Como se Associar

Depoimentos

“O CEBDS já é reconhecido como o grande interlocutor do setor empresarial com o governo e com os mais variados segmentos da sociedade civil organizada do país, na busca contínua de um novo modelo de desenvolvimento que contemple a sustentabilidade econômica, social e ambiental, para que as empresas se tornem competitivas mundialmente. Esse trabalho explica por que a marca do Conselho passou a ser sinônimo de credibilidade.”
Erling Lorentzen – presidente de honra do CEBDS

O ambiente nacional está sensível a critérios que promovam resultados sustentáveis e aderentes ao crescimento com modernização, eficiência e competitividade para atender o mercado interno e global.

Iniciativas imediatas são imprescindíveis para sustentar o posicionamento do Brasil junto ao mercado global e para promover cenários de atratividade econômica para investimentos de estratégia global. Face este momento, temos de nos situar como coadjuvantes de processos que associem infraestrutura resiliente. Este ambiente é possível com uma indústria digital, que possua versatilidade e dinamismo, contemplado por uma infraestrutura confiável para apresentar suas tecnologias e atender, nacionalmente, esta construção de oportunidades conjugados aos processos de redução de emissões.

Somos um país continental formado por cidades que contemplam perfis globais de proporções macrometropolitanas, com aplicações que abordam perfis de alta tecnologia e centros de inovação até aglomerações com posicionamentos de baixo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) beirando a condições abaixo das admissíveis para o ser humano.

Dados divulgados pela ONU, em 2010, posicionam o Brasil em 73º (IDH = 0,699), valor considerado alto, influenciados, principalmente, pelo aumento da expectativa de vida e pela taxa de alfabetização brasileira. Em 2015, mesmo com o IDH em 0,755, o Brasil perdeu algumas posições, estando hoje, numa lista de 188 países, em 75º, sendo o único país dos BRICS a perder posição, reflexo da perda de renda oriunda da retração econômica que tende a se agravar. Isto explica os problemas socioeconômicos como a desigualdade social em suas diversas escalas, perceptíveis, até mesmo, em bairros da mesma cidade.

Estas deficiências operacionais podem suprir um panorama de oferta de oportunidades para um equilíbrio socioeconômico através de logísticas de: transporte, energia, comunicação, educação, saúde, segurança urbana e social.

A construção deste cenário pode ter no setor de transportes o “carro-chefe” de uma logística de utilidades de serviços de infraestrutura que beneficiarão um eficiente processo de licenciamentos e manutenção de sistemas, refletindo redução de impactos nas interferências ambientais, sociais e licenças (prévia, instalação e operação), ocasionando redução de tempo e custos aos projetos que, estrategicamente, seriam aproveitados economicamente.

As condições de ofertas de um corredor logístico da infraestrutura de multisserviços beneficiam reduções e eficiência de processos em:

  • Transporte: ofertas de sistemas de tração eletrificados promovem uma eficiência de operação até 60% maior se comparado com os sistemas de tração por fósseis, ilustração compreensiva se considerarmos que motores elétricos são em até 90% mais eficientes que os de combustão – devemos potencializar este fato, considerando nossa composição de geração de energia elétrica, hoje composta em 70% por sistemas hídricos e renováveis. Além disso, o perfil de tração eletrificada beneficia redução de custos de geometria de via (maiores rampas e menores curvas) e agilidade do sistema agregando velocidades maiores de operação;
  • Meio Ambiente: oferecendo menores impactos de domínio territorial de investimentos através do uso de diversas aplicações em uma mesma geometria da via com redução de interferências ambientais, zonas de reservas, interferências e benefícios sociais;
  • Energia: disponibilizando através de rede de transmissão elétrica, dentre outros como combustível para aplicação em tração elétrica ferroviária (favorável ambientalmente a compromissos de pactos globais – COP 21), oferta de combustíveis a gás – biogás e eletricidade por meio de geração descentralizada de eletricidade, atendendo, assim, demandas industriais proporcionando crescimento na oferta de emprego e negócios;
  • Telecomunicação: provendo informação digital com a disponibilização do acesso de conteúdo na saúde e educação e conexões para inclusão digital social;
  • Água: conexões que possam sustentar disponibilidade à qualidade de vida urbana e produção agrícola.

