Notícias

Workshop aborda importância de empresas definirem metas baseadas na ciência

Data: 13/03/2017

Área: Clima

“Ao alinhar suas metas com os preceitos científicos, as empresas assumem a liderança na transição para a economia de baixo carbono e sinalizam seu compromisso na luta contra as mudanças climáticas”, afirmou Laura Albuquerque, coordenadora das CT Clima do CEBDS. Evento contou com a participação de 42 representantes de 21 empresas associadas ao CEBDS e de 10 parceiros públicos e privados. 

Os esforços já previstos por todos os países – em suas contribuições nacionalmente determinadas (NDC, na sigla em inglês) – não serão suficientes para alcançar a principal meta do Acordo de Paris: manter o aumento da temperatura global abaixo de 2ºC. Logo, é preciso ampliar os esforços para a concretização desse cenário. Sendo o setor empresarial um dos principais aliados no combate às alterações climáticas, como maximizar a contribuição das empresas na redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE)? Esse foi um dos eixos do workshop sobre Metas Baseadas na Ciência, realizado na última quinta-feira (9) pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), em parceria com o CDP e a iniciativa We Mean Business, em São Paulo (SP).

workshop contou com a participação de 42 representantes de 21 empresas associadas ao CEBDS e de 10 parceiros públicos e privados.

Entre uma palestra e outra, uma certeza: as metas de emissões baseadas em ciência devem ser o alicerce da ação climática corporativa. E para serem consideradas “baseadas na ciência”, tais metas devem estar alinhadas com o nível de descarbonização necessário para o alcance da meta de Paris.

“O setor empresarial é um dos principais aliados na redução das emissões de GEE e precisa vislumbrar metas mais ambiciosas. Ao alinhar suas metas com os preceitos científicos, as empresas assumem a liderança na transição para a economia de baixo carbono e sinalizam seu compromisso na luta contra as mudanças climáticas”, afirmou Laura Albuquerque, coordenadora das Câmaras Temáticas de Mudança do Clima e Energia e Finanças Sustentáveis do CEBDS.

Durante o quiz, foram feitas 6 perguntas sobre a NDC brasileira

Além de auxiliar o setor a projetar e alcançar objetivos mais ambiciosos, a definição de metas traz oportunidades e estimula a busca por soluções inovadoras.

Segundo Carla Schuchman, do CDP, as empresas que aderem às metas baseadas na ciência saem na frente das demais. “Ao delimitar as metas, as empresas estarão em melhores condições de atender às necessidades ambiciosas e inovadoras da transição a uma economia de baixo carbono, mais preparadas para responder a mudanças políticas e legislativas, além de demonstrar uma gestão proativa para os stakeholders”, pontuou em sua apresentação, que foi seguida de um animado quiz sobre as oportunidades presentes na NDC brasileira.

No painel “Introdução às metas baseadas na ciência”, os palestrantes André Naur, da WWF, Sergio Pacca, professor e pesquisador da Universidade de São Paulo, e Keyvan Macedo, coordenador de Sustentabilidade da Natura, compartilharam suas experiências. “Celebramos 10 anos do Programa Natura Carbono Neutro em 2017, ou seja, o que temos discutido aqui representa um desafio que nos lançamos há 10 anos, inspirados na necessidade de que o setor privado deveria começar a agir, sem necessariamente ter um incentivo do governo”, afirmou Macedo.

Da esquerda para a direita: André Naur, Sergio Pacca, Keyvan Macedo e Carla Schuchman

Henrique Pereira apresentou os pontos fortes e fracos das metodologias utilizadas para definição das metas

Henrique Pereira, da Way Carbon, abordou as lições aprendidas na definição das metas. “As metas baseadas na ciência sinalizam o que precisa ser feito, mas não como será feito. Nesse sentido, outros aspectos são relevantes, como o engajamento, a comunicação e a integração na estratégia corporativa e na gestão de riscos”, destacou.

Pedro Faria, do CDP de Portugal, apresentou a abordagem e métodos para a definição de metas baseadas na ciência, ressaltando a ferramenta Science Based Target Setting Tool, desenvolvida para calcular as metas de redução das empresas de acordo com cada escopo de atuação e tendo em vista o Acordo de Paris. “A definição de metas baseadas na ciência representam um jogo a longo prazo, é uma memória do futuro”, definiu. Na parte da tarde, os participantes fizeram exercícios práticos e calcularam a meta de uma empresa utilizando a ferramenta.

