Notícias

CEBDS debate ODS em painéis da Virada Sustentável

Data: 10/06/2017

Área: Água, Clima, Finanças

Levar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para o cotidiano das pessoas. Essa foi a mensagem da presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), Marina Grossi, no painel “Rio e seus caminhos para a sustentabilidade”. O debate, que aconteceu no Museu de Arte do Rio na manhã desta sexta-feira (9), abriu a primeira edição da Virada Sustentável no Rio de Janeiro.

Diante de um auditório lotado, a presidente do CEBDS ressaltou a importância de se traduzir a sustentabilidade e suas inúmeras pautas para outras linguagens, envolvendo mais as pessoas.

“Desejo que todos falem de sustentabilidade, que todos entendam do assunto. Nesse sentido, a Virada é um laboratório importante, ainda mais sendo norteado pelos ODS. O espírito da Virada é pensar no futuro”, destacou Grossi. Para ela, a sustentabilidade estará plenamente implementada quando for pauta da vida cotidiana e tiver a capacidade de “virar” ideias e transformar sujeitos.

O economista e professor da PUC-Rio, Sérgio Besserman, e a líder executiva da Agência Juntos, Marta Porto, também apresentaram suas visões. “Os ODS estão contemplados em todas as atividades propostas pela Virada. Isso só reforça a ideia de que os ODS não devem ficar restritos à elite institucional, devem ganhar as ruas”, afirmou Besserman.

Além disso, o professor frisou a necessidade da descarbonização da economia. “A transição para economia de baixo carbono é uma grande oportunidade para o Brasil e o Rio é uma expressão dessa potência sustentável”, declarou.

Porto lançou uma nova perspectiva no debate. “A arte, a cultura e os direitos humanos devem estar no coração dos ODS. O Brasil é capaz de matar mais do que na Síria. Isso não é sustentável, não é possível manter esse grau de violência e violação”, acentuou. O painel foi mediado pela presidente do conselho do Greenpeace Brasil, Marcella Monteiro.

No primeiro dia da Virada Sustentável os assessores técnicos do CEBDS, André Ramalho e Laura Albuquerque, também foram painelistas nos temas recursos hídricos e mudanças climáticas. Veja abaixo.

 

Painel Águas

A Virada reuniu distintas vozes no debate baseado no ODS 6. Apesar disso, a tônica da discussão foi uma só: a saída para a gestão eficiente dos recursos hídricos é a ação coletiva.

André Ramalho (CEBDS) apresenta proposta no painel de águas

André Ramalho, biólogo e coordenador das Câmaras Temáticas de Água e Biodiversidade do CEBDS, lembrou que recentemente diversas regiões no país passaram por períodos de falta de água. Para ele, temos agora a oportunidade de nos prepararmos para o próximo período de escassez.

A sua apresentação rendeu uma sugestão ao debate de gestão eficiente das águas. “Um dos caminhos é investir em infraestrutura natural consorciada com infraestrutura cinza. Para isso, precisamos agir coletivamente, compartilhando investimentos, inteligência e aprendizados”, destacou o assessor do CEBDS.

Outro tema abordado foi a despoluição da Baía de Guanabara. Sérgio Ricardo, fundador do movimento Baía Viva, pontuou as contribuições que tal ação trará para a mobilidade da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Isabel Swan, velejadora olímpica e associada do Instituto Rumo Náutico, foi enfática. “Precisamos criar um pacto com apoio corporativo e engajamento social para termos de volta nossa Baía de Guanabara saudável”. A professora do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento da UFRJ, Estela Neves, complementou citando os casos de despoluição dos rios Tâmisa, na Inglaterra; Sena, na França; e Reno, na Suíça e Alemanha.

Joel de Oliveira, diretor da O2eco, destacou a necessidade de se pensar em tecnologias disruptivas, pontuando que nos últimos 30 anos os métodos de tratamento das águas no Brasil não mudou muito. Ele apresentou a TWC, que chega a ser 5 vezes mais barata do que qualquer tecnologia de limpeza de águas no mundo.