Como missão de Câmara Temática, em construir e desenvolver projetos relacionados a grandes temas da sustentabilidade, a então CTMobi realizou e desenvolveu diversas iniciativas para os cenários urbanos (Estudo de Mobilidade Corporativa, Ferramenta de Auto Avaliação de Segurança Viária, etc.).

manual

Em detrimento de uma maior visão para uma contribuição de atuação, além da mobilidade urbana, adiciona-se um cenário de logística de transportes e utilidades na tentativa de estabelecer benefícios corporativos associados a modelos ambientais, econômicos e sociais, em oportunidades de construção de infraestrutura resiliente para um país mais competitivo.

A Câmara Temática de Logística e Transportes (CTLog) proporciona um potencial ambiente para a discussão e entendimento, que reunirão representantes de empresas associadas para a construção de programas e projetos de sustentabilidade em logística, através de trocas de conhecimento, experiências e práticas na construção de planejamento, modernização e estratégias de crescimento para atender um cenário sustentável de modernização de cidades, setores industriais privados e públicos.

Assim, a ampliação de discussão, além da mobilidade urbana, promove motivações de logística de transporte em seus diversos modos (ferroviário, rodoviário, metroviário, hidroviário, marítimo, dutoviário, aeroviário, etc.) e outras utilidades (energia, telecomunicação, saneamento, gás, etc.) com abordagem de crescimento urbano, promoção de competitividade de mercado, segurança e monitoramento de cargas e passageiros através de oferta de infraestrutura de alta disponibilidade e aderentes à redução de emissões, atualmente restrito a centros econômicos privilegiados.

Segundo pesquisas do IBGE, a insatisfação da infraestrutura nacional disponível é maior na região Norte (81% insatisfeitos), seguida pela Nordeste (75% insatisfeitos) e Centro Oeste (65% insatisfeitos) do Brasil, sendo que 92% das empresas pesquisadas classificaram a falta de competitividade logística brasileira como “oferta de infraestrutura inadequada” como necessidade de prioridade de máxima importância.

Há o compromisso de uma sinergia para a construção desta infraestrutura digital inteligente, com o objetivo de atender:

  • Competitividade de indústrias no país e seu crescimento em setores diversificados (tais como agronegócios, eletroeletrônica, metais e minerais, alimentos, fármaco, petroquímico, químico, fertilizantes, construção civil, educação, saúde, siderúrgico, metalúrgico, etc.) associados a iniciativas de Estado, desejos sociais e econômicos comprometidos ambientalmente, são pilares para o desenvolvimento de uma logística de disponibilidade e credibilidade.
  • Demandas de debates e programas colaborativos constituídos por opiniões, experiências, lições aprendidas e boas práticas compiladas com esta visão de estratégia de desenvolvimento para uma ocupação nacional, aderente às práticas mundiais de sustentabilidade.

A CTLog possui o desafio de contribuir na construção e desenvolvimento de projetos relacionados a padrões de uma infraestrutura de relevante redução de emissões, social e economicamente viável para o crescimento do país, com indústrias sustentáveis e ambientalmente comprometidas.

“Através da conscientização do empresariado nacional sobre as questões ambientais e sociais, o CEBDS tem criado um ambiente de trabalho mais justo e adequado às exigências da sociedade moderna. Perante a comunidade internacional, modifica positivamente a imagem do setor produtivo, ampliando as suas possibilidades comerciais, e melhorando a inserção do País no mundo desenvolvido.”
Rinaldo Campos Soares – Ex-presidente da Usiminas – (in memorian)

“Não é possível hoje pensar em sucesso se não houver preocupação com a sustentabilidade – o que não inclui apenas o meio ambiente. É preciso haver uma sustentabilidade econômica e social também, para que as empresas se tornem competitivas mundialmente”.
Felix de Bulhões – Ex-Chairman do CEBDS  – (in memorian)

“O CEBDS foi a primeira associação empresarial a trabalhar fortemente com os três pilares do desenvolvimento sustentável: economia, meio ambiente e sociedade. Esse conceito representa a base para garantir o futuro das novas gerações, sem comprometer o crescimento econômico e os bens naturais. A participação no CEBDS representa a oportunidade de trocar experiências, discutir novas tecnologias de gestão com grupos de profissionais especializados e ter contato com práticas diferenciadas de proteção ambiental das empresas”.
Jorge Gerdau Johannpeter – Presidente do Conselho de Administração do Grupo Gerdau 

