Notícias

Precificação de carbono é tema de workshop

Data: 25/10/2016

Área: Clima, Finanças

“O futuro não será igual ao passado”. Esta foi uma das primeiras frases utilizadas para descrever o momento atual de transição para uma economia de baixo carbono. Em uma união entre Carbon Disclosure Project (CDP), Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável(CEBDS), We Mean Business e apoio técnico da WayCarbon, as entidades promoveram um workshop em São Paulo para abordar a precificação de carbono e sua importância para fomentar medidas para reduzir drasticamente as emissões de carbono em diferentes setores.

Atualmente, mais de 40 jurisdições de todo o mundo já contam com um mecanismo de precificação de carbono, seja via taxação ou sistema de comércio de emissões. Atentas a esse cenário, muitas empresas estão voluntariamente definindo preços para suas emissões de carbono a fim de antecipar-se a regulação e preparar-se para a economia de baixo carbono, prática conhecida como precificação interna de carbono. Segundo Nicolette Bartlett, líder de precificação de carbono do CDP, de 2004 a 2016, o número de empresas que reportam a adoção de um preço interno de carbono cresceu de 150 para 1.200, o que já expressa uma grande preocupação mundial em desenvolver medidas que alcancem as metas de redução de impacto em mudanças climáticas. Além disso, o relatório “Embedding a carbon price into business strategy”, elaborado pelo CDP, mostra que neste ano o Brasil aumentou em 74% o número de empresas que usam ou planejam usar a precificação interna de carbono.

“A precificação do carbono é um mecanismo economicamente eficiente para promover a urgente redução de emissões que buscamos. O setor empresarial precisa estar engajado para garantir que isso acontecerá da forma mais eficiente possível”, afirmou a assessora técnica do CEBDS, Lilia Caiado, que, durante o workshop, apresentou a Iniciativa Empresarial em Clima (IEC). No Brasil, a IEC vem trabalhando pela implementação de mecanismos de precificação de carbono e lançou, em setembro deste ano, um posicionamento defendendo uma metodologia para isso. A IEC é composta pelo CEBDS, CDP, Envolverde, GVCes, Instituto Ethos e Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas.

Por meio de debates e apresentações com representantes de instituições como Banco Mundial, Itaú Asset Management, Latam, com mediação do CDP, foi discutido o cenário da precificação no mundo, além de exemplos de empresas, como a Latam, que têm lidado com a iminente mudança do seu setor para um modelo de baixo carbono. “A aviação é um setor que será muito impactado. A solução final será o combustível alternativo, como a bioquerosene de aviação”, afirma Sarita Severien, da diretoria de relações institucionais e sustentabilidade da Latam. A representante da Latam abordou também iniciativas que já estão em andamento, como a desenvolvida pela ICAO, a Carbon Neutral Growth, que já traz metas concretas para que em 2020 todos os países voem com carbono neutro, ou seja, neutralizando as emissões de carbono.

Já na questão dos investidores, Alexandre Gazzotti, analista SRI do Itaú Asset Management reforça: “Os investidores que estão focados em resultados de longo prazo levam em consideração o fator da precificação de carbono”. Alexandre Kossoy, especialista financeiro na Unidade Financeira de Carbono do Banco Mundial, ressalta: “A China já é um dos países que mais reduz emissões de carbono, em torno de 1 bilhão de toneladas, só em sete cidades-piloto”.

Para preparar as empresas para as regulamentações que devem chegar antes de 2020, o GVces apresentou uma ferramenta que simula um sistema de comercialização de emissões e foram reforçadas medidas que favorecem um ambiente corporativo apto a adotar a precificação interna de carbono:

– A decisão deve ser trabalhada junto com a Alta Liderança das empresas, engajando este público para que entendam as necessidades e benefícios da iniciativa;

– A empresa deve envolver as áreas de Sustentabilidade, Risco e Financeiro, já que fazem parte do processo decisório;

– Capacitação de funcionários para realização de projetos que priorizem a precificação de carbono;

– Além disso, o encontro discutiu as dificuldades de se desenvolver políticas de regulamentação, posicionamentos e também desenvolveu na prática planos de ação para iniciar o processo dentro das empresas.

O workshop realizou dois exercícios práticos com os participantes. O primeiro exercício simulou a alocação de permissões para emitir entre empresas do setor elétrico em um mercado de carbono de um país fictício. O outro trabalhava a precificação de carbono dentro das empresas, para que elas conhecessem o que deve ser feito para medir o seu custo de abatimento.

O CEBDS e CDP preparam para lançar em 2017, o Guia Avançado de Precificação de Carbono. Fique atento, em breve, o Guia estará aqui no site do CEBDS.

 

 



Publicações Relacionadas

Posicionamento sobre os mecanismos de precificação do carbono

Ver publicação

Guia de Precificação de Carbono

Ver publicação
Veja todas as publicacoes

Eventos Relacionados

O que é Capital Natural?

Hoje somos afetados pelos impactos causados ao nosso modo de vida, devido ao mau uso desses recursos, sendo necessário repensar a maneira como lidamos com os recursos naturais. Conheça o conceito de Capital Natural e entenda o valor dos recursos naturais em relação a um produto ou serviço.

Carta aberta ao presidente Temer

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo, Israel Klabin direciona uma carta ao presidente da República solicitando a não ratificação das MPs 756 e 758. Confira!

Industrialização Inclusiva X Negócios

A presidente do CEBDS, Marina Grossi, fala em entrevista exclusiva à FIESP sobre a industrialização inclusiva como forma de integrar o desenvolvimento sustentável em seu negócio. Confira a entrevista.

Sustentabilidade é bom negócio

Confira o artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, publicado no jornal O Globo.

