A perda de Biodiversidade é apresentada como o quinto maior risco em termos de probabilidade e o quarto maior em termos de impacto.

 

Foi lançada no último dia 19 de janeiro, a 16ª edição do Relatório de Riscos Globais (em inglês, Global Risk Report) do Fórum Econômico Mundial. Este documento faz uma atualização dos riscos classificados como ameaças globais.

 

Os resultados desta edição mostram que a fragilidade econômica e as disparidades sociais agravadas pela pandemia do novo coronavírus são um dos pontos centrais de risco a serem considerados pelos gestores e governos nos próximos anos.

 

Pela primeira vez, o relatório classifica também os riscos de acordo com os prazos. São eles: Riscos claros e iminentes (0 a 2 anos) revelam preocupação com as vidas humanas e os seus meios de subsistência – entre eles as doenças infeciosas, crises de emprego, desigualdade digital e desilusão juvenil; a médio-prazo (3 a 5 anos), riscos de repercussão económica e tecnológica que poderão levar vários anos a materializar – como explosões da bolha de ativos, o colapso das infraestruturas de tecnologias de informação (TI), instabilidade de preços e crises da dívida; e ameaças existenciais (5 a 10 anos) – armas de destruição em massa, colapso de Estados, perda da biodiversidade e avanços tecnológicos adversos – dominam as preocupações a longo-prazo.

 

O documento ressalta também que, se por um lado a crise da Covid-19 acelerou a 4ª Revolução Industrial, expandindo a digitalização das interações, comércio eletrônico, educação online e trabalho remoto, por outro, pode ampliar a desigualdade digital no curto prazo.

No ano passado, o cenário de negócios tornou-se muito mais precário devido à incerteza e confusão prolongadas nas abordagens de resposta à pandemia, aos desafios do lançamento de vacinas e variantes emergentes de vírus – e aos efeitos colaterais para outros riscos.

A mudança climática, por sua vez, continua sendo um dos riscos globais de maior impacto, especialmente pelo enfraquecimento da cooperação global. A migração para uma economia mais verde é necessária e urgente para evitarmos o risco de perda de biodiversidade e falta de recursos naturais no futuro próximo.

 

10 Maiores Riscos por Probabilidade

 

  1. Clima Extremo
  2. Fracasso na ação climática
  3. Danos ambientais causados pela humanidade
  4. Doenças infeciosas
  5. Perda da biodiversidade
  6. Concentração do poder digital
  7. Desigualdade digital
  8. Quebra das relações entre Estados
  9. Fracasso da cibersegurança
  10. Crises de subsistência

 

10 Maiores Riscos por Impacto

 

  1. Doenças infeciosas
  2. Fracasso na ação climática
  3. Armas de destruição em massa
  4. Perda da biodiversidade
  5. Crises de recursos naturais
  6. Danos ambientais causados pela humanidade
  7. Crises de subsistência
  8. Clima extremo
  9. Crises financeiras
  10. Colapso das Infraestruturas de TI

 

Mais informações em:

 

https://www.weforum.org/agenda/2021/01/building-resilience-in-the-face-of-dynamic-disruption/ 

 

https://www.spacemoney.com.br/geral/a-pandemia-da-covid-19-esta-aumentando-a-desigualdade-social-diz/162426/?utm_source=MidiaR7&utm_medium=MidiaR7&fbclid=IwAR1vnf6YDZb05pJo5UuP8Hah4uWaInUvw_tkbnJw1ncXKENBwTy0_K-te0A

 

https://www.mundorh.com.br/5-impactos-do-global-risk-report-2021-na-vida-profissional-no-pos-pandemia/ 

 

https://www.abgr.com.br/noticias?id=735 

https://rhmagazine.pt/global-risks-report-2021-o-mundo-precisa-de-acordar-para-os-riscos-a-longo-prazo/