Notícias

Transportes terão papel central no alcance das metas mitigatórias do Brasil

Data: 08/11/2016

Área: Logística e Transportes

O setor de Transportes é um dos principais responsáveis pelas emissões de gases de efeito estufa (GEE) no Brasil e no mundo, em grande parte por conta da queima de combustíveis fósseis, e cumprirá papel fundamental para o alcance de nossas metas mitigatórias.

O Acordo de Paris, que entrou em vigor na última sexta-feira (4), converteu a promessa de redução das emissões em um compromisso legal, cujo objetivo central é manter a temperatura média global 2ºC abaixo dos níveis pré-industriais. Ao ratificar o Acordo em setembro deste ano, o Brasil se comprometeu, por meio da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês), a reduzir 37% das emissões absolutas até 2025, com indicativo subsequente de 43% até 2030, com base nas emissões de 2005.

Dentre os setores produtivos, o transporte foi um dos que apresentaram as mais elevadas taxas de crescimento no consumo de energia e de emissão de GEE entre os anos de 1990 e 2012, de acordo com a Análise da Evolução das Emissões de GEE no Brasil, pesquisa realizada pelo Observatório do Clima. Segundo o relatório, as emissões do setor passaram de 84 milhões de toneladas em 1990 para 204 milhões em 2012.

Uma combinação de fatores nos leva a esse cenário, dentre estes, a alta dependência de combustíveis fósseis e a predominância do modal rodoviário no transporte de cargas no país. Os caminhões, por exemplo, são grandes fontes emissoras de GEE e se aproximam bastante das emissões de todo o setor industrial. Enquanto o primeiro foi responsável por 82,2 milhões de toneladas de emissões em 2012, todo o setor industrial emitiu 91,2 milhões de toneladas no mesmo período.

Para Rasmus Valanko, diretor de clima e energia do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), o setor de transportes traz inúmeros desafios e oportunidades. “Se por um lado é o setor responsável por 25% das emissões de gases de efeito estufa no mundo, é também uma das áreas que mais pode sofrer transformações e contribuir para a transição para uma economia de baixo carbono”, explicou em sua apresentação no Congresso Sustentável 2016, promovido pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS).

A presidente do CEBDS, Marina Grossi, ressalta a importância que a adoção de medidas para tornar mais eficiente os sistemas de transporte e logística no Brasil tem para o próprio setor. “O setor de transportes muito em breve poderá aparecer como o principal poluidor no país, já que o desmatamento tende a cair. Mas também é verdade que o setor tem grandes oportunidades, por exemplo, através da ainda pouco explorada emissão de títulos verdes. Dados da Climate Bond Initiative indicam que, em todo o mundo, o transporte representa 67% do potencial de emissão desses títulos, cerca de US$ 460 bilhões”, disse.

O coordenador das Câmaras Temáticas de Mobilidade Sustentável e Impacto Social do CEBDS, Luan Santos, reforça a urgência de pensarmos em saídas para o setor. “Em 2015, foram emitidos aproximadamente 457 milhões de toneladas no setor de energia no Brasil, sendo 43,7% apenas na área de transportes. Esta realidade mostra a urgência de pensarmos medidas mitigatórias e políticas que estimulem a redução das emissões de GEE neste setor”, afirmou.

Para Luiz Augusto Barroso, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o setor de transportes é um dos principais caminhos para a descarbonização da economia. “O foco das reduções de emissões deve ser no setor de transportes. Precisamos explorar mais os veículos elétricos e os biocombustíveis, além de investirmos na mobilidade corporativa, com jornadas de trabalho mais flexíveis, por exemplo”, declarou durante o “4º Seminário Nacional sobre Gases de Efeito Estufa – Como descarbonizar o Brasil até 2050”, que aconteceu no dia 27 de outubro no Rio de Janeiro, onde foram apresentados os dados mais recentes sobre as emissões no país e lançada a plataforma Sistema de Estimativa de Emissões de Gases (SEEG).