Rubens Filho, coordenador de comunicação do Instituto Trata Brasil, trouxe dados sobre o saneamento básico no país. “O Brasil joga, por dia, 5 mil piscinas olímpicas de esgoto sem tratamento em nossas água. Cerca de 42% do esgoto no país é tratado, o restante é despejado em nossos rios, lagos e mares”, explicou.

 

Painel Mudanças Climáticas: Inovação e Futuro

Partindo dos ODS 9 e 13, o painel de mudanças climáticas debateu a descarbonização da economia e apresentou cases de sucesso da gestão de carbono em grandes empresas, como a Braskem, nossa associada, e a Duratex.

Laura Albuquerque comenta estudo do CEBDS no painel de mudanças climáticas

Laura Albuquerque, coordenadora das Câmaras Temáticas de Mudança do Clima e Energia e Finanças Sustentáveis do CEBDS, traçou um histórico dos acordos climáticos internacionais e comentou o estudo Oportunidades e desafios das metas da NDC brasileira para o setor empresarial, lançado pelo CEBDS com apoio do We Mean Business.

“Não temos como falar do Acordo de Paris sem citar a recente saída dos EUA. Isso afeta a construção e o diálogo multilateral que aconteceu nos últimos anos. É uma péssima notícia para o mundo, mas para o CEBDS e seus parceiros nacionais e internacionais o compromisso não mudou. É momento de reafirmar a agenda. Acreditamos que a transição para a economia de baixo carbono não tem volta”, enfatizou.

A diretora do CDP, Juliana Lopes, reforçou a necessidade de se implementarem mecanismos de finanças sustentáveis. “Os países que adotarem a precificação de carbono crescerão melhor e mais rápido. A comunidade de investidores já sinaliza que vai desinvestir nas atividades mais intensivas de carbono e irá direcionar esses recursos para atividades com menores taxas de emissões. O Brasil tem uma grande oportunidade de sair na frente, é um novo mercado se abrindo”, pontuou.

Andrea Lopes, especialista em Meio Ambiente da Firjan, citou o caso das chuvas de 2011 na Região Serrana do Rio, que além das vidas perdidas, causaram um prejuízo de R$ 4 bilhões. “A economia de baixo carbono só será possível por meio da inovação, do uso de energias e matérias-primas renováveis, e eficiência em todos os processos industriais”, defendeu.

Jorge Soto, diretor de desenvolvimento sustentável da Braskem, apresentou as ações de mitigação e adaptação implementadas pela empresa. Ele também convocou todos a repensarem suas atitudes em prol de um mundo mais sustentável.

Bruna Fernandes, especialista em Sustentabilidade da Duratex, compartilhou como a empresa faz a gestão do carbono em toda sua cadeia produtiva. A diretora do Instituto-E, Nina Braga, argumentou que é preciso mudar o paradigma dos produtos sustentáveis. A mediadora do painel foi a jornalista Janine Saponara.

 

Virada Sustentável

Museu de Arte do Rio é um locais da Virada

A Virada Sustentável é um movimento de mobilização colaborativa em prol da sustentabilidade. Nasceu em São Paulo e já está em sua sétima edição por lá. Manaus, Valinhos e Porto Alegre também já receberam o festival, que envolve de coletivos de cultura a empresas em sua articulação.

Neste ano, a concepção da Virada é baseada nos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, definidos pela ONU. A primeira edição no Rio de Janeiro começou nesta sexta (9) e segue até o próximo domingo (11). Na programação, centenas de atividades gratuitas que alcançam 84 bairros da cidade.



Publicações Relacionadas

Oportunidade e Desafios das metas da NDC Brasileira para o Setor Empresarial

Ver publicação

Precificação de Carbono: o que o setor empresarial precisa saber para se posicionar

Ver publicação
Veja todas as publicacoes

Empresas Relacionadas

Veja todas as Empresas

Eventos Relacionados

COP23 teve a missão de estabelecer as regras de implementação do Acordo de Paris

Na COP23, o CEBDS mostrou como vem contribuindo em discussões centrais para o avanço da implantação do Acordo e, especialmente, da NDC brasileira. Defendemos que a estratégia para alcançarmos as metas da NDC deve ser encarada como uma agenda de desenvolvimento de baixo carbono para o país.

