Medindo o bem-estar das pessoas

Por Marina Grossi

O que não pode ser medido não pode ser gerenciado. Essa máxima do meio empresarial começa a ser estendida para áreas bem menos cartesianas. O desafio que se apresenta é o de construir indicadores para mensurar o bem-estar, visando ao aumento da felicidade das pessoas. Ano passado, às vésperas da Rio+20, o Banco Itaú lançou o seu Índice de Bem-Estar Social, que reúne uma série de indicadores econômicos e sociais, incluindo inflação, desemprego, expectativa de vida e desigualdade. O índice ainda precisa considerar variáveis importantes para avaliar o bem-estar dos brasileiros, mas a preocupação aponta para um novo caminho, impensável poucos anos atrás.

Ainda isolada, a iniciativa ilustra, de forma emblemática, um movimento mundial de empresas, de governos e da sociedade civil que atua no sentido de substituir o Produto Interno Bruto (PIB) por um indicador que represente melhor o aumento ou a redução do bem-estar de uma população. Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), que serão adotados a partir de 2015, sinalizam essa preocupação.

De fato, o momento é bastante oportuno. Em um ambiente de crise econômica global é possível repensar o papel messiânico que o crescimento do PIB tem no planejamento e no futuro da nossa sociedade. O questionamento nos leva à compreensão, ainda não devidamente difundida, de que é preciso repensar novos parâmetros que reflitam as reais fontes de felicidade de um povo. Nas empresas é necessário que haja indicadores de desempenho capazes de ampliar suas estratégias a um caminho de promoção de bem-estar efetivo, tanto na sociedade em que atua, quanto na política com seus funcionários e fornecedores.

No início deste século, o psicólogo americano David Myers fez essa reflexão e concluiu que, ao contrário do senso comum, preenchidas as satisfações básicas do ser humano, o crescimento econômico não provoca aumento da felicidade da população. De acordo com o entendimento de Myers, a despeito da sociedade americana ter dobrado sua riqueza em 40 anos, o número de pessoas que se consideravam felizes teve um ligeiro declínio – os índices de divórcio, de suicídio adolescente, de depressão e de crimes violentos cresceram enormemente no mesmo período.

No Brasil, o custo econômico ainda domina o escopo dos programas sociais, sem uma abordagem holística. Recentemente, o governo federal anunciou a ampliação do programa Brasil sem Miséria, com a meta de retirar da pobreza extrema mais de 2,5 milhões de pessoas. Nesse programa, o governo adota somente o indicador monetário (renda de até R$ 70,00 por mês) para definir pessoas extremamente pobres, sem considerar elementos fundamentais, como acesso à saúde, à habitação, à educação e à segurança dignas.

Essa nova visão está presente em diversos ambientes, inclusive no empresarial. Foi-se o tempo em que uma empresa vendia somente um produto ou um serviço e nada mais. Hoje, ela vende uma imagem, um conceito, os benefícios atrelados à marca. Uma empresa com visão sistêmica sabe que a sua relação com o consumidor, com o meio ambiente e com a sociedade, não pode ser inconsequente. A ideia é criar um ambiente auspicioso, positivo para os negócios e para todos que usufruem e são impactados por eles.

Grandes empresas já se movimentam em escala mundial. A Natura e a Itaipu são pontos focais de um grupo internacional que discute e tenta implementar experiências locais inspiradas na Felicidade Interna Bruta do Butão, pequeno país asiático. Esse vanguardismo empresarial já se mostrou relevante em outros contextos e, certamente, contribuirá para o desenho de medidas que poderão vir a ser os novos indicadores de bem-estar social mundial. Espera-se que os ODS demonstrem essa preocupação ao buscar indicadores para mensurar novos padrões de produção e de consumo a partir de 2015. Entre os grupos que pensam os ODS, vale destacar a liderança de Paul Polman; CEO, da Unilever; e Peter Bakker, presidente do WBCSD (World Business Council for Sustainable Development), rede mundial à qual o CEBDS faz parte.

Ainda embrionário, esse pode ser um dos maiores legados da Rio+20. Devemos ir além da mensuração restrita do PIB. O capitalismo do século 21 necessariamente terá que superar a busca do crescimento econômico apenas, apontando sua bússola para incluir nessa mensuração o bem-estar e a felicidade da população.

 

 

compartilhe:

Assine nossa newsletter

Informe seu e-mail e receba os nossos conteúdos. Respeitamos a privacidade das suas informações não compartilhando-as com ninguém.

Notícias relacionadas

Confira as notícias mais atuais e relevantes para ficar por dentro do que está em debate na agenda do Desenvolvimento Sustentável.

Publicações relacionadas

Quer se aprofundar ainda mais neste assunto? Confira aqui outras publicações relacionadas a esta mesma temática.

Eventos relacionados

Confira nossos próximos eventos relacionados a este tema e junte-se a nós para debater e compartilhar melhores práticas.

Por CT Biodiversidade e Biotecnologia

Online