Agricultura inteligente promove integração entre lavoura, florestas e agropecuária

Principal fonte de emissão de gases do efeito estufa (GEE) no país, a cadeia da agropecuária tem pela frente o desafio de conciliar os impactos da mudança do clima com o aumento da produção e oferta de alimentos. Nesse contexto, que a princípio soa desanimador, novas iniciativas buscam aumentar em 50% a disponibilidade de alimentos, reduzindo em 50% as emissões de GEE.

Coordenada pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), a Inteligência Agroclimática (IAC) promove uma adaptação das culturas frente às mudanças climáticas e reduzir as emissões de GEE, ao mesmo tempo em que desenvolve uma resiliência do agricultor no uso do solo. No final de setembro, o assessor técnico do CEBDS, Felipe Cunha, esteve no Norte do país, junto a representantes da bayer, Embrapa e técnicos do setor para acompanhar uma fazenda modelo que está inserindo os princípios de IAC nas suas operações.

Localizada próximo a cidade de Pedro Afonso, no Tocantins, na região do Cerrado brasileiro conhecida como Matopiba, a Fazenda Tupã será um modelo de implementação de uma agricultura de baixo carbono, privilegiando a integração lavoura, pecuária e floresta (ILPF). Na prática, significa, em um mesmo espaço, integrar as atividades de lavoura, com rodízio de culturas e técnicas de conservação do solo; pecuária, com manejo integrado do pasto com outras culturas, como leguminosas; e florestal, com a criação de corredores ecológicos e agricultura sintrópica, que conserva a mata natural associando-a à plantação de culturas comerciais. Todo o processo, além dos benefícios produtivos, reduz significativamente as emissões de GEE.

Inteligência Agroclimática CEBDS“São benefícios ecológicos com uma eficiência ecossistêmica e conservação do solo no mais alto nível, sem solo exposto a erosão, e com desenvolvimento da fauna. Todo esse processo gera um equilíbrio de forma a reduzir ou extinguir a necessidade de pesticida ou fertilizante, por exemplo”, explica Cunha.

O benefício final é o estabelecimento de áreas altamente produtivas, que viabilizam não somente o aproveitamento econômico dos frutos nativos, como também a oferta de serviços ecossistêmicos relevantes, como a formação de solo, a regulação do microclima, preservação da fauna e flora locais e favorecimento do ciclo da água.

A visita de campo, faz parte do projeto de implementação de técnicas de IAC no Brasil. O conceito é uma reprodução da Climate Smart Agriculture (CSA) já utilizada no exterior com coordenação do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD). No Brasil, o tema é coordenado pelo CEBDS com quatro áreas de atuação: conservação, monitoramento, resiliência e finanças.

Dentro dessas áreas de ação, o CEBDS, com apoio de empresas como a bayer, e de agricultores, que contribuirão para a construção de um arcabouço técnico-conceitual e de exemplos pilotos de implementação do IAC, com o uso maciço de tecnologia. O projeto também conta com a parceria do Climate Smart Group, Conservação Internacional, Embrapa, entre outros.

“Uma das principais ações é dar visibilidade ao tema, mostrando aos agricultores que é possível desenvolver uma agricultura de baixo carbono sem comprometer a produtividade. O que temos visto é um ganho para os agricultores, pois o modelo de agricultura sintrópica alinhado à ILPF permite que os campos estejam sempre produtivos, com diferentes culturas”, explica Cunha.

O projeto também prevê estudos de modelos de financiamento que facilitem a transição para a economia de baixo carbono, além de um aplicativo interativo para smartphone com orientações para implementação de técnicas de IAC e monitoramento das fazendas com contribuições dos próprios agricultores.

Em outra frente, o projeto prevê um intercâmbio com o Programa de Melhoria Alimentar para Sustentabilidade e Saúde (FReSH, na sigla em inglês), do EAT Foundation e WBCSD, que visa acelerar a transformação na cadeia global de alimentos, a fim de proporcionar dietas saudáveis e agradáveis para todos. No escopo do intercâmbio, redução de perdas e desperdícios na cadeia agropecuária. Atualmente, 60% dos alimentos no mundo são perdidos depois da colheita.

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.