incluir os critérios de sustentabilidade ao realizar suas compras. Confira!

O que é Capital Natural?

Hoje somos afetados pelos impactos causados ao nosso modo de vida, devido ao mau uso desses recursos, sendo necessário repensar a maneira como lidamos com os recursos naturais. Conheça o conceito de Capital Natural e entenda o valor dos recursos naturais em relação a um produto ou serviço.

Carta aberta ao presidente Temer

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo, Israel Klabin direciona uma carta ao presidente da República solicitando a não ratificação das MPs 756 e 758. Confira!

Industrialização Inclusiva X Negócios

A presidente do CEBDS, Marina Grossi, fala em entrevista exclusiva à FIESP sobre a industrialização inclusiva como forma de integrar o desenvolvimento sustentável em seu negócio. Confira a entrevista.

Sustentabilidade é bom negócio

Confira o artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, publicado no jornal O Globo.

Sustentabilidade Urbana: uma nova agenda para as cidades

A construção de cidades mais sustentáveis é um desafio que só pode ser alcançado com base em modelos modernos e inovadores, capazes de construir instrumentos de congregação dos esforços da esfera pública com as forças da sociedade civil e da iniciativa empresarial.

Entenda a NDC brasileira

Assista ao vídeo produzido pelo CEBDS com o apoio do We Mean Business e entenda as metas da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês) brasileira.

Quais são as metas do Brasil para o Acordo de Paris?

Entenda o papel da NDC brasileira nessa jornada e por que ela é tão importante para obtenção de resultados concretos rumo ao desenvolvimento sustentável. Confira!

Gestão de Recursos Hídricos: o que é e como aplicar em minha empresa?

Uma importante questão é que a gestão de recursos hídricos vai muito além do simples racionamento ou economia. Trata-se de mapear riscos e oportunidades que englobam o tema.

Títulos verdes no Brasil

Confira o novo artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, no site do Projeto Colabora sobre como os gestores estão se unindo para estruturar o mercado brasileiro de investimentos em projetos ambientais.

Trabalhar pelo Acordo de Paris: um compromisso do Brasil

Compete ao CEBDS ser o combustível para incitamos nossas empresas associadas a mostrar suas ações realizadas para ajudar o Brasil a honrar os compromissos assumidos no âmbito do Acordo de Paris e, também, a convocar outras empresas para fazer o mesmo. Conheça mais sobre a corrente #JuntosPeloClima.

Siemens neutralizará sua emissão de CO2 até 2030

Além de apoiar seus clientes, a Siemens estabeleceu o objetivo de ser a primeira empresa industrial do mundo a conseguir atingir a pegada de carbono zero até 2030 em sua própria operação. Saiba sobre essas e mais ações na corrente #JuntosPeloClima.

Unilever mostra que atuação sustentável impulsiona crescimento

De 2008 a 2015, a Unilever reduziu em 36,09 % a emissão de gases de efeito estufa (GEE) e o consumo de água, além de diminuir em 95,36% a geração de resíduo por tonelada produzida. Saiba mais ações sobre as ações da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Mais eólicas para o Brasil alcançar as metas do Acordo de Paris

FURNAS apostou na diversificação das fontes de energia, limpas e renováveis, que apresentam uma boa relação risco x rentabilidade e contribuem para o crescimento sustentável da empresa e do Brasil. Saiba mais sobre essa e outras ações na corrente #JuntosPeloClima.

Mudanças climáticas e o papel de cada um

A Ticket Log criou dois programas que conversam ativamente com a questão das mudanças climáticas. Conheça essas ações e de outras iniciativas da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Como contribuímos para um mundo mais sustentável

Conheça as ações da CPFL Renováveis apresentada na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para a implementação dos compromissos assumidos pelo Brasil em Paris, por meio da geração de energia por fontes alternativas (eólica, solar e biomassa).

Da fazenda ao porto e do porto para fora, AMAGGI incorpora sustentabilidade em seus negócios

Ao longo dos anos, a AMAGGI vem progressivamente incorporando a sustentabilidade em todas as suas áreas de negócios. Conheça as ações e métodos apresentados na corrente #JuntosPeloClima. Confira!

Energia segura e sustentável também para as áreas remotas do Brasil

Conheça o Programa de Acesso à Energia que a Schneider Eletric apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol do desenvolvimento sustentável de comunidades rurais e remotas, aumentando a eficiência energética e diminuindo a emissão de gases de efeitos estufa.

O papel do setor privado no desenvolvimento de um futuro sustentável

Conheça as ações e resultados que a Suzano Papel e Celulose apresenta na corrente #JuntosPeloClima tornando a matriz energética da empresa mais limpa, além de outras ações que contribuem para a construção de um mundo melhor.

Inovar e cocriar para proteger o clima

Conheça as metas e soluções que a BASF apresenta na ação #JuntosPeloClima no combate às mudanças climáticas. Clique e confira!

Nossos produtos, as suas escolhas e o clima do Planeta

O Grupo Boticário apresenta na corrente #JuntosPeloClima as ações da empresa e da sua Fundação que estimulam atitudes sustentáveis impactando diretamente no clima no Planeta.

Emissões evitadas de carbono do Legado das Águas/Votorantim somam U$ 14 milhões

A Votorantim apresenta na corrente #JuntosPeloClima o Legado das Águas, a maior reserva privada de Mata Atlântica e uma importante contribuição para o planeta.

Aegea aposta na eficiência do uso da água e restauração florestal para reduzir emissões

Conheça os projetos e sistemas que a Aegea apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol da segurança hídrica e de ações de impacto positivo no ecossistema.

Monsanto fornece hidrogênio para reduzir emissão de gás carbônico na Bahia

Conheça as ações e as metas que a Monsanto apresenta na corrente #JuntosPeloClima que pavimentam o objetivo de chegar a 2021 com uma produção totalmente neutra na emissão de carbono.

Vale: a mineração se reinventa

Conheça os projetos e as ações que a Vale apresenta na corrente #JuntosPeloClima que agregam soluções alinhadas aos esforços mundiais de redução das emissões de GEE e da manutenção de uma gestão equilibrada dos recursos naturais nos processos.

Brasil Kirin aposta em iniciativas para reduzir emissões de CO2

Conheça as iniciativas que a Brasil Kirin apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para reduzir a emissão de CO2 entregando benefícios para todo o planeta.

A Alcoa está comprometida com mitigação e adaptação às mudanças climáticas

Conheça as ações que a Alcoa apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem com os esforços nacionais e globais de redução dos impactos das mudanças climáticas.
Veja todos os eventos

Projetos Relacionados

below50

Colaboração global que tem como objetivo impulsionar o desenvolvimento do mercado global e nacional de combustíveis sustentáveis. O CEBDS é responsável pela liderança do projeto na América do Sul, buscando adaptar o projeto global ao contexto da região.
Veja todos os Projetos