Durante a Cúpula do Clima, o presidente Jair Bolsonaro se comprometeu também eliminar os desmatamentos ilegais da Amazônia até 2030

 

Nesta quinta-feira (22), foi aberta a Cúpula de Líderes sobre o Clima, evento organizado pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para discutir estratégias de combate às mudanças climáticas. 

 

Na abertura, o presidente americano prometeu reduzir as emissões de gases do efeito estufa dos EUA em 50%, em relação aos níveis de 2005, até 2030 e afirmou que os próximos anos farão parte de uma ‘década decisiva’ para o combate às mudanças climáticas.

 

O evento contou com a participação de cerca de 40 líderes de estado de várias partes do mundo, entre eles o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, que destacou as conquistas do Brasil nesta área e se comprometeu a:

  • zerar até 2030 o desmatamento ilegal;
  • reduzir as emissões de gases;
  • buscar ‘neutralidade climática’ até 2050, antecipando em dez anos;
  • ‘fortalecer’ os órgãos ambientais, ‘duplicando’ recursos para fiscalização.

A cúpula antecede a 26ª Conferência sobre o Clima, a Cop26, a ser realizada em novembro em Glasgow, na Escócia. Um dos principais objetivos é impedir a elevação da temperatura média do planeta acima de 1,5 grau neste século.

CEBDS – Carta aberta ao presidente Joe Biden

Recentemente, o setor empresarial brasileiro, representado pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) entregou uma carta aberta ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, na qual expressa profunda preocupação com o desmatamento da Amazônia e suas consequências globais, e propõe uma agenda afirmativa de cooperação com o país a fim de unir esforços no combate à crise climática, sanitária, social e econômica. O documento assinado pela presidente do CEBDS, Marina Grossi, propõe um diálogo com o governo norte-americano sobre os caminhos a serem trilhados e se coloca à disposição para colaborar na implementação de soluções que venham contribuir para a preservação da Amazônia e na reversão da crise climática. 

 

Com informações de G1, CNN Brasil e Agência Brasil.