Notícias

Workshop sobre títulos verdes atrai empresas e investidores

Data: 15/12/2016

Área: Finanças, Institucional

Foto: palestrantes e equipes organizadoras do CEBDS, GIZ e SEB

A estruturação do mercado de títulos verdes, ou green bonds, no Brasil foi o tema central dos dois workshops  promovidos nessa terça (13) e quarta-feira (14) pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) em parceria com a Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ) e o Banco Skandinaviska Enskilda (SEB). O evento, realizado em São Paulo, contou com cerca de 90 representantes de empresas, mercado financeiro, setor público e universidades.

Os workshops foram baseados em três pilares – definições, seleção e verificação – apresentados por especialistas em finanças e clima a nível regional e internacional. Após a discussão técnica e conceitual, os palestrantes expuseram suas experiências nos papeis de emissor, investidor e instituição financeira multilateral.

No segundo dia, o público foi convidado a participar de um exercício prático que consistia em avaliar a qualidade e transparência do framework das emissões de títulos verdes feitas pela Apple e a MuniFin, instituição de crédito para governos locais na Finlândia.

“A emissão de green bonds auxilia a empresa a cumprir com os Princípios para Investimento Responsável (PRI, na sigla em inglês), iniciativa capitaneada pela ONU que reúne metade dos recursos de todos os investidores globais”, afirmou Mats Olausson, consultor sênior de Soluções Financeiras para Clima e Sustentabilidade do SEB.

Ele ressaltou a importância de se adaptarem as diretrizes e recomendações para a emissão de títulos verdes à realidade de cada país, além de abordar as oportunidades que se abrem para as empresas. “Os títulos verdes são uma chance para conectar os especialistas em sustentabilidade e finanças, integrando processos dentro das empresas e instituições na definição de que projetos serão elegíveis como green bond“, explicou.

Tess Olsen-Rong, da Affirmative Investment Management, falou sobre a visão dos investidores neste processo. “A nossa preocupação é com o impacto dos investimentos. Por isso, é esperado dos emissores de greens bonds que façam divulgações periódicas detalhando como foram realizadas as emissões”, concluiu.

Guilherme Hirata, gerente executivo de Finanças Corporativas da Suzano Papel e Celulose, primeira empresa a emitir títulos verdes no mercado brasileiro, comentou essa experiência. “Os investidores que buscam títulos verdes estão crescendo rapidamente no mundo e ter o selo green vem facilitando o acesso ao crédito, além de ter um apelo reputacional muito grande. Os custos adicionais de emitir um título com o selo verde são marginais frente ao incremento na base de investidores e ter as certificações prévias ajudou muito a acelerar o processo, que durou apenas 35 dias”, destacou.

Com as emissões, a Suzano irá financiar 3 projetos na área florestal da empresa: silvicultura sustentável, recuperação florestal e preservação da biodiversidade. Além disso, outros três projetos na área industrial serão bancados: eficiência energética, energia renovável e gestão de recursos hídricos.

Luciano Scheizer, especialista da Divisão de Mercados de Capital e Instituições Financeiras do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), abordou o papel da instituição na transição para a economia de baixo carbono. “As principais metas do BID são enfrentar a mudança climática e apoiar o desenvolvimento de energias renováveis e da sustentabilidade ambiental. Para isso, assumimos o compromisso de dedicar 30% de nossa carteira de investimentos ao combate das mudanças do clima “, enfatizou.

Para Fernando Servidone Magri da Gerência de Sustentabilidade da CPFL Energia o workshop foi muito esclarecedor ” o evento mostrou todas as etapas de emissão dos títulos verdes e as responsabilidades de cada ator no processo, além disso, foi importante conhecer com detalhes, o processo de “Segunda Opinião” e as expectativas na visão dos investidores”, afirma Magri.

Guia para Emissão de Títulos Verdes, elaborado pelo CEBDS em parceria com Febraban, foi apresentado durante o workshop. Harald Franck, do Center for International Climate and Environmental Research (CICERO), ressaltou que esse é um importante instrumento para a consolidação do mercado de green bonds no Brasil. “O guia do CEBDS facilita muito o trabalho dos emissores”, sublinhou.

A coordenadora das Câmaras Temáticas de Mudança do Clima e Energia e Finanças Sustentáveis do CEBDS, Lilia Caiado, destacou a troca de experiências proporcionada pelo evento. “O workshop foi bastante produtivo e cumpriu com o seu objetivo de integrar os setores empresarial, público e financeiro em torno da temática dos títulos verdes, apresentando desde os desafios técnicos até a prática da emissão dos títulos. Essa troca é fundamental para seguirmos avançando na consolidação de um mercado nacional de green bonds“, frisou.

