CEBDS e WBCSD engajam empresas do agronegócio em divulgação externa e gestão de riscos

Data: 14/05/2019
Area:
Autor:
Categoria: Institucional

O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), integrante da Rede Global de organizações parceiras do Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD), iniciou recentemente uma série de discussões e workshops para aumentar o entendimento das empresas sobre os desafios, oportunidades e soluções de transparência e gestão de riscos.

O mais recente desses compromissos ocorreu à margem da Cúpula de Negócios Sustentáveis da Bloomberg, realizada de 24 a 26 de abril, em São Paulo.

CEBDS, Bloomberg e WBCSD convocaram um diálogo para os agronegócios brasileiros explorando os impactos relacionados ao clima, bem como os desafios e oportunidades associados à implementação das recomendações do Grupo de Trabalho sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD).

Os principais temas que surgiram ao longo das discussões centraram-se em finanças e resiliência, ou seja, como comunicar e financiar soluções inovadoras, e como as empresas – particularmente as agroindustriais – podem e devem se preparar, adaptar e responder às mudanças climáticas.

Em um treinamento prático de gestão de riscos no dia seguinte, os membros do WBCSD – Bayer, Natura, Santander, BNP Paribas, Schneider Electric e Votorantim Cimentos em particular – compartilharam como a gestão de riscos e oportunidades ambientais, sociais e de governança (ESG) pode ser integrada à estratégia de negócios, gestão de desempenho e divulgações.

Uma das principais formas de as empresas começarem nessa frente é com o Guia para a Aplicação do Gerenciamento de Riscos Empresariais (ERM) aos Riscos relacionados ao ESG. O Guia foi desenvolvido pelo Comitê de Organizações Patrocinadoras da Comissão Treadway (COSO) e pelo WBCSD para ajudar as organizações em todo o mundo a responder à crescente prevalência e gravidade dos riscos relacionados à ESG, desde eventos climáticos extremos até recalls de segurança de produtos.

A aplicação da Orientação destaca a importância de considerar os desafios ESG em nível empresarial usando a estrutura atualizada do COSO. Além disso, oferece uma oportunidade para que as empresas ampliem sua compreensão do perfil de risco e do modelo de criação de valor – ao mesmo tempo em que lhes permite considerar como essas questões impactam os acionistas e a sociedade. Este é um dos principais frameworks que as empresas podem utilizar para começar a integrar a sustentabilidade de forma sistemática.

A Bloomberg Summit reuniu executivos, investidores e líderes de pensamento inovadores para conversas críticas sobre questões locais e globais em negócios e finanças sustentáveis, incluindo: crescimento a longo prazo, desigualdade, Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, mudanças climáticas, economia circular, transparência e colaboração público-privada.

Membros do WBCSD, incluindo Syngenta, Santander e Natura, estiveram presentes e ativos, apresentando suas perspectivas, insights e principais aprendizados sobre a importância dos temas para suas operações de negócios.

A Cúpula enfatizou que as empresas líderes estão integrando riscos, oportunidades, impactos e dependências ESG na tomada de decisões e dizendo às principais partes interessadas o que estão fazendo de forma estratégica.

Como disse José Antonio Filippo, Diretor Financeiro da Natura: “A sustentabilidade é um custo? Absolutamente não – ela está integrada em nossos processos… investidores e clientes estão muito interessados”.

O CEBDS e o WBCSD continuarão a envolver as empresas no Brasil para medir e gerenciar riscos, ganhar vantagem competitiva e aproveitar novas oportunidades ao entender as informações ESG.

Fonte: https://wbcsd.org/Overview/Global-Network/News/BCSD-Brazil-and-WBCSD-engage-agribusiness-companies-on-external-disclosure-and-risk-management



Informações do Autor

CEBDS