O documento do Observatório do Clima aponta alternativas de maior e menor impacto visando a redução de emissões e do consumo energético do setor de transportes, como a melhoria da infraestrutura e logística no deslocamento de cargas a partir do aumento da participação de modais mais eficientes como o ferroviário e o aquaviário, a incorporação de tecnologias veiculares e o aumento da eficiência energética no setor. Entretanto, tais medidas são interdependentes e necessitam de políticas setoriais para a sua concretização. O Brasil já deu os primeiros passos nessa direção e hoje possui um dos mais bem-sucedidos programas de biocombustíveis.

A NDC também apresenta medidas e objetivos adicionais, como o aumento na participação de bioenergia sustentável para 18% até 2030, a expansão do consumo de biocombustíveis, seguida do aumento da oferta de etanol e incremento da parcela de biodiesel na mistura de diesel. Além disso, a contribuição brasileira também prevê a promoção de medidas de eficiência, melhorias na infraestrutura de transportes e na mobilidade em áreas urbanas.

CEBDS amplia a Câmara Temática de Mobilidade

Com o objetivo de ampliar o seu campo de atuação, o CEBDS anuncia a reorientação da Câmara Temática de Mobilidade (CTMobi), que passará a se chamar Câmara Temática de Logística e Transportes (CTLog).

A iniciativa visa a atender o setor de modo mais sistêmico e abrangente. Assim, a reorientação da CT reconhece cada vez mais a importância de se promover e incentivar o debate em torno da viabilização de novas e efetivas formas de incentivo à logística sustentável.

Marina Grossi ressalta que é fundamental a expansão das discussões na Câmara Temática. “O setor privado tem muito a contribuir para a melhoria da mobilidade e logística em nossas cidades, trabalhando próximo aos governos municipais, mostrando um caminho possível de aceleração de processos em prol de cidades mais sustentáveis, onde o direito de ir e vir se pauta por soluções de baixo carbono e por altos níveis de eficiência e integração. Nesse sentido, o CEBDS cumpre um papel fundamental de promover discussões e representar a visão das empresas, de modo a articular com os setores públicos competentes o planejamento e execução de alternativas para os transportes”, conclui.

Quer saber mais sobre o assunto? Acesse as publicações Mobilidade Corporativa – potencial econômico de sua implementação, Ferramenta de Segurança Viária – Manual de Referência e Sustainable Urban Mobility, elaboradas pelo CEBDS e WBCSD.



Publicações Relacionadas

Mobilidade Corporativa: potencial econômico de sua implementação

Ver publicação
Veja todas as publicacoes

Eventos Relacionados

CEBDS apresenta ao Ministro da Fazenda proposta de criação de mercado de carbono

CEOs de grandes empresas acompanham CEBDS em reunião para levar estudo sobre a precificação do carbono ao ministro Eduardo Guardia.

Precificação de Carbono – a oportunidade que bate à porta

Confira o artigo da presidente do CEBDS no jornal Valor Econômico. O artigo destaca a precificação de carbono como um poderoso instrumento com inúmeros benefícios, além de trazer um equilíbrio para as contas da empresas.

O preço do carbono

Confira a matéria publicada no portal Neo Mondo que aborda a mobilização das empresas que já estão se preparando para a precificação do carbono e o aumento da pressão sobre o Governo para o tema.

Empresas já se preparam para mercado de carbono

Confira a matéria publicada no Portal Neo Mondo que mostra que a precificação interna é uma realidade para pelo menos 50 empresas nacionais.

Urgências para o Brasil sustentável

Leia o novo artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, que traz uma reflexão no Dia Mundial do Meio Ambiente sobre os avanços, os gargalos e os desafios para que possamos construir uma vida mais sustentável. Confira!

Unilever mostra progressos no Plano de Sustentabilidade

De acordo com o levantamento, 33% dos consumidores realizam compras de forma sustentável, enquanto 21% não compram, mas estariam dispostos a fazê-lo. Saiba mais!

Saiba como a alta liderança da sua empresa pode se engajar com o tema água

O Guia do CEO sobre Água poderá ajudar a alta liderança da sua empresa a ver a importância do tema água não apenas como insumo, mas como diferencial para os negócios.

Passos Largos e Urgentes para o Futuro

Leia o novo artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, sobre o momento crucial, em que se voltam para a água os olhos não só da sociedade civil, e do terceiro setor, mas especialmente dos governos e das empresas. Confira!