Na ocasião, Laura apresentou o novo estudo do CEBDS, intitulado “Oportunidades e Desafios das Metas da NDC Brasileira para o Setor Empresarial”, e adiantou aos participantes que a principal oportunidade para as empresas virá da ampliação do uso de biocombustíveis. O estudo deve ser lançado ainda neste semestre.
O primeiro painel do workshop foi transmitido ao vivo pela página do CEBDS no Facebook e pode ser assistido aqui.

 

Pedro Faria explica a definição de metas a partir da metodologia utilizada pela iniciativa Science Based Targets

Iniciativa Science Based Targets

Formada pelo CDP, Pacto Global da ONU, WWF e World Resources Institute, a Science Based Targets Initiative possui 216 companhias associadas e comprometidas com a definição de metas de redução de emissões baseadas na ciência.

A iniciativa visa aumentar a ambição corporativa e ajudar as empresas a buscar soluções mais arrojadas para as mudanças climáticas. Ele apoia as empresas a definir metas de redução de emissões de acordo com o que a ciência diz ser necessário para manter o aquecimento global abaixo do limite de 2ºC. O objetivo é que, até 2018, o estabelecimento de metas baseadas em ciência se torne uma prática comercial padrão e permitam às corporações desempenhar um papel importante no fechamento do hiato de emissões deixado pelos compromissos assumidos pelos países no âmbito do Acordo de Paris.

 



Eventos Relacionados

Água e falta de participação social

"Hoje a agenda [de água] enfraqueceu, justo quando deveria ser tema central, uma vez que a água será o recurso mais afetado pelas mudanças climáticas. A ONU estima que, até 2030, o deficit entre demanda e oferta deve alcançar 40%". Clique e confira mais sobre o artigo da presidente do CEBDS no Correio Braziliense.

Um novo amanhã é possível – Conheça o CEBDS!

Mais do que nunca, é hora de reunirmos as pessoas, empresas e governos para construirmos um novo amanhã.

Entenda o que é aquecimento global

Você já deve ter ouvido as palavras “efeito estufa”, “aquecimento global” e “mudança climática” por aí, mas você sabe realmente o que são? O nosso planeta está sofrendo hoje as consequências de um processo que o ser humano começou há séculos atrás.

Manual de compras sustentáveis: como proceder?

Veja um manual de como as empresas devem proceder para incluir os critérios de sustentabilidade ao realizar suas compras. Confira!

O que é Capital Natural?

Hoje somos afetados pelos impactos causados ao nosso modo de vida, devido ao mau uso desses recursos, sendo necessário repensar a maneira como lidamos com os recursos naturais. Conheça o conceito de Capital Natural e entenda o valor dos recursos naturais em relação a um produto ou serviço.

Carta aberta ao presidente Temer

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo, Israel Klabin direciona uma carta ao presidente da República solicitando a não ratificação das MPs 756 e 758. Confira!

Industrialização Inclusiva X Negócios

A presidente do CEBDS, Marina Grossi, fala em entrevista exclusiva à FIESP sobre a industrialização inclusiva como forma de integrar o desenvolvimento sustentável em seu negócio. Confira a entrevista.

Sustentabilidade é bom negócio

Confira o artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, publicado no jornal O Globo.

Sustentabilidade Urbana: uma nova agenda para as cidades

A construção de cidades mais sustentáveis é um desafio que só pode ser alcançado com base em modelos modernos e inovadores, capazes de construir instrumentos de congregação dos esforços da esfera pública com as forças da sociedade civil e da iniciativa empresarial.

Entenda a NDC brasileira

Assista ao vídeo produzido pelo CEBDS com o apoio do We Mean Business e entenda as metas da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês) brasileira.

Quais são as metas do Brasil para o Acordo de Paris?

Entenda o papel da NDC brasileira nessa jornada e por que ela é tão importante para obtenção de resultados concretos rumo ao desenvolvimento sustentável. Confira!

Gestão de Recursos Hídricos: o que é e como aplicar em minha empresa?

Uma importante questão é que a gestão de recursos hídricos vai muito além do simples racionamento ou economia. Trata-se de mapear riscos e oportunidades que englobam o tema.

Títulos verdes no Brasil

Confira o novo artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, no site do Projeto Colabora sobre como os gestores estão se unindo para estruturar o mercado brasileiro de investimentos em projetos ambientais.

