Identificação de bacias sob risco de escassez hídrica

Ficha Técnica

Empresa:

Braskem

Metas:

  • Mitigar os riscos da água para o negócio.

Ano:

2018

Descrição geral

Baseado nos resultados dos riscos levantados no Plano de Riscos e Adaptação Climática, a Braskem identificou quatro bacias com um alto risco de escassez hídrica:

  • Bacia do Guandu, no Rio de Janeiro;
  • Bacia dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), em São Paulo;
  • Bacia do Rio dos Remédios, em Alagoas e Bacias do Recôncavo Norte; e
  • Inhambupe, na Bahia.

Ações

Baseado nos resultados dos riscos levantados no Plano de Riscos e Adaptação Climática, a Braskem identificou quatro bacias com um alto risco de escassez hídrica: Bacia do Guandu, no Rio de Janeiro; Bacia dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), em São Paulo; Bacia do Rio dos Remédios, em Alagoas e Bacias do Recôncavo Norte e Inhambupe, na Bahia.

Para cada uma das bacias identificadas, foi realizado um cálculo interno do preço da água, considerando o risco de perdas operacionais e financeiras pela restrição de outorgas, visando chegar a qual o preço que poderia ser pago pelo investimento em uma fonte de água alternativa que neutralizasse o risco de escassez, como o reúso de ETE.

Calculado o preço interno da água as plantas inseridas nas bacias de risco desenvolveram um Plano de Ação para estudar o custo e a viabilidade das fontes alternativas como reúso de ETE, dessalinização e uso de águas subterrâneas. O planejamento de 2018 prevê a definição da melhor fonte para investimento de curto a médio prazo, a fim de se neutralizar os riscos operacionais e financeiros.

Essas ações estão previstas dentro do Plano de Adaptação as Mudanças climáticas, que também prevê a continuidade do apoio ao projeto Aquapolo, que assegura a continuidade da produção das plantas da empresa na região do ABC, que, assim como as quatro aqui mencionadas, também apresenta um alto risco de escassez hídrica.

Planejamento para cumprimento das metas

  • Finalizar em 2018 os estudos das melhores alternativas e finalizar os Planos de Ação para implementação das alternativas selecionadas.
  • Fechar em 2019 a parceria com as empresas de saneamento locais e desenvolver o edital para contratação da empresa que irá prover os serviços alternativos.
  • Iniciar em 2020 a construção da estrutura necessária para a operação das alternativas.
  • Finalizar em 2022 as obras e dar início às operações.
  • Uso e monitoramento do volume utilizado de água de reúso de 2022 em diante.

Forma de avaliação

  • Após o início da operação, a avaliação se dará pelo volume de água de reúso consumido e o percentual que isso impacta nas metas de reúso da empresa.
  • Meta Braskem: aumentar gradativamente o percentual de reúso de água, em 2020 para 25%; em 2025 para 30%; e em 2030 para 50%.

Projetos Relacionados:

Planos de ação para combate à escassez de água

O Plano de Adaptação as Mudanças Climática da Braskem identificou a escassez de água como o principal potencial ameaça para as operações da empresa. O risco hídrico afeta quatro bacias onde a Braskem atua ⎼ Rio de Janeiro, Bahia, Alagoas e São Paulo (Cubatão e Paulínea). Para cada uma dessas Bacias foi realizado um estudo […]

Plano de ação para redução de risco hídrico

As instalações da Braskem localizadas em bacias com risco hídrico desenvolveram um Plano de Ação para estudar o custo e a viabilidade das fontes alternativas. Entre as possibilidades, estão água de Reúso de ETE, dessalinização e uso de águas subterrâneas.

Divulgação pelo Relatório anual Braskem

A água é um dos principais focos de materialidade do Relatório Anual da Braskem, que reporta de forma transparente índices e valores de monitoramento de parâmetros de consumo de água e geração de efluentes. Além disso, apresenta uma série de projetos e iniciativas que se expandem a cada ano e que levam a empresa a […]

Criação do Movimento Menos Perdas Mais Água

A Braskem ajudou a fundar e permaneceu como liderança do Movimento Menos Perdas Mais Água durante seus quatro anos de existência. A iniciativa deu suporte a uma série de estudos elaborados em parceria com o Instituto Trata Brasil, que elevaram a importância das perdas de água tratada na agenda e mídia do país.