“A participação de toda a sociedade, do Governo, da comunidade científica,das Organizações Não-Governamentais e, em particular, do empresariado, é imprescindível para que possamos provocar uma inflexão em nossos padrões de consumo e produção. É preciso pensar a empresa como parte da sociedade, engajada na solução de problemas que afetam a todos. (…) É grato notar que o empresariado latino-americano já reconhece o peso dessa nova variável para poder prosperar em uma economia globalizada. É preciso ampliar esse esforço do setor privado, de modo a transformar a preocupação com a sustentabilidade em parte indissociável da atividade econômica.”
Fernando Henrique Cardoso, sociólogo e ex-Presidente da República Federativa do Brasil

“É muito gratificante ver como CEBDS conseguiu congregar um grupo tão importante e distinto de líderes e criar um impressionante conjunto de atividades, inclusive com ramificações via Internet. Porque é exatamente desta forma que devemos agir, como empreendedores nos negócios. Vamos nos valer dessa reputação de empreendedores e ser inovadores, criativos, eficientes e rápidos”.
Stephan Schmidheiny – Presidente de honra do World Business Council for Sustainable Development

Unidas por este Conselho, as empresas podem exercer uma influência ainda mais ampla no contexto da sustentabilidade. O CEBDS fala a linguagem de seus associados e se compromete com as questões relevantes na agenda do setor empresarial brasileiro.

O CEBDS direciona o seu trabalho estrategicamente Trabalhamos estrategicamente direcionado para temas específicos e relevantes no contexto atual, seja por meio de projetos institucionais ou de Câmaras Temáticas, que se reúnem periodicamente. As Câmaras Temáticas são presididas por representantes das empresas associadas e atuam como um fórum pra concepção, discussão e implementação de projetos estratégicos para a implementação do desenvolvimento sustentável no setor empresarial brasileiro.

Atualmente, o CEBDS conta com as Câmaras temáticas:

• Água
• Biotecnologia e Biodiversidade
• Comunicação e Educação
• Energia e Mudança do Clima
• Finanças Sustentáveis
• Logística e Transportes
• Impacto Social

O CEBDS  participa de todas as Conferências das Partes das Nações Unidas de Clima e Biodiversidade com eventos paralelos e publicações e tem assentos na principais comissões que discutem temas relacionados à sustentabilidade:

E dos Grupos de Trabalho:

• Conselho Mundial da Água
• Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável e Agenda 21 – CPDS
• Conselho de Gestão do Patrimônio Genético – CGEN
• Fórum Brasileiro de Mudanças Climática
• Fórum Carioca de Mudanças Climáticas e Comitê Gestor do Plano Nacional de Consumo Sustentável

Promovemos também eventos sobre sustentabilidade, tanto para tratar de temas específicos como para instituir debates com abordagens gerais, como, por exemplo, o Congresso Internacional sobre Desenvolvimento Sustentável, Sustentável, evento bienal iniciado em 2005.

Benefícios

Acesso a um fórum nacional que permite às empresas:

Participar de uma rede com cerca de 70 grandes líderes empresariais;
Participação de reuniões das Câmaras Temáticas e Grupos de Trabalho do CEBDS;
Divulgar suas melhores práticas em desenvolvimento sustentável;
Ter perspectiva adiantada do ambiente de mudanças rápidas em que as empresas operam;
Debate compartilhado com empresas associadas ao CEBDS e à rede do WBCSD;
Ampliação do arco de relacionamento com instituições parceiras e conveniadas ao CEBDS;
Recebimento de informações sobre diversos aspectos relacionados ao Desenvolvimento
Sustentável;
Inclusão dos contatos da empresa associada no diretório dos associados do CEBDS para
recebimento de informações exclusivas;
Articulação em cooperação com a comunidade empresarial, órgãos de governo e sociedade
civil.
Acesso ao mailing exclusivo dos associados CEBDS

Acesso a ferramentas e serviços desenvolvidos pelo CEBDS e seus parceiros:

Workshops e seminários desenvolvidos para endereçar aspectos específicos de cada negócio;
Capacitação em ferramentas inovadoras para gestão dos riscos e oportunidades associadas ao desenvolvimento sustentável;
Alavancar o entendimento sobre o desenvolvimento sustentável e suas interseções com os negócios da empresa;
Recebimento das publicações do CEBDS;
Participação nos eventos do CEBDS;
Participação em eventos externos nacionais e internacionais por indicação do CEBDS.