Notícias

Transportes terão papel central no alcance das metas mitigatórias do Brasil

Data: 08/11/2016

Área: Logística e Transportes

O setor de Transportes é um dos principais responsáveis pelas emissões de gases de efeito estufa (GEE) no Brasil e no mundo, em grande parte por conta da queima de combustíveis fósseis, e cumprirá papel fundamental para o alcance de nossas metas mitigatórias.

O Acordo de Paris, que entrou em vigor na última sexta-feira (4), converteu a promessa de redução das emissões em um compromisso legal, cujo objetivo central é manter a temperatura média global 2ºC abaixo dos níveis pré-industriais. Ao ratificar o Acordo em setembro deste ano, o Brasil se comprometeu, por meio da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês), a reduzir 37% das emissões absolutas até 2025, com indicativo subsequente de 43% até 2030, com base nas emissões de 2005.

Dentre os setores produtivos, o transporte foi um dos que apresentaram as mais elevadas taxas de crescimento no consumo de energia e de emissão de GEE entre os anos de 1990 e 2012, de acordo com a Análise da Evolução das Emissões de GEE no Brasil, pesquisa realizada pelo Observatório do Clima. Segundo o relatório, as emissões do setor passaram de 84 milhões de toneladas em 1990 para 204 milhões em 2012.

Uma combinação de fatores nos leva a esse cenário, dentre estes, a alta dependência de combustíveis fósseis e a predominância do modal rodoviário no transporte de cargas no país. Os caminhões, por exemplo, são grandes fontes emissoras de GEE e se aproximam bastante das emissões de todo o setor industrial. Enquanto o primeiro foi responsável por 82,2 milhões de toneladas de emissões em 2012, todo o setor industrial emitiu 91,2 milhões de toneladas no mesmo período.

Para Rasmus Valanko, diretor de clima e energia do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), o setor de transportes traz inúmeros desafios e oportunidades. “Se por um lado é o setor responsável por 25% das emissões de gases de efeito estufa no mundo, é também uma das áreas que mais pode sofrer transformações e contribuir para a transição para uma economia de baixo carbono”, explicou em sua apresentação no Congresso Sustentável 2016, promovido pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS).

A presidente do CEBDS, Marina Grossi, ressalta a importância que a adoção de medidas para tornar mais eficiente os sistemas de transporte e logística no Brasil tem para o próprio setor. “O setor de transportes muito em breve poderá aparecer como o principal poluidor no país, já que o desmatamento tende a cair. Mas também é verdade que o setor tem grandes oportunidades, por exemplo, através da ainda pouco explorada emissão de títulos verdes. Dados da Climate Bond Initiative indicam que, em todo o mundo, o transporte representa 67% do potencial de emissão desses títulos, cerca de US$ 460 bilhões”, disse.

O coordenador das Câmaras Temáticas de Mobilidade Sustentável e Impacto Social do CEBDS, Luan Santos, reforça a urgência de pensarmos em saídas para o setor. “Em 2015, foram emitidos aproximadamente 457 milhões de toneladas no setor de energia no Brasil, sendo 43,7% apenas na área de transportes. Esta realidade mostra a urgência de pensarmos medidas mitigatórias e políticas que estimulem a redução das emissões de GEE neste setor”, afirmou.

Para Luiz Augusto Barroso, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o setor de transportes é um dos principais caminhos para a descarbonização da economia. “O foco das reduções de emissões deve ser no setor de transportes. Precisamos explorar mais os veículos elétricos e os biocombustíveis, além de investirmos na mobilidade corporativa, com jornadas de trabalho mais flexíveis, por exemplo”, declarou durante o “4º Seminário Nacional sobre Gases de Efeito Estufa – Como descarbonizar o Brasil até 2050”, que aconteceu no dia 27 de outubro no Rio de Janeiro, onde foram apresentados os dados mais recentes sobre as emissões no país e lançada a plataforma Sistema de Estimativa de Emissões de Gases (SEEG).

O documento do Observatório do Clima aponta alternativas de maior e menor impacto visando a redução de emissões e do consumo energético do setor de transportes, como a melhoria da infraestrutura e logística no deslocamento de cargas a partir do aumento da participação de modais mais eficientes como o ferroviário e o aquaviário, a incorporação de tecnologias veiculares e o aumento da eficiência energética no setor. Entretanto, tais medidas são interdependentes e necessitam de políticas setoriais para a sua concretização. O Brasil já deu os primeiros passos nessa direção e hoje possui um dos mais bem-sucedidos programas de biocombustíveis.