A falta de acesso à água contribui para a desigualdade de gênero

Segundo a Unicef, se somarmos o tempo que mulheres e meninas gastam para coletar água, em todo o mundo, chegamos a inacreditáveis 200 milhões de horas por dia!

6 soluções de países diferentes contra a escassez de água

Muitos países já sofreram com secas e conseguiram contornar este cenário. O Brasil, com a união entre o poder público e privado, precisa se inspirar nesses casos internacionais bem-sucedidos. Conheça!

Energia solar já é realidade?

Confira mais um texto feito no âmbito da parceria entre o Secovi Rio e o CEBDS, por meio do Projeto de Eficiência Energética em Edificações (EEB Lab). Desta vez, falamos sobre energia solar!

Saiba como economizar energia em 5 passos

Você sabia que o setor de edificações consome mais energia elétrica do que a indústria? Saiba mais no post que faz parte da parceria do Secovi Rio com o Projeto de Eficiência Energética em Edificações (EEB Lab) e CEBDS.

Água e falta de participação social

"Hoje a agenda [de água] enfraqueceu, justo quando deveria ser tema central, uma vez que a água será o recurso mais afetado pelas mudanças climáticas. A ONU estima que, até 2030, o deficit entre demanda e oferta deve alcançar 40%". Clique e confira mais sobre o artigo da presidente do CEBDS no Correio Braziliense.

Um novo amanhã é possível – Conheça o CEBDS!

Mais do que nunca, é hora de reunirmos as pessoas, empresas e governos para construirmos um novo amanhã.

Entenda o que é aquecimento global

Você já deve ter ouvido as palavras “efeito estufa”, “aquecimento global” e “mudança climática” por aí, mas você sabe realmente o que são? O nosso planeta está sofrendo hoje as consequências de um processo que o ser humano começou há séculos atrás.

Manual de compras sustentáveis: como proceder?

Veja um manual de como as empresas devem proceder para incluir os critérios de sustentabilidade ao realizar suas compras. Confira!

O que é Capital Natural?

Hoje somos afetados pelos impactos causados ao nosso modo de vida, devido ao mau uso desses recursos, sendo necessário repensar a maneira como lidamos com os recursos naturais. Conheça o conceito de Capital Natural e entenda o valor dos recursos naturais em relação a um produto ou serviço.

Carta aberta ao presidente Temer

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo, Israel Klabin direciona uma carta ao presidente da República solicitando a não ratificação das MPs 756 e 758. Confira!

Industrialização Inclusiva X Negócios

A presidente do CEBDS, Marina Grossi, fala em entrevista exclusiva à FIESP sobre a industrialização inclusiva como forma de integrar o desenvolvimento sustentável em seu negócio. Confira a entrevista.

Sustentabilidade é bom negócio

Confira o artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, publicado no jornal O Globo.

Sustentabilidade Urbana: uma nova agenda para as cidades

A construção de cidades mais sustentáveis é um desafio que só pode ser alcançado com base em modelos modernos e inovadores, capazes de construir instrumentos de congregação dos esforços da esfera pública com as forças da sociedade civil e da iniciativa empresarial.

Entenda a NDC brasileira

Assista ao vídeo produzido pelo CEBDS com o apoio do We Mean Business e entenda as metas da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês) brasileira.

Quais são as metas do Brasil para o Acordo de Paris?

Entenda o papel da NDC brasileira nessa jornada e por que ela é tão importante para obtenção de resultados concretos rumo ao desenvolvimento sustentável. Confira!

Gestão de Recursos Hídricos: o que é e como aplicar em minha empresa?

Uma importante questão é que a gestão de recursos hídricos vai muito além do simples racionamento ou economia. Trata-se de mapear riscos e oportunidades que englobam o tema.

Títulos verdes no Brasil

Confira o novo artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, no site do Projeto Colabora sobre como os gestores estão se unindo para estruturar o mercado brasileiro de investimentos em projetos ambientais.

Trabalhar pelo Acordo de Paris: um compromisso do Brasil

Compete ao CEBDS ser o combustível para incitamos nossas empresas associadas a mostrar suas ações realizadas para ajudar o Brasil a honrar os compromissos assumidos no âmbito do Acordo de Paris e, também, a convocar outras empresas para fazer o mesmo. Conheça mais sobre a corrente #JuntosPeloClima.

