Notícias

22/01/2020

CPRM articula plano para aumentar oferta de água no Nordeste

CPRM articula plano para aumentar oferta de água no Nordeste

O Serviço Geológico do Brasil (CPRM) está articulando, com órgãos do governo federal e parlamentares do Nordeste, recursos para implementar, neste ano, as ações do Plano Estratégico em Recursos Hídricos no Nordeste Brasileiro. Elaborado pela empresa, o documento reúne um conjunto de macrodiretrizes, articuladas e integradas, que visam ampliar a oferta de água no semiárido brasileiro.

O plano prevê uma rede estratégica de poços profundos em bacias sedimentares, para atender populações em regiões com escassez intensa de água. As ações incluem construção de barragens subterrâneas, revitalização de poços, aplicação de tecnologias alternativas, incluindo centrais de dessalinização, e estudos de avaliação do potencial hídrico do aquífero Urucuuba.

O diretor de Hidrologia e Gestão Territorial da CPRM, Antônio Carlos Bacelar, explica que a instituição está buscando recursos para tirar o plano do papel. A ação pode beneficiar cerca de 3 milhões de pessoas que convivem com a seca e estiagem, agravadas nos últimos sete anos.

O diretor conta que a CPRM possui um banco de dados, o Sistema de Informações de Águas Subterrâneas (Siagas), com informações sobre 316 mil poços, a maioria no Nordeste, essenciais para desenvolver políticas públicas em recursos hídricos na região.

Projeto-piloto aumentou oferta de água em Pernambuco

As informações do Siagas foram utilizadas num projeto piloto em Pernambuco, que revitalizou 161 sistemas simplificados de abastecimento de água e beneficiou 37 mil pessoas de comunidades rurais e urbanas, em 77 municípios do estado.

Para ampliar essa ação aos demais estados do Nordeste, a CPRM está negociando com a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), autarquia vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), uma parceria para viabilizar a recuperação de aproximadamente 670 poços artesianos e beneficiar cerca de 134 mil pessoas.

Detalhes do acordo foram discutidos no último dia 8, durante reunião na sede da Sudene, em Recife. O encontro contou com a participação do chefe do Departamento de Hidrologia da CPRM, Frederico Cláudio Peixinho, do superintendente regional da CPRM em Recife, Vanildo Mendes, e do chefe da Divisão de Hidrologia, João Diniz.

Eles foram recebidos pelo superintendente Douglas Cintra, pelo diretor de administração, Aluízio Oliveira, e pelo coordenador-geral de estudos e pesquisas da autarquia, Robson Brandão. A Sudene busca garantir recursos para o início do projeto, estimados em R$ 20 milhões, e celebrar com a CPRM termo de execução descentralizada para recuperação dos poços.

Os locais para intervenção das melhorias dos poços artesianos deverão ser indicados por meio de dados do Siagas. A qualidade da água e o nível de dependência das comunidades rurais ao abastecimento por meio de carros-pipa também serão considerados para a estruturação das atividades.

Recursos da União

Durante a reunião, os representantes da Sudene elogiaram o Plano Estratégico em Recursos Hídricos apresentado pela CPRM. “A iniciativa está alinhada com um dos propósitos fundamentais do nosso plano regional, que é dar segurança hídrica ao Nordeste e potencializar a agricultura irrigada, valorizando nossa produção”, disse o superintendente da Sudene, que se comprometeu em garantir os recursos necessários durante a chamada readequação orçamentária dos recursos da União, a qual deve ocorrer até fevereiro.

O chefe do Departamento de Hidrologia da CPRM, Frederico Cláudio Peixinho, explicou que é necessário o envolvimento de outras instituições, para dar sustentação às ações de longo prazo sobre o tema. “Debatemos também a possibilidade de cooperação para recuperação do acervo técnico de hidrogeologia, incluindo fotografias áreas, decorrente da atuação da Sudene neste campo de conhecimento”, destacou Peixinho.

No encontro, o superintendente regional da CPRM em Recife, Vanildo Mendes, sugeriu ampliar a parceria entre as duas instituições também para o âmbito dos recursos minerais. A sugestão envolve a participação na elaboração do Arranjo Produtivo para a Base Mineral do Nordeste, tema sobre o qual a CPRM possui expertise. A empresa poderia atuar na pesquisa geológica e na orientação voltada para a gestão ambiental de bens minerais de interesse para a economia nordestina, tais como ouro, rochas ornamentais, gemas, gipsita e insumos para construção civil.