A NDC também apresenta medidas e objetivos adicionais, como o aumento na participação de bioenergia sustentável para 18% até 2030, a expansão do consumo de biocombustíveis, seguida do aumento da oferta de etanol e incremento da parcela de biodiesel na mistura de diesel. Além disso, a contribuição brasileira também prevê a promoção de medidas de eficiência, melhorias na infraestrutura de transportes e na mobilidade em áreas urbanas.

CEBDS amplia a Câmara Temática de Mobilidade

Com o objetivo de ampliar o seu campo de atuação, o CEBDS anuncia a reorientação da Câmara Temática de Mobilidade (CTMobi), que passará a se chamar Câmara Temática de Logística e Transportes (CTLog).

A iniciativa visa a atender o setor de modo mais sistêmico e abrangente. Assim, a reorientação da CT reconhece cada vez mais a importância de se promover e incentivar o debate em torno da viabilização de novas e efetivas formas de incentivo à logística sustentável.

Marina Grossi ressalta que é fundamental a expansão das discussões na Câmara Temática. “O setor privado tem muito a contribuir para a melhoria da mobilidade e logística em nossas cidades, trabalhando próximo aos governos municipais, mostrando um caminho possível de aceleração de processos em prol de cidades mais sustentáveis, onde o direito de ir e vir se pauta por soluções de baixo carbono e por altos níveis de eficiência e integração. Nesse sentido, o CEBDS cumpre um papel fundamental de promover discussões e representar a visão das empresas, de modo a articular com os setores públicos competentes o planejamento e execução de alternativas para os transportes”, conclui.

Quer saber mais sobre o assunto? Acesse as publicações Mobilidade Corporativa – potencial econômico de sua implementação, Ferramenta de Segurança Viária – Manual de Referência e Sustainable Urban Mobility, elaboradas pelo CEBDS e WBCSD.



Publicações Relacionadas

Mobilidade Corporativa: potencial econômico de sua implementação

Ver publicação
Veja todas as publicacoes

Eventos Relacionados

Manual de compras sustentáveis: como proceder?

Veja um manual de como as empresas devem proceder para incluir os critérios de sustentabilidade ao realizar suas compras. Confira!

O que é Capital Natural?

Hoje somos afetados pelos impactos causados ao nosso modo de vida, devido ao mau uso desses recursos, sendo necessário repensar a maneira como lidamos com os recursos naturais. Conheça o conceito de Capital Natural e entenda o valor dos recursos naturais em relação a um produto ou serviço.

Carta aberta ao presidente Temer

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo, Israel Klabin direciona uma carta ao presidente da República solicitando a não ratificação das MPs 756 e 758. Confira!

Industrialização Inclusiva X Negócios

A presidente do CEBDS, Marina Grossi, fala em entrevista exclusiva à FIESP sobre a industrialização inclusiva como forma de integrar o desenvolvimento sustentável em seu negócio. Confira a entrevista.

Sustentabilidade é bom negócio

Confira o artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, publicado no jornal O Globo.

Sustentabilidade Urbana: uma nova agenda para as cidades

A construção de cidades mais sustentáveis é um desafio que só pode ser alcançado com base em modelos modernos e inovadores, capazes de construir instrumentos de congregação dos esforços da esfera pública com as forças da sociedade civil e da iniciativa empresarial.

Entenda a NDC brasileira

Assista ao vídeo produzido pelo CEBDS com o apoio do We Mean Business e entenda as metas da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês) brasileira.

Quais são as metas do Brasil para o Acordo de Paris?

Entenda o papel da NDC brasileira nessa jornada e por que ela é tão importante para obtenção de resultados concretos rumo ao desenvolvimento sustentável. Confira!

Gestão de Recursos Hídricos: o que é e como aplicar em minha empresa?

Uma importante questão é que a gestão de recursos hídricos vai muito além do simples racionamento ou economia. Trata-se de mapear riscos e oportunidades que englobam o tema.

Títulos verdes no Brasil

Confira o novo artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, no site do Projeto Colabora sobre como os gestores estão se unindo para estruturar o mercado brasileiro de investimentos em projetos ambientais.