Saiba como economizar energia em 5 passos

Você sabia que o setor de edificações consome mais energia elétrica do que a indústria? Saiba mais no post que faz parte da parceria do Secovi Rio com o Projeto de Eficiência Energética em Edificações (EEB Lab) e CEBDS.

Água e falta de participação social

"Hoje a agenda [de água] enfraqueceu, justo quando deveria ser tema central, uma vez que a água será o recurso mais afetado pelas mudanças climáticas. A ONU estima que, até 2030, o deficit entre demanda e oferta deve alcançar 40%". Clique e confira mais sobre o artigo da presidente do CEBDS no Correio Braziliense.

Um novo amanhã é possível – Conheça o CEBDS!

Mais do que nunca, é hora de reunirmos as pessoas, empresas e governos para construirmos um novo amanhã.

Entenda o que é aquecimento global

Você já deve ter ouvido as palavras “efeito estufa”, “aquecimento global” e “mudança climática” por aí, mas você sabe realmente o que são? O nosso planeta está sofrendo hoje as consequências de um processo que o ser humano começou há séculos atrás.

Manual de compras sustentáveis: como proceder?

Veja um manual de como as empresas devem proceder para incluir os critérios de sustentabilidade ao realizar suas compras. Confira!

O que é Capital Natural?

Hoje somos afetados pelos impactos causados ao nosso modo de vida, devido ao mau uso desses recursos, sendo necessário repensar a maneira como lidamos com os recursos naturais. Conheça o conceito de Capital Natural e entenda o valor dos recursos naturais em relação a um produto ou serviço.

Carta aberta ao presidente Temer

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo, Israel Klabin direciona uma carta ao presidente da República solicitando a não ratificação das MPs 756 e 758. Confira!

Industrialização Inclusiva X Negócios

A presidente do CEBDS, Marina Grossi, fala em entrevista exclusiva à FIESP sobre a industrialização inclusiva como forma de integrar o desenvolvimento sustentável em seu negócio. Confira a entrevista.

Sustentabilidade é bom negócio

Confira o artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, publicado no jornal O Globo.

Sustentabilidade Urbana: uma nova agenda para as cidades

A construção de cidades mais sustentáveis é um desafio que só pode ser alcançado com base em modelos modernos e inovadores, capazes de construir instrumentos de congregação dos esforços da esfera pública com as forças da sociedade civil e da iniciativa empresarial.

Entenda a NDC brasileira

Assista ao vídeo produzido pelo CEBDS com o apoio do We Mean Business e entenda as metas da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês) brasileira.

Quais são as metas do Brasil para o Acordo de Paris?

Entenda o papel da NDC brasileira nessa jornada e por que ela é tão importante para obtenção de resultados concretos rumo ao desenvolvimento sustentável. Confira!

Gestão de Recursos Hídricos: o que é e como aplicar em minha empresa?

Uma importante questão é que a gestão de recursos hídricos vai muito além do simples racionamento ou economia. Trata-se de mapear riscos e oportunidades que englobam o tema.

Títulos verdes no Brasil

Confira o novo artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, no site do Projeto Colabora sobre como os gestores estão se unindo para estruturar o mercado brasileiro de investimentos em projetos ambientais.

Trabalhar pelo Acordo de Paris: um compromisso do Brasil

Compete ao CEBDS ser o combustível para incitamos nossas empresas associadas a mostrar suas ações realizadas para ajudar o Brasil a honrar os compromissos assumidos no âmbito do Acordo de Paris e, também, a convocar outras empresas para fazer o mesmo. Conheça mais sobre a corrente #JuntosPeloClima.

Siemens neutralizará sua emissão de CO2 até 2030

Além de apoiar seus clientes, a Siemens estabeleceu o objetivo de ser a primeira empresa industrial do mundo a conseguir atingir a pegada de carbono zero até 2030 em sua própria operação. Saiba sobre essas e mais ações na corrente #JuntosPeloClima.