Aliança Estratégica

workshop sobre Títulos Verdes é fruto de uma parceria do CEBDS com a Strategic Alliance, formada pela GIZ e o SEB. O objetivo da iniciativa é o desenvolvimento do mercado de títulos verdes nas economias emergentes do G20, visando a transição para uma economia de baixo carbono e o alinhamento às prerrogativas do Acordo de Paris e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

A fim de promover a transparência e a integridade ambiental dos padrões e procedimentos, que são cruciais para o desenvolvimento sustentável de longo prazo neste estágio ainda incipiente do mercado, GIZ e SEB vêm oferecendo, dentre outras coisas, workshops temáticos sobre green bonds a todos os grupos interessados.

Confira as apresentações:

Workshop 13 dezembro

Workshop 14 de dezembro



Publicações Relacionadas

Guia para a Emissão de Títulos Verdes no Brasil 2016

Ver publicação
Veja todas as publicacoes

Empresas Relacionadas

Veja todas as Empresas

Eventos Relacionados

Um desafio de 50 anos em 15 só será superado se estivermos todos juntos

Lançados há dois anos, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) foram construídos sobre as bases estabelecidas pelos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), de maneira a completar o trabalho iniciado e responder a novos desafios. A nova agenda mescla, de forma equilibrada, as três dimensões do desenvolvimento sustentável – econômica, a social e a ambiental […]

Água e falta de participação social

"Hoje a agenda [de água] enfraqueceu, justo quando deveria ser tema central, uma vez que a água será o recurso mais afetado pelas mudanças climáticas. A ONU estima que, até 2030, o deficit entre demanda e oferta deve alcançar 40%". Clique e confira mais sobre o artigo da presidente do CEBDS no Correio Braziliense.

Um novo amanhã é possível – Conheça o CEBDS!

Mais do que nunca, é hora de reunirmos as pessoas, empresas e governos para construirmos um novo amanhã.

Entenda o que é aquecimento global

Você já deve ter ouvido as palavras “efeito estufa”, “aquecimento global” e “mudança climática” por aí, mas você sabe realmente o que são? O nosso planeta está sofrendo hoje as consequências de um processo que o ser humano começou há séculos atrás.

Manual de compras sustentáveis: como proceder?

Veja um manual de como as empresas devem proceder para incluir os critérios de sustentabilidade ao realizar suas compras. Confira!

O que é Capital Natural?

Hoje somos afetados pelos impactos causados ao nosso modo de vida, devido ao mau uso desses recursos, sendo necessário repensar a maneira como lidamos com os recursos naturais. Conheça o conceito de Capital Natural e entenda o valor dos recursos naturais em relação a um produto ou serviço.

Carta aberta ao presidente Temer

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo, Israel Klabin direciona uma carta ao presidente da República solicitando a não ratificação das MPs 756 e 758. Confira!

Industrialização Inclusiva X Negócios

A presidente do CEBDS, Marina Grossi, fala em entrevista exclusiva à FIESP sobre a industrialização inclusiva como forma de integrar o desenvolvimento sustentável em seu negócio. Confira a entrevista.

Sustentabilidade é bom negócio

Confira o artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, publicado no jornal O Globo.

Sustentabilidade Urbana: uma nova agenda para as cidades

A construção de cidades mais sustentáveis é um desafio que só pode ser alcançado com base em modelos modernos e inovadores, capazes de construir instrumentos de congregação dos esforços da esfera pública com as forças da sociedade civil e da iniciativa empresarial.

Entenda a NDC brasileira

Assista ao vídeo produzido pelo CEBDS com o apoio do We Mean Business e entenda as metas da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês) brasileira.

Quais são as metas do Brasil para o Acordo de Paris?

Entenda o papel da NDC brasileira nessa jornada e por que ela é tão importante para obtenção de resultados concretos rumo ao desenvolvimento sustentável. Confira!

Gestão de Recursos Hídricos: o que é e como aplicar em minha empresa?

Uma importante questão é que a gestão de recursos hídricos vai muito além do simples racionamento ou economia. Trata-se de mapear riscos e oportunidades que englobam o tema.

Títulos verdes no Brasil

Confira o novo artigo da presidente do CEBDS, Marina Grossi, no site do Projeto Colabora sobre como os gestores estão se unindo para estruturar o mercado brasileiro de investimentos em projetos ambientais.

Trabalhar pelo Acordo de Paris: um compromisso do Brasil

Compete ao CEBDS ser o combustível para incitamos nossas empresas associadas a mostrar suas ações realizadas para ajudar o Brasil a honrar os compromissos assumidos no âmbito do Acordo de Paris e, também, a convocar outras empresas para fazer o mesmo. Conheça mais sobre a corrente #JuntosPeloClima.