Trabalhar pelo Acordo de Paris: um compromisso do Brasil

Compete ao CEBDS ser o combustível para incitamos nossas empresas associadas a mostrar suas ações realizadas para ajudar o Brasil a honrar os compromissos assumidos no âmbito do Acordo de Paris e, também, a convocar outras empresas para fazer o mesmo. Conheça mais sobre a corrente #JuntosPeloClima.

Siemens neutralizará sua emissão de CO2 até 2030

Além de apoiar seus clientes, a Siemens estabeleceu o objetivo de ser a primeira empresa industrial do mundo a conseguir atingir a pegada de carbono zero até 2030 em sua própria operação. Saiba sobre essas e mais ações na corrente #JuntosPeloClima.

Unilever mostra que atuação sustentável impulsiona crescimento

De 2008 a 2015, a Unilever reduziu em 36,09 % a emissão de gases de efeito estufa (GEE) e o consumo de água, além de diminuir em 95,36% a geração de resíduo por tonelada produzida. Saiba mais ações sobre as ações da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Mais eólicas para o Brasil alcançar as metas do Acordo de Paris

FURNAS apostou na diversificação das fontes de energia, limpas e renováveis, que apresentam uma boa relação risco x rentabilidade e contribuem para o crescimento sustentável da empresa e do Brasil. Saiba mais sobre essa e outras ações na corrente #JuntosPeloClima.

Mudanças climáticas e o papel de cada um

A Ticket Log criou dois programas que conversam ativamente com a questão das mudanças climáticas. Conheça essas ações e de outras iniciativas da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Como contribuímos para um mundo mais sustentável

Conheça as ações da CPFL Renováveis apresentada na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para a implementação dos compromissos assumidos pelo Brasil em Paris, por meio da geração de energia por fontes alternativas (eólica, solar e biomassa).

Da fazenda ao porto e do porto para fora, AMAGGI incorpora sustentabilidade em seus negócios

Ao longo dos anos, a AMAGGI vem progressivamente incorporando a sustentabilidade em todas as suas áreas de negócios. Conheça as ações e métodos apresentados na corrente #JuntosPeloClima. Confira!

Energia segura e sustentável também para as áreas remotas do Brasil

Conheça o Programa de Acesso à Energia que a Schneider Eletric apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol do desenvolvimento sustentável de comunidades rurais e remotas, aumentando a eficiência energética e diminuindo a emissão de gases de efeitos estufa.

O papel do setor privado no desenvolvimento de um futuro sustentável

Conheça as ações e resultados que a Suzano Papel e Celulose apresenta na corrente #JuntosPeloClima tornando a matriz energética da empresa mais limpa, além de outras ações que contribuem para a construção de um mundo melhor.

Inovar e cocriar para proteger o clima

Conheça as metas e soluções que a BASF apresenta na ação #JuntosPeloClima no combate às mudanças climáticas. Clique e confira!

Nossos produtos, as suas escolhas e o clima do Planeta

O Grupo Boticário apresenta na corrente #JuntosPeloClima as ações da empresa e da sua Fundação que estimulam atitudes sustentáveis impactando diretamente no clima no Planeta.

Emissões evitadas de carbono do Legado das Águas/Votorantim somam U$ 14 milhões

A Votorantim apresenta na corrente #JuntosPeloClima o Legado das Águas, a maior reserva privada de Mata Atlântica e uma importante contribuição para o planeta.

Aegea aposta na eficiência do uso da água e restauração florestal para reduzir emissões

Conheça os projetos e sistemas que a Aegea apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol da segurança hídrica e de ações de impacto positivo no ecossistema.

Monsanto fornece hidrogênio para reduzir emissão de gás carbônico na Bahia

Conheça as ações e as metas que a Monsanto apresenta na corrente #JuntosPeloClima que pavimentam o objetivo de chegar a 2021 com uma produção totalmente neutra na emissão de carbono.

Vale: a mineração se reinventa

Conheça os projetos e as ações que a Vale apresenta na corrente #JuntosPeloClima que agregam soluções alinhadas aos esforços mundiais de redução das emissões de GEE e da manutenção de uma gestão equilibrada dos recursos naturais nos processos.

Brasil Kirin aposta em iniciativas para reduzir emissões de CO2

Conheça as iniciativas que a Brasil Kirin apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para reduzir a emissão de CO2 entregando benefícios para todo o planeta.

A Alcoa está comprometida com mitigação e adaptação às mudanças climáticas

Conheça as ações que a Alcoa apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem com os esforços nacionais e globais de redução dos impactos das mudanças climáticas.
Veja todos os eventos