Marina Grossi, presidente do CEBDS, integra Comitê Internacional de Precificação do Carbono

A presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), Marina Grossi, é a nova integrante do comitê de direção do Carbon Price Leadership Coalition (CPLC), uma organização internacional que reúne líderes do governo, setor privado, academia e a sociedade civil para expandir globalmente o uso de políticas de precificação de carbono. O convite partiu da Ministra do Meio Ambiente do Canadá, Catherine McKenna, que preside a organização. Atualmente, o comitê de direção do CPLC tem apenas seis membros e Marina é a única brasileira.

Marina Grossi foi negociadora do Brasil na Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima entre 1997 a 2001, coordenou o Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas entre 2001 e 2003 e também participou das negociações do Protocolo de Kyoto. Sua nomeação para o restrito comitê de direção do CLPC aconteceu durante a assembleia da alta liderança, em Washington, na última quarta-feira (19), quando foram anunciadas a redução do tamanho do comitê e os nomes dos novos membros. Há representantes da Colômbia, México, Turquia, Bélgica e Malásia. O evento promoveu um diálogo sobre estratégias de comunicação de oportunidades e benefícios da precificação de carbono para diferentes regiões e segmentos de negócios. Um dos desafios da organização é conquistar a adesão de segmentos industriais que consomem altos índices de energia.

“A participação do Brasil nesse importante comitê, que define as diretrizes mundiais na questão relativa ao carbono, é uma clara demonstração da importância do País nessas discussões e do envolvimento da indústria privada brasileira na regulamentação deste mercado”, afirmou Marina.

Além dos inúmeros desafios pela frente, o número de empresas que passaram a adotar a precificação de carbono como medida compensatória para suas emissões cresceu 11% desde 2016. No Brasil, por meio de uma iniciativa do CEBDS, 24 CEOs de grandes empresas assinaram no ano passado uma carta de declaração de apoio à implementação da precificação de carbono. O objetivo do CEBDS é fazer com que o mecanismo seja ferramenta da estratégia brasileira de redução das emissões de gases de efeito estufa para cumprimento do Acordo de Paris.

A carta tem apoio do CPLC e foi elaborada em parceria com Business Climate Initiative. O documento declara que os mecanismos de precificação de carbono devem impulsionar os investimentos, assegurar a competitividade das empresas e incentivar a inovação tecnológica de baixa emissão no Brasil. “Estamos usando essa carta para engajar importantes atores nacionais, como a alta liderança do Ministério da Fazenda e do Banco Central”, conta Marina Grossi.

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.