Sustentabilidade Urbana: uma nova agenda para as cidades

A construção de cidades mais sustentáveis é um desafio que só pode ser alcançado com base em modelos modernos e inovadores, capazes de construir instrumentos de congregação dos esforços da esfera pública com as forças da sociedade civil e da iniciativa empresarial.

Entenda a NDC brasileira

Assista ao vídeo produzido pelo CEBDS com o apoio do We Mean Business e entenda as metas da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês) brasileira.

Quais são as metas do Brasil para o Acordo de Paris?

Entenda o papel da NDC brasileira nessa jornada e por que ela é tão importante para obtenção de resultados concretos rumo ao desenvolvimento sustentável. Confira!

Gestão de Recursos Hídricos: o que é e como aplicar em minha empresa?

Uma importante questão é que a gestão de recursos hídricos vai muito além do simples racionamento ou economia. Trata-se de mapear riscos e oportunidades que englobam o tema.

Títulos verdes no Brasil

Confira o novo artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, no site do Projeto Colabora sobre como os gestores estão se unindo para estruturar o mercado brasileiro de investimentos em projetos ambientais.

Trabalhar pelo Acordo de Paris: um compromisso do Brasil

Compete ao CEBDS ser o combustível para incitamos nossas empresas associadas a mostrar suas ações realizadas para ajudar o Brasil a honrar os compromissos assumidos no âmbito do Acordo de Paris e, também, a convocar outras empresas para fazer o mesmo. Conheça mais sobre a corrente #JuntosPeloClima.

Siemens neutralizará sua emissão de CO2 até 2030

Além de apoiar seus clientes, a Siemens estabeleceu o objetivo de ser a primeira empresa industrial do mundo a conseguir atingir a pegada de carbono zero até 2030 em sua própria operação. Saiba sobre essas e mais ações na corrente #JuntosPeloClima.

Unilever mostra que atuação sustentável impulsiona crescimento

De 2008 a 2015, a Unilever reduziu em 36,09 % a emissão de gases de efeito estufa (GEE) e o consumo de água, além de diminuir em 95,36% a geração de resíduo por tonelada produzida. Saiba mais ações sobre as ações da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Mais eólicas para o Brasil alcançar as metas do Acordo de Paris

FURNAS apostou na diversificação das fontes de energia, limpas e renováveis, que apresentam uma boa relação risco x rentabilidade e contribuem para o crescimento sustentável da empresa e do Brasil. Saiba mais sobre essa e outras ações na corrente #JuntosPeloClima.

Mudanças climáticas e o papel de cada um

A Ticket Log criou dois programas que conversam ativamente com a questão das mudanças climáticas. Conheça essas ações e de outras iniciativas da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Como contribuímos para um mundo mais sustentável

Conheça as ações da CPFL Renováveis apresentada na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para a implementação dos compromissos assumidos pelo Brasil em Paris, por meio da geração de energia por fontes alternativas (eólica, solar e biomassa).

Da fazenda ao porto e do porto para fora, AMAGGI incorpora sustentabilidade em seus negócios

Ao longo dos anos, a AMAGGI vem progressivamente incorporando a sustentabilidade em todas as suas áreas de negócios. Conheça as ações e métodos apresentados na corrente #JuntosPeloClima. Confira!

Energia segura e sustentável também para as áreas remotas do Brasil

Conheça o Programa de Acesso à Energia que a Schneider Eletric apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol do desenvolvimento sustentável de comunidades rurais e remotas, aumentando a eficiência energética e diminuindo a emissão de gases de efeitos estufa.

O papel do setor privado no desenvolvimento de um futuro sustentável

Conheça as ações e resultados que a Suzano Papel e Celulose apresenta na corrente #JuntosPeloClima tornando a matriz energética da empresa mais limpa, além de outras ações que contribuem para a construção de um mundo melhor.

Inovar e cocriar para proteger o clima

Conheça as metas e soluções que a BASF apresenta na ação #JuntosPeloClima no combate às mudanças climáticas. Clique e confira!

Nossos produtos, as suas escolhas e o clima do Planeta

O Grupo Boticário apresenta na corrente #JuntosPeloClima as ações da empresa e da sua Fundação que estimulam atitudes sustentáveis impactando diretamente no clima no Planeta.

Emissões evitadas de carbono do Legado das Águas/Votorantim somam U$ 14 milhões

A Votorantim apresenta na corrente #JuntosPeloClima o Legado das Águas, a maior reserva privada de Mata Atlântica e uma importante contribuição para o planeta.

Aegea aposta na eficiência do uso da água e restauração florestal para reduzir emissões

Conheça os projetos e sistemas que a Aegea apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol da segurança hídrica e de ações de impacto positivo no ecossistema.

Monsanto fornece hidrogênio para reduzir emissão de gás carbônico na Bahia

Conheça as ações e as metas que a Monsanto apresenta na corrente #JuntosPeloClima que pavimentam o objetivo de chegar a 2021 com uma produção totalmente neutra na emissão de carbono.

Vale: a mineração se reinventa

Conheça os projetos e as ações que a Vale apresenta na corrente #JuntosPeloClima que agregam soluções alinhadas aos esforços mundiais de redução das emissões de GEE e da manutenção de uma gestão equilibrada dos recursos naturais nos processos.

Brasil Kirin aposta em iniciativas para reduzir emissões de CO2

Conheça as iniciativas que a Brasil Kirin apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para reduzir a emissão de CO2 entregando benefícios para todo o planeta.

A Alcoa está comprometida com mitigação e adaptação às mudanças climáticas

Conheça as ações que a Alcoa apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem com os esforços nacionais e globais de redução dos impactos das mudanças climáticas.
Veja todos os eventos