Siemens neutralizará sua emissão de CO2 até 2030

Além de apoiar seus clientes, a Siemens estabeleceu o objetivo de ser a primeira empresa industrial do mundo a conseguir atingir a pegada de carbono zero até 2030 em sua própria operação. Saiba sobre essas e mais ações na corrente #JuntosPeloClima.

Unilever mostra que atuação sustentável impulsiona crescimento

De 2008 a 2015, a Unilever reduziu em 36,09 % a emissão de gases de efeito estufa (GEE) e o consumo de água, além de diminuir em 95,36% a geração de resíduo por tonelada produzida. Saiba mais ações sobre as ações da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Mais eólicas para o Brasil alcançar as metas do Acordo de Paris

FURNAS apostou na diversificação das fontes de energia, limpas e renováveis, que apresentam uma boa relação risco x rentabilidade e contribuem para o crescimento sustentável da empresa e do Brasil. Saiba mais sobre essa e outras ações na corrente #JuntosPeloClima.

Mudanças climáticas e o papel de cada um

A Ticket Log criou dois programas que conversam ativamente com a questão das mudanças climáticas. Conheça essas ações e de outras iniciativas da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Como contribuímos para um mundo mais sustentável

Conheça as ações da CPFL Renováveis apresentada na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para a implementação dos compromissos assumidos pelo Brasil em Paris, por meio da geração de energia por fontes alternativas (eólica, solar e biomassa).

Da fazenda ao porto e do porto para fora, AMAGGI incorpora sustentabilidade em seus negócios

Ao longo dos anos, a AMAGGI vem progressivamente incorporando a sustentabilidade em todas as suas áreas de negócios. Conheça as ações e métodos apresentados na corrente #JuntosPeloClima. Confira!

Energia segura e sustentável também para as áreas remotas do Brasil

Conheça o Programa de Acesso à Energia que a Schneider Eletric apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol do desenvolvimento sustentável de comunidades rurais e remotas, aumentando a eficiência energética e diminuindo a emissão de gases de efeitos estufa.

O papel do setor privado no desenvolvimento de um futuro sustentável

Conheça as ações e resultados que a Suzano Papel e Celulose apresenta na corrente #JuntosPeloClima tornando a matriz energética da empresa mais limpa, além de outras ações que contribuem para a construção de um mundo melhor.

Inovar e cocriar para proteger o clima

Conheça as metas e soluções que a BASF apresenta na ação #JuntosPeloClima no combate às mudanças climáticas. Clique e confira!

Nossos produtos, as suas escolhas e o clima do Planeta

O Grupo Boticário apresenta na corrente #JuntosPeloClima as ações da empresa e da sua Fundação que estimulam atitudes sustentáveis impactando diretamente no clima no Planeta.

Emissões evitadas de carbono do Legado das Águas/Votorantim somam U$ 14 milhões

A Votorantim apresenta na corrente #JuntosPeloClima o Legado das Águas, a maior reserva privada de Mata Atlântica e uma importante contribuição para o planeta.

Aegea aposta na eficiência do uso da água e restauração florestal para reduzir emissões

Conheça os projetos e sistemas que a Aegea apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol da segurança hídrica e de ações de impacto positivo no ecossistema.

Monsanto fornece hidrogênio para reduzir emissão de gás carbônico na Bahia

Conheça as ações e as metas que a Monsanto apresenta na corrente #JuntosPeloClima que pavimentam o objetivo de chegar a 2021 com uma produção totalmente neutra na emissão de carbono.

Vale: a mineração se reinventa

Conheça os projetos e as ações que a Vale apresenta na corrente #JuntosPeloClima que agregam soluções alinhadas aos esforços mundiais de redução das emissões de GEE e da manutenção de uma gestão equilibrada dos recursos naturais nos processos.

Brasil Kirin aposta em iniciativas para reduzir emissões de CO2

Conheça as iniciativas que a Brasil Kirin apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para reduzir a emissão de CO2 entregando benefícios para todo o planeta.

A Alcoa está comprometida com mitigação e adaptação às mudanças climáticas

Conheça as ações que a Alcoa apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem com os esforços nacionais e globais de redução dos impactos das mudanças climáticas.
Veja todos os eventos