Unilever mostra que atuação sustentável impulsiona crescimento

De 2008 a 2015, a Unilever reduziu em 36,09 % a emissão de gases de efeito estufa (GEE) e o consumo de água, além de diminuir em 95,36% a geração de resíduo por tonelada produzida. Saiba mais ações sobre as ações da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Mais eólicas para o Brasil alcançar as metas do Acordo de Paris

FURNAS apostou na diversificação das fontes de energia, limpas e renováveis, que apresentam uma boa relação risco x rentabilidade e contribuem para o crescimento sustentável da empresa e do Brasil. Saiba mais sobre essa e outras ações na corrente #JuntosPeloClima.

Mudanças climáticas e o papel de cada um

A Ticket Log criou dois programas que conversam ativamente com a questão das mudanças climáticas. Conheça essas ações e de outras iniciativas da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Como contribuímos para um mundo mais sustentável

Conheça as ações da CPFL Renováveis apresentada na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para a implementação dos compromissos assumidos pelo Brasil em Paris, por meio da geração de energia por fontes alternativas (eólica, solar e biomassa).

Da fazenda ao porto e do porto para fora, AMAGGI incorpora sustentabilidade em seus negócios

Ao longo dos anos, a AMAGGI vem progressivamente incorporando a sustentabilidade em todas as suas áreas de negócios. Conheça as ações e métodos apresentados na corrente #JuntosPeloClima. Confira!

Energia segura e sustentável também para as áreas remotas do Brasil

Conheça o Programa de Acesso à Energia que a Schneider Eletric apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol do desenvolvimento sustentável de comunidades rurais e remotas, aumentando a eficiência energética e diminuindo a emissão de gases de efeitos estufa.

O papel do setor privado no desenvolvimento de um futuro sustentável

Conheça as ações e resultados que a Suzano Papel e Celulose apresenta na corrente #JuntosPeloClima tornando a matriz energética da empresa mais limpa, além de outras ações que contribuem para a construção de um mundo melhor.

Inovar e cocriar para proteger o clima

Conheça as metas e soluções que a BASF apresenta na ação #JuntosPeloClima no combate às mudanças climáticas. Clique e confira!

Nossos produtos, as suas escolhas e o clima do Planeta

O Grupo Boticário apresenta na corrente #JuntosPeloClima as ações da empresa e da sua Fundação que estimulam atitudes sustentáveis impactando diretamente no clima no Planeta.

Emissões evitadas de carbono do Legado das Águas/Votorantim somam U$ 14 milhões

A Votorantim apresenta na corrente #JuntosPeloClima o Legado das Águas, a maior reserva privada de Mata Atlântica e uma importante contribuição para o planeta.

Aegea aposta na eficiência do uso da água e restauração florestal para reduzir emissões

Conheça os projetos e sistemas que a Aegea apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol da segurança hídrica e de ações de impacto positivo no ecossistema.

Monsanto fornece hidrogênio para reduzir emissão de gás carbônico na Bahia

Conheça as ações e as metas que a Monsanto apresenta na corrente #JuntosPeloClima que pavimentam o objetivo de chegar a 2021 com uma produção totalmente neutra na emissão de carbono.

Vale: a mineração se reinventa

Conheça os projetos e as ações que a Vale apresenta na corrente #JuntosPeloClima que agregam soluções alinhadas aos esforços mundiais de redução das emissões de GEE e da manutenção de uma gestão equilibrada dos recursos naturais nos processos.

Brasil Kirin aposta em iniciativas para reduzir emissões de CO2

Conheça as iniciativas que a Brasil Kirin apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para reduzir a emissão de CO2 entregando benefícios para todo o planeta.

A Alcoa está comprometida com mitigação e adaptação às mudanças climáticas

Conheça as ações que a Alcoa apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem com os esforços nacionais e globais de redução dos impactos das mudanças climáticas.
Veja todos os eventos

Projetos Relacionados

We Mean Business

Venha participar de uma verdadeira revolução nos negócios. Uma onda de inovação que está criando oportunidades e acordos decisivos para mudar o futuro do nosso planeta.
Veja todos os Projetos