Há 10 anos, líderes de 196 países se reuniram para a Convenção da Diversidade Biológica, na cidade de Nagoya, Província de Aichi, no Japão e definiram em conjunto uma série de metas concretas para conter a perda da biodiversidade do planeta.

As metas ficaram conhecidas como Metas de Aichi e o período de 2011 a 2020 foi decretado pela ONU (Organização das Nações Unidas) como a “Década da Biodiversidade”.

Na semana passada, durante a quinta edição do Global Biodiversity Outlook (GBO5), foi divulgado o relatório publicado pela Convenção das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica (CBD), que oferece uma visão geral sobre o estado da natureza e avalia o avanço dos objetivos de conservação da diversidade biológica do planeta.

O resultado é que nenhum dos objetivos internacionais foi totalmente alcançado. Entre os 20 compromissos ambientais apenas seis foram “parcialmente atingidos”. São eles: prevenção de espécies invasoras, conservação de áreas protegidas, acesso e compartilhamento de benefícios de recursos genéticos, estratégias de biodiversidade e planos de ação, compartilhamento de informações e mobilização de recursos.

No documento, o Brasil é mencionado por ter conseguido resultados positivos com políticas de prevenção e combate ao desmatamento na região – caiu 84% entre 2004 a 2012–, apesar de as estratégias não estarem sendo sustentadas nos últimos anos. Isto porque em 2019, o país alcançou 10.129 quilômetros quadrados, a maior alta desde 2008. Ainda assim, entende-se como bem-sucedida a experiência desenvolvida pelo Pacto pela Restauração da Mata Atlântica, iniciativa formada por cerca de 300 organizações da sociedade civil que já restaurou 740 mil hectares no bioma, desde 2009, e pretende alcançar um milhão de hectares, até o final de 2020. (mais informações em https://amazonia.org.br/2020/09/descumprimento-das-metas-de-aichi-e-sinal-de-alerta-para-outros-acordos-globais/

Apesar dos poucos avanços, o relatório aponta para a urgência de implementarmos mudanças transformadoras que venham salvaguardar a biodiversidade de nosso planeta.

Saiba mais em:

https://nacoesunidas.org/relatorio-das-nacoes-unidas-alerta-para-perda-de-biodiversidade-sem-precedentes-na-historia/

 Leia o relatório na íntegra aqui.

Sessões virtuais especiais – SBSTTA-24 e SBI-3

A vigésima quarta reunião do Órgão Subsidiário de Aconselhamento Científico, Técnico e Tecnológico (SBSTTA-24) e a terceira reunião do Órgão Subsidiário de Implementação (SBI-3), foi realizada na semana passada (15 a 18 de setembro de 2020) por meio de  uma sessões virtuais especiais que reuniu representantes governamentais e especialistas para Conferência das Partes (COP).

Devido à pandemia COVID-19, as reuniões físicas serão realizadas no primeiro trimestre de 2021, se a s condições permitirem – esta série de sessões virtuais especiais facilitará os preparativos para as reuniões da subsidiária corpos. O objetivo adicional dessas sessões é ajudar a manter o ímpeto antes da Cúpula da Biodiversidade da ONU e em direção à COP 15.

As sessões especiais oferecem oportunidades para a apresentação de informações e declarações das Partes e observadores. Nenhuma decisão ou recomendação formal será feita nas sessões especiais. A interpretação será fornecida em todos os idiomas da ONU.

Mais informações em https://www.cbd.int/conferences/sbstta24-sbi3-prep