Fortalecer o preço do carbono é indispensável para o Acordo de Paris, defende estudo da CPLC

Carbon Pricing Leadership Coalition (CPLC), iniciativa da qual o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) é parceiro estratégico, lançou o Report of the High-Level Comission on Carbon Pricesem inglês, nesta segunda-feira (29). A mensagem do relatório é clara: a precificação de carbono é parte indispensável da estratégia de redução eficiente das emissões de gases de efeito estufa. Logo, fortalecer o preço do carbono será central para o cumprimento do Acordo de Paris e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), garantindo o desenvolvimento e crescimento econômico aliado à redução da pobreza.

O relatório é fruto da pesquisa de 13 economistas de nove países e defende que a tonelada do carbono deveria custar entre US$ 40 e 80 em 2020 e aumentar para um valor entre US$ 50 e 100 em 2030, cifras acima das praticadas no mercado hoje, em torno de US$ 10. O trabalho liderado por Joseph Stiglitz e Nicholas Stern, conta com a participação do professor titular da COPPE/UFRJ, Emilio Lèbre la Rovere. “A transição do mundo para uma economia de baixo carbono e resiliente ao clima é a história do crescimento para este século”, afirmaram Stiglitz e Stern.

O documento destaca que cada país deve implementar o mecanismo de precificação que mais se adequar à realidade econômica, além de promover políticas e instrumentos voltados para a eficiência energética, energias renováveis, ampliação de tecnologias e inovações. Outra iniciativa defendida é a precificação de carbono interna adotada pelas empresas, aliando-se à Carbon Pricing Corridor Initiative, liderada pela We Mean Business e o CDP, e contribuindo para a construção de políticas climáticas e instrumentos de precificação em todo o mundo.

A pesquisa foi realizada com apoio do governo francês e do Banco Mundial.

CEBDS é referência para CPLC

No primeiro relatório da High-Level Comission, a publicação Guia de Precificação de Carbono: o que o setor empresarial precisa saber para se posicionar, elaborada pelo CEBDS em parceria com o CDP, foi um dos 60 exemplos escolhidos para a promoção da precificação de carbono no mundo.