Siemens neutralizará sua emissão de CO2 até 2030

Além de apoiar seus clientes, a Siemens estabeleceu o objetivo de ser a primeira empresa industrial do mundo a conseguir atingir a pegada de carbono zero até 2030 em sua própria operação. Saiba sobre essas e mais ações na corrente #JuntosPeloClima.

Unilever mostra que atuação sustentável impulsiona crescimento

De 2008 a 2015, a Unilever reduziu em 36,09 % a emissão de gases de efeito estufa (GEE) e o consumo de água, além de diminuir em 95,36% a geração de resíduo por tonelada produzida. Saiba mais ações sobre as ações da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Mais eólicas para o Brasil alcançar as metas do Acordo de Paris

FURNAS apostou na diversificação das fontes de energia, limpas e renováveis, que apresentam uma boa relação risco x rentabilidade e contribuem para o crescimento sustentável da empresa e do Brasil. Saiba mais sobre essa e outras ações na corrente #JuntosPeloClima.

Mudanças climáticas e o papel de cada um

A Ticket Log criou dois programas que conversam ativamente com a questão das mudanças climáticas. Conheça essas ações e de outras iniciativas da empresa na corrente #JuntosPeloClima.

Como contribuímos para um mundo mais sustentável

Conheça as ações da CPFL Renováveis apresentada na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para a implementação dos compromissos assumidos pelo Brasil em Paris, por meio da geração de energia por fontes alternativas (eólica, solar e biomassa).

Da fazenda ao porto e do porto para fora, AMAGGI incorpora sustentabilidade em seus negócios

Ao longo dos anos, a AMAGGI vem progressivamente incorporando a sustentabilidade em todas as suas áreas de negócios. Conheça as ações e métodos apresentados na corrente #JuntosPeloClima. Confira!

Energia segura e sustentável também para as áreas remotas do Brasil

Conheça o Programa de Acesso à Energia que a Schneider Eletric apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol do desenvolvimento sustentável de comunidades rurais e remotas, aumentando a eficiência energética e diminuindo a emissão de gases de efeitos estufa.

O papel do setor privado no desenvolvimento de um futuro sustentável

Conheça as ações e resultados que a Suzano Papel e Celulose apresenta na corrente #JuntosPeloClima tornando a matriz energética da empresa mais limpa, além de outras ações que contribuem para a construção de um mundo melhor.

Inovar e cocriar para proteger o clima

Conheça as metas e soluções que a BASF apresenta na ação #JuntosPeloClima no combate às mudanças climáticas. Clique e confira!

Nossos produtos, as suas escolhas e o clima do Planeta

O Grupo Boticário apresenta na corrente #JuntosPeloClima as ações da empresa e da sua Fundação que estimulam atitudes sustentáveis impactando diretamente no clima no Planeta.

Emissões evitadas de carbono do Legado das Águas/Votorantim somam U$ 14 milhões

A Votorantim apresenta na corrente #JuntosPeloClima o Legado das Águas, a maior reserva privada de Mata Atlântica e uma importante contribuição para o planeta.

Aegea aposta na eficiência do uso da água e restauração florestal para reduzir emissões

Conheça os projetos e sistemas que a Aegea apresenta na corrente #JuntosPeloClima em prol da segurança hídrica e de ações de impacto positivo no ecossistema.

Monsanto fornece hidrogênio para reduzir emissão de gás carbônico na Bahia

Conheça as ações e as metas que a Monsanto apresenta na corrente #JuntosPeloClima que pavimentam o objetivo de chegar a 2021 com uma produção totalmente neutra na emissão de carbono.

Vale: a mineração se reinventa

Conheça os projetos e as ações que a Vale apresenta na corrente #JuntosPeloClima que agregam soluções alinhadas aos esforços mundiais de redução das emissões de GEE e da manutenção de uma gestão equilibrada dos recursos naturais nos processos.

Brasil Kirin aposta em iniciativas para reduzir emissões de CO2

Conheça as iniciativas que a Brasil Kirin apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem para reduzir a emissão de CO2 entregando benefícios para todo o planeta.

A Alcoa está comprometida com mitigação e adaptação às mudanças climáticas

Conheça as ações que a Alcoa apresenta na corrente #JuntosPeloClima que contribuem com os esforços nacionais e globais de redução dos impactos das mudanças climáticas.
Veja todos os eventos

Projetos Relacionados

Série de Workshops Títulos Verdes

A série de workshops é realizado pela Aliança Estratégica, entre a GIZ e a SEB, para o desenvolvimento do mercado de títulos verdes em economias emergentes do G20 com o apoio do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), a Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN), o United Nations Environment Programme - Finance Initiative (UNEP FI) e o Center for International Climate and Environmental Research – Oslo (CICERO).
Veja todos os Projetos