Sem categoria

06/08/2019 às 13:53

Encontro mundial do saneamento pela primeira vez no Brasil

Encontro mundial do saneamento pela primeira vez no Brasil

Aquasfera, com informações do World Toilet Summit

O Encontro mundial do saneamento – World Toilet Summit – acontecerá pela primeira vez no Brasil e na América Latina. O evento internacional será realizado em  São Paulo e irá debater ações mais efetivas em água tratada, saneamento básico e higiene.

World Toilet Organization (WTO) junto ao Instituto Trata Brasil irão organizar a primeira edição do “World Toilet Summit – Saneamento Básico na América Latina: não deixar ninguém para trás”. A 19ª edição acontecerá entre os dias 18 e 19 de novembro de 2019, em São Paulo – Hotel Renaissance – e terá apoio institucional da Rede Brasil do Pacto Global da ONU e as secretarias de Relações Internacionais e de Turismo do Estado de São Paulo.

O evento já ocorreu em várias cidades do mundo, como Seul (Coreia do Sul), Taipei (Taiwan), Pequim (China), Filadélfia (EUA), Belfast (Irlanda do Norte), Melbourne (Austrália) e Mumbai (Índia), com objetivo de debater as deficiências dos serviços de saneamento básico, desde simples banheiros até a falta de acesso à água tratada, coleta e tratamento de esgotos no mundo. São realidades que também impactam a sociedade latino-americana.

Cenário do saneamento básico no Brasil

Segundo dados do Painel Saneamento Brasil, plataforma de dados do Instituto Trata Brasil, o Brasil ainda possui quase 4 milhões de habitantes sem banheiros e essa desigualdade prejudica vários indicadores sociais brasileiros. 

O Painel ainda mostra que as mulheres são as mais afetadas quando há falta de banheiro.  Em 2017, mulheres que não possuíam banheiro em suas casas tiveram uma renda mensal de R$ 444,57, enquanto os homens na mesma situação ganharam R$ 503,95. Já o estudo “Mulheres & Saneamento” mostra que as trabalhadoras sem banheiro em casa ganham 73,2% a menos que as mulheres que têm banheiro.  Além da questão de gênero e renda, há ainda impactos na educação, entre outros.  

Saneamento Básico e o desenvolvimento nacional

O saneamento básico precário prejudica a qualidade de vida da população e também o desenvolvimento econômico do país, como aponta o Estudo Benefícios Econômicos do Saneamento Básico realizado pelo CEBDS e o Instituto Trata Brasil. A falta de água tratada, por exemplo, acarreta problemas de saúde, que na maioria das vezes são recorrentes, além de levar o afastamento da pessoas de suas funções e a geração de despesas públicas e privadas para o tratamento dessas questões.

A situação do saneamento tem reflexos imediatos nos indicadores de saúde. A taxa de mortalidade de crianças com até 5 anos de idade foi de 16,4 mortes por 1.000 nascidos vivos no Brasil em 2015. Apesar de abaixo da média mundial, os números são superiores às taxas de mortalidade infantil de Cuba (5,5‰), Chile (8,1‰) ou Costa Rica (9,7‰). Entre os vizinhos, as taxas brasileiras também são maiores que da Argentina (12,5‰) e Uruguai (10,1‰).

Quanto aos prejuízos econômicos, os trabalhadores mais suscetíveis a doenças causadas pela falta de saneamento têm a saúde mais precária e, consequentemente, um desempenho pior, o que afeta a carreira profissional e o potencial de renda que eles poderiam desenvolver no mercado de trabalho; os problemas de saúde também fazem com que crianças e jovens se afastem de suas atividades escolares, o que acaba prejudicando o desempenho educacional, com prejuízo para seu potencial futuro no mercado de trabalho. 

Dados do evento “World Toilet Summit – Saneamento Básico na América Latina: não deixar ninguém para trás”

Site: www.wtsbrasil2019.com

Data: 17 a 19 de novembro 2019

Local: Hotel Renaissance – São Paulo