Sala de Imprensa

CEBDS lidera no Brasil a avaliação de impactos dos negócios sobre a natureza

26/09/2022


Conselho vai coordenar o debate sobre os parâmetros da TNFD, força-tarefa global que visa promover investimentos positivos para a biodiversidade.

O impacto sobre a natureza traz aos negócios uma série de riscos e oportunidades. Por isso, é fundamental que instituições financeiras e empresas tenham as informações necessárias para entender como a biodiversidade impacta o desempenho da organização e para que possam direcionar seus investimentos para iniciativas benéficas à natureza.

É com o objetivo de padronizar essa avaliação que a TNFD (força-tarefa internacional sobre divulgações financeiras relacionadas à natureza) escolheu para liderar seu Grupo de Consulta no Brasil o CEBDS (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável).

A TNFD é uma iniciativa global que busca construir parâmetros para instituições financeiras e empresas avaliarem os efeitos de suas operações na natureza, e vice-versa. Esses grupos regionais estão sendo ativados para promover o desenvolvimento dos parâmetros.

Para a TNFD, informações mais precisas permitirão que instituições financeiras e empresas incorporem riscos e oportunidades relacionados à natureza em seu planejamento estratégico, gestão de risco e decisões de alocação de ativos. Afinal, mais da metade da produção econômica mundial – US$ 44 trilhões de geração de valor econômico – é moderada ou altamente dependente da natureza.

“Para as empresas, é muito relevante contar com uma estrutura de gerenciamento e divulgação de riscos para que relatem e minimizem impactos negativos relacionados à natureza. O objetivo final da TNFD é estimular uma mudança nos fluxos financeiros globais a favor da natureza”, explica Henrique Luz, gerente técnico do CEBDS.

A TNFD é uma resposta à crescente necessidade de considerar a biodiversidade em decisões financeiras e de negócios. A entidade está desenvolvendo uma estrutura para que as empresas avaliem, gerenciem e divulguem seus riscos e oportunidades financeiros relacionados à natureza.

Nos próximos dois anos, será desenvolvida uma estrutura para que corporações e instituições financeiras relatem riscos físicos e de transição relacionados à natureza, que incluem riscos financeiros imediatos e materiais, bem como dependências e impactos da natureza e riscos organizacionais e sociais relacionados.

O tema também é relevante pela proximidade da COP 15, a Conferência de Biodiversidade da ONU que será realizada em dezembro, no Canadá, e vai aprovar o Novo Marco Global da Biodiversidade.