Quem Somos

O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) é uma associação civil sem fins lucrativos que promove o desenvolvimento sustentável por meio da articulação junto aos governos e a sociedade civil, além de divulgar os conceitos e práticas mais atuais do tema.

O CEBDS foi fundado em 1997 por um grupo de grandes empresários brasileiros, atento às mudanças e oportunidades que a sustentabilidade trazia, principalmente a partir da Rio 92.

Hoje reúne mais de 95 grupos empresariais com atuação no Brasil, responsáveis por 47% do PIB brasileiro e 1,1 milhão de empregos; 13 das 15 maiores companhias em valor de mercado do país são associadas.

Representante no Brasil da rede do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), que conta com quase 60 conselhos nacionais e regionais em 36 países e de 22 setores industriais, além de 200 grupos empresariais que atuam em todos os continentes.

Vanguarda

Primeira instituição no Brasil a falar em sustentabilidade dentro do conceito do Tripple Bottom Line, que norteia a atuação das empresas a partir de três pilares: o econômico, o social e o ambiental, o CEBDS é referência na vanguarda da sustentabilidade tanto para as empresas quanto para parceiros e governos. É reconhecido como o principal representante do setor empresarial na liderança de um revolucionário processo de mudança: transformar o modelo econômico tradicional em um novo paradigma.

O CEBDS foi responsável pelo primeiro Relatório de Sustentabilidade do Brasil, em 1997, e ajudou a implementar no Brasil, em parceria com o World Resources Institute (WRI) e a Fundação Getúlio Vargas (FGV), a partir de 2008, a principal ferramenta de medição de emissões de gases de efeito estufa no país, o GHG Protocol.

Em 2014, o CEBDS lançou o projeto Ação 2020 para sintetizar, em uma plataforma digital e em uma publicação, um conjunto de recomendações concretas e viáveis para que as empresas instaladas no Brasil possam se estruturar e protagonizar, por meio de soluções de negócios, a construção de um país mais justo e sustentável, de acordo com as projeções contidas no relatório Visão Brasil 2050.

Outro marco na história da instituição foi a criação, em 2015, do Conselho de Líderes, composto por lideranças de grupos empresariais associados ao CEBDS para compartilhar a visão de CEOs e altos executivos de grandes corporações com o poder público de diferentes esferas e a sociedade.

Representatividade

A instituição representa suas associadas em todas as Conferências das Partes das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, desde 1998, e de Diversidade Biológica, desde 2000.  O reconhecimento do trabalho levou a instituição a atuar em diversos espaços em nível internacional como a Carbon Pricing Leadership Coalition (CPLC); o Conselho Mundial da Água; a Natural Capital Coalition; a Low Carbon Business Action in Brazil da União Europeia; o Partnership for Market Readiness (PMR) Brasil; e o We Mean Business.

Em nível nacional o CEBDS atua em espaços como a CE100 BrasilCoalizão Brasil, Clima, Florestas e Agricultura; Conselho do CDP América Latina; Comitê de Consumo Sustentável do Ministério do Meio Ambiente (MMA); Fórum Brasileiro de Mudanças ClimáticasIniciativa Empresarial em Clima (IEC); Painel da Biodiversidade (Painel Bio); Rede Empresarial Brasileira de Avaliação de Ciclo de Vida (Rede ACV); e Rio +B.

Em 2016,  o CEBDS, representado por sua presidente, Marina Grossi, foi convidado a integrar o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, um órgão de assessoramento do presidente da República e, por sua ampla representatividade, tem uma efetiva capacidade de apontar caminhos e influenciar decisões. Além disso, no mesmo ano, o CEBDS e a Climate Bonds Initiative criaram o Conselho Brasileiro de Finanças Verdes com o objetivo de construir um robusto pipeline de oportunidades para os investimentos verdes no Brasil, além de atrair capital em escala e levar o país à liderança mundial nos temas climáticos, pós COP-21.

Em 2018, Marina Grossi, presidente do CEBDS, também passou a integrar o Conselho Diretivo da Carbon Pricing Leadership Coalition (CPLC), uma coalizão do Banco Mundial que reúne líderes do governo, do setor privado, da academia e da sociedade civil para expandir o uso de políticas de precificação de carbono.