Plano de recuperação de áreas degradadas com participação de produtores

Ficha Técnica

Empresa

Ano:

2020

Metas envolvidas:

  • 8

    Potencializar ações de conservação e recuperação nas regiões onde a empresa está inserida, buscando um impacto líquido positivo em biodiversidade

Descrição geral

Para o ano de 2021 está previsto o início da execução de um plano de intervenções em conjunto com os produtores parceiros, visando a recuperação de áreas degradadas e proteção da biodiversidade, baseado no diagnóstico previamente realizado e no monitoramento dos indicadores definidos em parceria com a Embrapa Clima Temperado. Para suportar estas ações, será oferecido suporte para o desenvolvimento dos respectivos planos, orientação para sua execução, ações de transferência de tecnologia e a comunicação destas ações junto aos públicos de interesse.

[:pb]A Philip Morris Brasil (PMB), por iniciativa própria já realiza coletas de dados através de sua equipe de assistência técnica da empresa a cada nova safra. Os dados coletados formam uma base de monitoramento de presença de Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal nas propriedades fornecedoras de tabaco, além do monitoramento de fauna e flora ameaçados de extinção, polinizadores, espécies exóticas invasoras, manejo e conservação de solos e recursos hídricos. A equipe de assistência técnica recebe treinamento interno sobre os tópicos levantados nas propriedades. Além do monitoramento já realizado, está previsto, no âmbito do Projeto Auéra, a realização durante o ano de 2020 um pré-diagnóstico em parceria com a Embrapa Clima Temperado que ajudará no planejamento e execução do plano de intervenções para a recuperação de áreas degradadas contempladas pelo programa.[:]

[:pb]As ações internas de orientação, treinamento e coleta de dados nas propriedades contratadas já são realizadas de forma contínua, a cada nova safra por parte da Philip Morris Brasil. No escopo do Projeto Auéra, após a conclusão do diagnóstico detalhado das propriedades pela Embrapa Clima Temperado serão definidas ações de intervenção durante os anos de 2021 e 2022, tendo como base as informações coletadas e necessidades identificadas. As intervenções terão como foco a formação de propriedades produtoras de tabaco modelo em sustentabilidade, e poderão contar com ações de recuperação de áreas degradadas, proteção de nascentes, formação de corredores ecológicos, eliminação de espécies exóticas invasoras das áreas de preservação permanente, dentre outras iniciativas.[:]

[:pb]Os dados coletados pela Philip Morris Brasil (PMB) já são aferidos e analisados, de forma constante a cada safra, pelo time de sustentabilidade de forma a monitorar a situação e demandas relacionadas à biodiversidade nas propriedades que produzem o tabaco comprado pela Philip Morris Brasil. Em relação ao projeto Auéra, em sua fase de conclusão do projeto serão definidos indicadores de performance relacionados a caracterização dos recursos naturais, ordenamento territorial, manejo e preservação da biodiversidade e agrobiodiversidade, segurança alimentar e sustentabilidade. Esses indicadores serão monitorados constantemente, a cada nova safra, pela equipe de assistência técnica da PMB, em 100% dos produtores contratados.[:]