Instituições pedem ações e metas a governadores da Amazônia Legal

Em reunião com o Consórcio da Amazônia, movimento empresarial pela sustentabilidade defende implementação do Código Florestal e sugere estabelecimento de metas para desmatamento, regularização fundiária e evolução do PIB da região

Rio de Janeiro, 12 de agosto de 2020 – Avaliação e validação do Cadastro Ambiental Rural, visando acelerar esse processo para a implementação do Código Florestal; poder (ação de polícia) no combate ao crime organizado ligado à grilagem e ao desmatamento ilegal, que prejudica os negócios legais da Amazônia; maior integração entre os institutos de terras e o INCRA na criação de uma governança colaborativa que dê agilidade aos processos de regularização fundiária; e melhoria da infraestrutura e governança na análise e concessão de licenças ambientais.

Essas são ações objetivas que foram apresentadas nesta quarta-feira aos governadores do Consórcio da Amazônia pelas instituições articuladoras (CEBDS, ABAG, IBÁ, ABIOVE e Rede Brasil do Pacto Global) do Notice from the Brazilian Business Sector, lançado em julho passado. O encontro reuniu lideranças do movimento empresarial pela sustentabilidade com os 9 governadores dos Estados da Amazônia Legal (Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá, Tocantins, Mato Grosso e Maranhão).

“Precisamos trabalhar para desenvolver a Amazônia, preservando e explorando o potencial da bioeconomia da região”, destacou Marcello Brito, presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG). “Está muito claro para o setor produtivo brasileiro que é preciso fazer mais para combater o desmatamento ilegal na Amazônia. E nos preocupa, particularmente, a percepção negativa da imagem do brasil no exterior”, afirmou Marina Grossi, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS).

O governador do Amapá e presidente do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal, Waldez Góes, reconheceu o problema de imagem e disse que os Estados estão comprometidos com a agenda ambiental. “Precisamos construir parcerias. Quanto mais integrarmos nossos esforços, maior será visibilidade à pauta positiva”, disse ele. 

O presidente do Conselho da Marfrig, Marcos Molina, destacou a decisão da rede de supermercados Tesco, maior rede de supermercados do Reino Unido, de retirar a carne brasileira das suas prateleiras em razão do desmatamento na Amazônia. “Precisamos agir rápido e a rastreabilidade é um caminho para mostrar que fazemos a coisa certa”, disse o executivo. O CEO da Vale, Eduardo Bartolomeo, sugeriu o estabelecimento de metas efetivas de desmatamento com os governos estaduais e um alinhamento e integração com o governo federal.

Para o CEO da Natura, João Paulo Ferreira, a definição de metas de desmatamento, regularização fundiária e aumento do PIB do próprio Consórcio da Amazônia, por exemplo, pode ser contribuir inclusive para a interlocução com investidores internacionais. Já o CEO da Agropalma, Beny Fiterman, disse que espera uma ação mais contundente de combate ao desmatamento. “Hoje, falta segurança jurídica na Amazônia”, afirmou ele. Também participaram da reunião o diretor de Sustentabilidade da Norsk Hydro, Domingos Campos, e a diretora de Relações Governamentais e Comunicação da Alcoa, Michelle Shayo.

Em suas falas, os governadores reafirmaram compromisso com a agenda ambiental e destacaram projetos e soluções que possam contribuir com essa pauta. “É preciso precificar o valor da floresta em pé. A preservação da floresta pode ser mais rentável do que o hectare de soja ou de pasto. Tem que monetizar”, defendeu o governador do Pará, Helder Barbalho. “Precisamos mobilizar recursos para desenvolver projetos, como os do Fundo Amazônia, por exemplo, que estão empoçados. Tem também um fundo que o vice-presidente da República (Hamilton Mourão) se comprometeu em alavancar junto a empresas e ao BID”, disse o governador do Maranhã, Flávio Dino.

O governador do Mato Grosso, Mauro Mendes, enfatizou a importância do combate ao desmatamento ilegal, o governador de Roraima, Antonio Denarium, destacou o licenciamento ambiental simplificado, e o governador de Tocantins, Mauro Carlesse, o potencial de ações integradas entre o poder público e o setor privado. Também participaram da reunião representantes dos governos do Acre, Amazonas e Rondônia.

 

PRESS CONTACTS

eduardonunes@altercomunicacao.com.br | +55 21 99864.4245 

Eduardo Nunes

 

 

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.