*por Henrique Luz, assessor técnico do Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável – CEBDS

A visão de longo prazo da Convenção da Diversidade Biológica (CDB) para 2050 conclama a todos a “viver em harmonia com a Natureza”. Este chamado nos coloca em uma direção crucial para aproveitarmos enormes oportunidades e evitarmos grandes perdas ambientais, sociais e econômicas ao longo da próxima década. Além de termos R$ 2,8 trilhões que podem ser adicionados ao PIB brasileiro com opções baseadas na economia verde, aproximadamente US$ 44 trilhões do valor econômico gerado mundialmente são moderadamente ou altamente dependentes em serviços ecossistêmicos

 

Contudo, talvez este mote ainda falhe em transmitir um entendimento que tem ficado cada vez mais claro: não estamos com a natureza, nós somos parte integrante dela.

 

É com essa premissa que o Compromisso Empresarial Brasileiro para a Biodiversidade foi construído e é com ela que as companhias vêm estabelecendo as suas estratégias de atuação. Empresas como Grupo Sabará, Neoenergia, Siemens e Siemens Energy, se somam aos atuais signatários e totalizam 18 grandes grupos empresariais que estão comprometidos com a conservação e uso sustentável da diversidade biológica de nosso planeta. 

 

A plataforma de acompanhamento do Compromisso já conta com mais de 70 metas que apresentam resultados claros no sentido de garantir a capacidade dos ecossistemas de prestarem serviços essenciais para o bem estar humano e para os negócios. Ações já executadas e planejadas até 2030 tratam de questões envolvendo impactos, e dependências, diretos e indiretos assim como se somam a outras ações de conservação do território em busca de um impacto líquido positivo para a biodiversidade.

 

Esse reforço chega em boa hora. O Dia Internacional da Biodiversidade, celebrado neste sábado, dia 22 de Maio, é especialmente importante pois acontece durante o retorno das atividades oficiais da construção do novo marco global de biodiversidade pós 2020 (GBF, na sigla em inglês). As reuniões do corpo técnico da CDB irão seguir até o dia 13 de junho para oferecer os elementos necessários à construção do primeiro rascunho para o GBF. A partir daí os países terão 6 semanas para estudar a proposta e debater durante o 3º encontro do Grupo de Trabalho Aberto (OEWG3), que deve acontecer em agosto e de onde sairá a proposta final do acordo para ser debatida durante a COP 15, em Kunming. Começou a contagem regressiva para construirmos um novo e ambicioso acordo global para a Biodiversidade e a participação do setor empresarial é fundamental nesse processo.

 

Leia também https://cebds.org/ibnbio/marco-global-para-biodiversidade-cbd-retoma-reunioes-as-vesperas-da-cop-15/

1Uma Nova Economia para uma Nova Era: Elementos para a Construção de uma Economia Mais Efic020iente e Resiliente para o Brasil, WRI 2020

2 Global Risks Report, WEF 2