Trabalhar pelo Acordo de Paris: um compromisso do Brasil

Compete ao CEBDS ser o combustível para incitamos nossas empresas associadas a mostrar suas ações realizadas para ajudar o Brasil a honrar os compromissos assumidos no âmbito do Acordo de Paris e, também, a convocar outras empresas para fazer o mesmo. Conheça mais sobre a corrente #JuntosPeloClima.

Siemens neutralizará sua emissão de CO2 até 2030

Além de apoiar seus clientes, a Siemens estabeleceu o objetivo de ser a primeira empresa industrial do mundo a conseguir atingir a pegada de carbono zero até 2030 em sua própria operação. Saiba sobre essas e mais ações na corrente #JuntosPeloClima.

Unilever mostra que atuação sustentável impulsiona crescimento

De 2008 a 2015, a Unilever reduziu em 36,09 % a emissão de gases de efeito estufa (GEE) e o consumo de água, além de diminuir em 95,36% a geração de resíduo por tonelada produzida. Saiba mais ações sobre as ações da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Mais eólicas para o Brasil alcançar as metas do Acordo de Paris

FURNAS apostou na diversificação das fontes de energia, limpas e renováveis, que apresentam uma boa relação risco x rentabilidade e contribuem para o crescimento sustentável da empresa e do Brasil. Saiba mais sobre essa e outras ações na corrente #JuntosPeloClima.

Mudanças climáticas e o papel de cada um

A Ticket Log criou dois programas que conversam ativamente com a questão das mudanças climáticas. Conheça essas ações e de outras iniciativas da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Como contribuímos para um mundo mais sustentável

Conheça as ações da CPFL Renováveis apresentada na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para a implementação dos compromissos assumidos pelo Brasil em Paris, por meio da geração de energia por fontes alternativas (eólica, solar e biomassa).

Da fazenda ao porto e do porto para fora, AMAGGI incorpora sustentabilidade em seus negócios

Ao longo dos anos, a AMAGGI vem progressivamente incorporando a sustentabilidade em todas as suas áreas de negócios. Conheça as ações e métodos apresentados na corrente #JuntosPeloClima. Confira!

Energia segura e sustentável também para as áreas remotas do Brasil

Conheça o Programa de Acesso à Energia que a Schneider Eletric apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol do desenvolvimento sustentável de comunidades rurais e remotas, aumentando a eficiência energética e diminuindo a emissão de gases de efeitos estufa.

O papel do setor privado no desenvolvimento de um futuro sustentável

Conheça as ações e resultados que a Suzano Papel e Celulose apresenta na corrente #JuntosPeloClima tornando a matriz energética da empresa mais limpa, além de outras ações que contribuem para a construção de um mundo melhor.

Inovar e cocriar para proteger o clima

Conheça as metas e soluções que a BASF apresenta na ação #JuntosPeloClima no combate às mudanças climáticas. Clique e confira!

Nossos produtos, as suas escolhas e o clima do Planeta

O Grupo Boticário apresenta na corrente #JuntosPeloClima as ações da empresa e da sua Fundação que estimulam atitudes sustentáveis impactando diretamente no clima no Planeta.

Emissões evitadas de carbono do Legado das Águas/Votorantim somam U$ 14 milhões

A Votorantim apresenta na corrente #JuntosPeloClima o Legado das Águas, a maior reserva privada de Mata Atlântica e uma importante contribuição para o planeta.

Aegea aposta na eficiência do uso da água e restauração florestal para reduzir emissões

Conheça os projetos e sistemas que a Aegea apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol da segurança hídrica e de ações de impacto positivo no ecossistema.

Monsanto fornece hidrogênio para reduzir emissão de gás carbônico na Bahia

Conheça as ações e as metas que a Monsanto apresenta na corrente #JuntosPeloClima que pavimentam o objetivo de chegar a 2021 com uma produção totalmente neutra na emissão de carbono.

Vale: a mineração se reinventa

Conheça os projetos e as ações que a Vale apresenta na corrente #JuntosPeloClima que agregam soluções alinhadas aos esforços mundiais de redução das emissões de GEE e da manutenção de uma gestão equilibrada dos recursos naturais nos processos.

Brasil Kirin aposta em iniciativas para reduzir emissões de CO2

Conheça as iniciativas que a Brasil Kirin apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para reduzir a emissão de CO2 entregando benefícios para todo o planeta.

A Alcoa está comprometida com mitigação e adaptação às mudanças climáticas

Conheça as ações que a Alcoa apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem com os esforços nacionais e globais de redução dos impactos das mudanças climáticas.
Veja todos os eventos