CEBDS reúne líderes empresariais em São Paulo para debater “O papel das empresas na Nova Economia”

O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) realizou em São Paulo, no último dia 13, o Seminário “O papel das empresas na Nova Economia”, evento que marcou os 20 anos de atuação da instituição e trouxe ao debate, junto a líderes empresariais e governo, temas como a transição para uma economia de baixo carbono, 4ª. Revolução Industrial, economia colaborativa, e também a diversidade nas empresas.

A presidente do CEBDS, Marina Grossi, abriu o seminário em discurso sobre mudanças climáticas, tema que é transversal a todos os segmentos de negócios e que interfere na geopolítica. De acordo com a presidente da instituição, o Brasil tem muito a ganhar ao definir uma agenda de sustentabilidade. “Isso é construir um caminho saudável e factível para sair da crise econômica. É preciso fazer diferente para termos um resultado diferente. Estamos lutando muito para que a redução das emissões de carbono seja vista como uma vantagem competitiva para o país”, comentou.

No primeiro painel participaram o Diretor de Sustentabilidade e Responsabilidade Corporativa da Vale, Alberto Ninio, o presidente da Mercur, Jorge Hoelzel Neto, e o diretor de valor compartilhado da Coca-Cola Brasil,  Pedro Massa. O papel do consumidor também foi colocado em questão. Para Pedro Massa é preciso enxergar que o cidadão e o consumidor são a mesma pessoa. “A iniciativa privada não pode mais fazer negócio com a “velha economia”. Ela deve assumir o papel de liderar essa mudança e não esperar que o consumidor peça isso e mude o padrão de consumo”, explicou o representante da Coca-Cola Brasil.

Por meio de painéis simultâneos, o seminário incentivou o debate sobre economia de baixo carbono. O diretor de Desenvolvimento Sustentável da Braskem, Jorge Soto, e Luísa Santiago, da Fundação Ellen MacArthur, enumeraram as convergências com a economia circular, pensando na redução de desperdícios e propondo um novo olhar para a produção de recursos naturais, para novas matérias-primas.

A transição inclusiva da economia de baixo carbono, com foco na inclusão de pessoas de todos os gêneros e raças, tanto nas empresas quanto na ponta dos negócios – clientes ou consumidores – também foi pauta do evento.  “Hoje, nós mulheres não somos nem 10% das sócias da KPMG, e precisamos pensar em uma agenda global. Nossa visão de inclusão também inclui o protocolo com fornecedores, com valores que agreguem, trabalhando em conjunto com empresas, trocando experiências, trabalhando com advocacy mais proativamente”, afirmou a sócia da KPMG no Brasil, Marcelle Mayume Komukai. Durante o painel, foi lançado o Guia do CEO para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que é destinado a impulsionar o envolvimento dos líderes empresariais globais com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). A publicação define ações claras que CEOs podem tomar para alinhar suas organizações com os ODS e traçar um curso para desbloquear o valor que eles representam.

Em outra perspectiva, o coordenador geral do Meio Ambiente e Mudanças Climáticas do Ministério da Fazenda, Aloisio Lopes Pereira de Melo, falou sobre financiamento da nova economia, sobretudo, a regulamentação da precificação de carbono no Brasil. De acordo com ele, “a incorporação da precificação de carbono à estrutura de clima é uma tendência que ocorrerá naturalmente”. O coordenador comentou sobre o programa RenovaBio, que é um exemplo de mecanismo que pode ser adotado.

Prêmio CEBDS de Liderança Feminina

Com o objetivo de reconhecer e valorizar as mulheres que estão trabalhando para alcançar os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) em suas empresas associadas, o CEBDS apresentou as três ganhadoras da primeira edição do Prêmio CEBDS de Liderança Feminina. As vendedoras foram Bruna da Silva, a coordenadora de responsabilidade social da Votorantim Metais, Patricia Molino, sócia e líder de People & Change da KPMG  It is Tania Cosentinopresidente para a América do Sul Schneider Electric.

O Prêmio reconheceu as três mulheres por suas realizações para o avanço nos objetivos propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU). “Esse Prêmio é uma oportunidade fundamental para reconhecer as muitas mulheres líderes que trabalham pelo avanço dos ODS junto às empresas associadas ao CEBDS”, aponta a presidente do CEBDS, Marina Grossi. A presidente do CEBDS também acrescenta que o Prêmio foi uma forma de ampliar o alcance do ODS 5, que tem como meta alcançar a igualdade de gênero e capacitar todas as mulheres e meninas até 2030.

4ª Revolução Industrial – como se preparar para esta nova realidade?

O último painel teve a 4ª. Revolução Industrial como cenário, com enfoque na inteligência artificial. A executiva de Alianças Educacionais e Universidades da IBM Brasil, Alcely Strutz Barroso, disse que é preciso interagir com as máquinas. “Não vamos fazer nada sozinhos, o mundo que está por vir precisa ser colaborativo. A inteligência artificial busca a intenção da pessoa. Queremos ir às escolas com a ciência da computação para mostrar como ela pode ser um facilitador na vida das pessoas”, revelou.

Já a vice-presidente Jurídica e de Assuntos Corporativos da Microsoft, Alessandra Del Debbio, ressaltou que máquinas não substituem o ser humano. “As pessoas têm criatividade, empatia, nada substitui nossas características naturais. A intenção do inventor é o que vale, está em nossas mãos. Temos de pensar em como aproveitar esse acesso crescente à tecnologia e esses recursos para melhorar nossas vidas, encontrar a cura de doenças como o câncer, por exemplo. Todo momento que antecede uma grande mudança gera ansiedade, medo, por isso é importante a regulação”, enfatizou.

Na sequência, o pesquisador e professor de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco, Luciano Meira, também defendeu a necessidade de cuidar do ambiente regulatório para a inteligência artificial e disse que conforto e crescimento não coexistem. “A criatividade precisa ser incentivada, permitindo não só o crescimento de uma pessoa, mas de todo um grupo. Na minha visão, temos de ter a capacidade de identificar problemas e encontrar as soluções, sempre com muita resiliência. A academia está fincada no tripé ensino, pesquisa e extensão. Falta ainda que o eixo inovação atravesse esse tripé para se fortalecer para a 4ª Revolução Industrial”, opinou.

O evento teve o patrocínio do Itau, braskem, Fibria, Shell It is OK.

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.