O que são Finanças Sustentáveis e Títulos Verdes

Você sabia que o sistema financeiro também tem um papel na preservação do meio ambiente?

As instituições financeiras têm um papel fundamental na construção do desenvolvimento sustentável. Por meio das finanças sustentáveis, os agentes do sistema financeiro podem contribuir amplamente para um futuro melhor para todos.

Leia esse outro artigo sobre sustentabilidade em nosso blog.

As finanças sustentáveis já são uma demanda da sociedade para que os bancos utilizem os recursos obtidos por meio de financiamentos e títulos de créditos em iniciativas socioambientais.

Neste texto, você vai saber mais sobre as finanças sustentáveis. E como elas ainda podem mudar o sistema financeiro de uma vez por todas.

Se tiver alguma dúvida, escreva um comentário no final da página.

Boa leitura!

O que são finanças sustentáveis

Elas representam uma mudança de mentalidade para gestores de capital.

Imagine um mundo onde os bancos têm uma consciência socioambiental real, onde todo o seu poder fiduciário e alocação de capital fossem utilizados somente em empresas e projetos responsáveis com o meio ambiente.

Com certeza os impactos para o meio ambiente e para a sociedade seriam muito menores.

Há quem acredite que isso é impossível: aliar o capital à preservação da natureza. No entanto, diversas empresas estão engajadas nessa missão e já encontraram uma forma de produzir e gerar capital sem comprometer o meio ambiente.

Uma prova disso é o Acordo de Paris que estipula um objetivo para controlar o aumento de temperatura da Terra. Diversas empresas brasileiras têm trabalhado para alcançar esses objetivos, estabelecendo e seguindo as metas baseadas na ciência.

No entanto, somentes as corporações não são o bastante. Deve haver um grande esforço coletivo de todos os agentes da economia: governo, bancos, financeiras, investidores e cidadão comuns.

Por isso, as instituições financeiras passaram a ser pressionadas pela sociedade civil, que se organizava em campanhas massivas na década de 90 sobre a responsabilidade do credor, visando pensar na forma de uso e aplicação desses recursos financeiros.

Mas como os bancos podem mudar?

Simples. Eles podem acelerar o processo de mudança de mentalidade das empresas. Imagine se uma empresa tivesse o crédito negado por não possuir boas práticas de sustentabilidade?

Isso com certeza faria com que a preocupação socioambiental do mercado subisse imediatamente. O contrário também deve ser real, empresas com atitudes conscientes terem benefícios na liberação de crédito.

A economia verde pode parecer utópica, mas milhares de empresas e bancos já deram passos importantes. Um deles é o tema do nosso próximo tópico.

O papel dos títulos verdes (ou green bonds)

Essa é uma ferramenta de fomento à economia verde.

Eles são títulos de dívida feitos para estimular investimentos em projetos de responsabilidade ambiental, focados em seus impactos sociais. Ou seja, arrecadam recursos para atividades comprovadamente relevantes na defesa dos valores ambientais.

Esses papéis são emitidos por empresas e instituições financeiras com o fim de viabilizar projetos que tenham um impacto ambiental positivo.

Esses títulos exigem um alto grau de transparência por parte das empresas, já que são sempre submetidos à avaliação externa.

Um grupo de gestores de aplicações, liderados pela Climate Bonds Initiative e responsáveis pela alocação de cerca de R$ 1,6 trilhão, emitiu declaração para reafirmar seu compromisso diante das ameaças e efeitos das mudanças climáticas.

Assinam essa declaração alguns dos mais importantes agentes do mercado financeiro brasileiro como BTG Pactual, BB DTVM, Itaú Asset Management, Santander Asset Management, Sul América Investimentos e UBS Brasil.

Como o problema de aquecimento global é uma das prioridades, existe ainda um título exclusivo para investimentos em questões climáticas: os Climate Bonds.

Os projetos socioambientais precisam de estímulos financeiro. E infelizmente muitos governos não têm o capital preciso para apoiar essa missão de transição para uma economia de baixo carbono.

Por isso, os títulos Green e Climate constituem uma forma de empresas e investidores aplicarem e viabilizarem projetos importantes para seguirmos no caminho do desenvolvimento sustentável.

Segundo a Climate Bonds Initiative, em setembro de 2016 havia um saldo de mais de US$ 140 bilhões em Títulos Verdes rotulados globalmente. Enquanto outros US$ 576 bilhões representavam títulos não rotulados. Ou seja, títulos que teriam potencial para serem verdes mas que não foram assim considerados.

Veja as diferenças entre títulos verdades e títulos convencionais:

CaracterísticasTítulos VerdesTítulos Convencionais
São títulos de dívidaXX
Pagam cupom periódico ou no vencimentoXX
Podem receber nota de rating de créditoXX
Tipologia de acordo com garantia da dívidaXX
Financiamento ou refinanciamentoXX
Recursos destinados para Projetos VerdesXEventualmente
Rotulados como verdes e promovidos dessa forma junto aos investidoresX
O emissor se compromete a algum nível de transparência e documentação sobre o uso dos recursos nos Projetos VerdesX
Credenciais verdes dos projetos recebem avaliação externaX

Conclusão

Acredita que as finanças sustentáveis são uma iniciativa possível?

Pode ser difícil para algumas pessoas imaginarem um mercado de capitais com consciência socioambiental. No entanto, as finanças sustentáveis devem ser o próximo passo da evolução do capitalismo.

O trabalho financeiro desses agentes precisa ser economicamente viável, socialmente justa e ambientalmente correta. É a única forma de colocar os recursos financeiros à serviço do desenvolvimento sustentável.

Os títulos verdes são um ótimo caminho para que a economia faça a sua parte, conseguindo recursos e emprestando às causas. Assim, os gestores desses projetos pagam a dívida com juros que é repassada aos investidores.

Veja esses outros artigos do nosso blog sobre desenvolvimento sustentável:

Trata-se de uma relação ganha-ganha. Se você é investidor, questione o seu banco ou corretora se existem títulos verdes disponíveis para serem adicionados na sua carteira de investimentos.

Esses títulos ainda são novos por aqui, mas já fazem grande sucesso em várias partes do mundo. Para impulsionar este mercado no país, o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) e a Febraban lançaram, em outubro de 2016, o Guia para Emissão de Títulos Verdes no Brasil.

No final de 2017, o CEBDS, em parceria com a Strategic Alliance, lançou a publicação Green Bonds – Ecosystem, Issuance, Process and Regional Perspectives. A publicação, apresentada durante a COP23, apresenta o panorama dos títulos verdes no contexto brasileiro, abordando o ecossistema em que esse mercado vem se desenvolvendo, os principais atores envolvidos, o processo de emissão e os desafios para ampliar esta debênture no país.

Gostou do texto? Deixe o seu comentário com sua opinião ou dúvidas a respeito das finanças sustentáveis.

Obrigada por ler até aqui!

compartilhe:

Assine nossa newsletter

Informe seu e-mail e receba os nossos conteúdos. Respeitamos a privacidade das suas informações não compartilhando-as com ninguém.

Notícias relacionadas

Confira as notícias mais atuais e relevantes para ficar por dentro do que está em debate na agenda do Desenvolvimento Sustentável.

Publicações relacionadas

Quer se aprofundar ainda mais neste assunto? Confira aqui outras publicações relacionadas a esta mesma temática.

Eventos relacionados

Confira nossos próximos eventos relacionados a este tema e junte-se a nós para debater e compartilhar melhores práticas.

MASP - Av. Paulista, 1578, São Paulo (SP)