IEC realiza reunião preparatória para a COP22

Na manhã dessa quarta-feira (19), a Iniciativa Empresarial em Clima (IEC) promoveu, em São Paulo, um encontro para debater temas que serão discutidos na Conferência das Partes da ONU (COP22), que acontece de 7 a 18 de novembro em Marraquexe, no Marrocos. A Contribuição Nacionalmente Determinadas (NDC, na sigla em inglês) brasileira e os desafios e caminhos para sua implementação foram os pontos mais debatidos no encontro.

O diretor do departamento de Mudanças Climáticas do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Adriano Santhiago, apresentou as metas estabelecidas na NDC para os diferentes setores produtivos, como a utilização de novos padrões de tecnologias limpas e medidas de eficiência energética para o setor industrial, utilizando como uma de suas referências o estudo desenvolvido pelo Conselho de Líderes do CEBDS, “Consumo eficiente de energia elétrica”.

“O nosso país foi um dos poucos em desenvolvimento a apresentar uma meta de redução absoluta de emissões. A nossa NDC é ambiciosa e contamos muito com a contribuição privada para o seu cumprimento”, destacou Santhiago. O diretor do MMA também ressaltou também que o setor empresarial tem se mostrado muito engajado para ajudar o Brasil a alcançar as metas da NDC, com forte apoio da sociedade civil e intensa articulação entre os ministérios no governo federal.

O Brasil tem uma série de desafios pela frente, entre eles, alavancar instrumentos inovadores de financiamento das atividades sustentáveis,, como sustentou a diretora de Precificação de Carbono da Carbon Disclosure Project (CDP), Nicolette Bartlet. “É imprescindível monetizar os riscos climáticos para que o setor financeiro torne-se parte integrante da mobilização pela descarbonização da economia”, apontou.

Nicolette Bartlet destacou que a precificação de carbono está presente em mais de 50% das NDCs apresentadas pelos países que ratificaram o Acordo de Paris, o que poderá impulsionar ainda mais a descarbonização da economia mundial. “Para o sucesso do mercado de carbono global, sugerido pelo artigo seis do Acordo, é preciso trabalhar para garantir a demanda de créditos e não tanto a sua oferta. O Acordo de Paris veio com uma abordagem bottom-up e a precificação de carbono global virá da mesma forma. Cada país precisa fazer o seu”, encerrou.

No Brasil, salientou a diretora do CDP, o setor privado tomou a frente das iniciativas para implementação do mecanismo de precificação de carbono. “É importante que o país aprenda com as lições de mercados que enfrentaram dificuldades, como o europeu e o da Califórnia”, alertou.

De acordo com a assessora técnica do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), Lilia Caiado, o encontro promovido nesta quarta-feira faz parte de um conjunto de ações que visam preparar o setor empresarial para participar da COP 22. “Passados todos os trâmites necessários para ratificar o Acordo de Paris no Brasil, nossa prioridade agora é preparar as empresas para contribuir com a implementação da NDC brasileira e trabalhar pelo avanço da agenda de precificação do carbono no país. E para isso é fundamental acompanhar o debate realizado no âmbito das COPs”, explicou.

A IEC é formada pelo CEBDS, CDP, Instituto Ethos, Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV (GVces), Carbon Disclosure Project (CDP), Pacto Global Rede Brasil e Envolverde.

reuniao-cop22_iec_19-10
Nicolette Bartlet, diretora de Precificação de Carbono do CDP, participou da reunião trazendo os avanços do cenário de precificação e as oportunidades para o Brasil.

 

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.