Negociação global do Clima começa em Lima

 

Nas próximas duas semanas, a atenção estará voltada para as negociações de clima na 20ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas (UNFCCC), cujos resultados irão se refletir nos avanços do Novo Acordo de Clima que será assinado no próximo ano, em Paris.

A esperança deste novo acordo é conseguirmos corrigir o gap de compromissos de redução de emissões de gases de efeito de forma a garantir que alcancemos a meta de limitar o aumento da temperatura a 2°C. Os atuais compromissos assumidos nos colocariam em uma realidade a mais de 3°C superior aos níveis pré-industriais. E para isto, todas as Partes da Convenção deverão assumir compromissos no Acordo de Paris e a definição destes já se iniciou por meio da elaboração das Contribuições Nacionalmente Determinadas que deverão ser apresentadas à UNFCCC em março de 2015.

É importante ressaltar que, apesar do mundo precisar de uma solução definitiva para a limitação das emissões de CO2, isto dificilmente será atingido com um novo compromisso. Isto porque, como é sabido, clima e economia estão diretamente relacionados e têm colocado, desde sempre, em lados opostos países desenvolvidos e países em desenvolvimento. Precisaremos, portanto, de bom senso, e muito bom senso.

Não podemos esperar que os compromissos no novo acordo de 2015 salvem o mundo. Mas devemos esperar que os países estejam dispostos a cooperar para, juntos, alcançarmos esse objetivo sim, por meio dos avanços, nos anos subsequentes à 2015, nos compromissos de redução de emissões, nos planos de adaptação à mudança do clima, na cooperação financeira e tecnológica, no aumento da transparência no cumprimento dos compromissos assumidos oficialmente e no desenvolvimento contínuo de capacitação para lidar com a mudança do clima.

Há menos de 30 dias atrás, tivemos um importante movimento dos dois principais emissores mundiais de GEE rumo a uma economia de baixo carbono. Estados Unidos e China assumiram, em um acordo bilateral, compromissos de redução de emissões. Os Estados Unidos assumiram a meta absoluta de redução de suas emissões de GEE entre 26%-28% em relação a 2005. Já a China, se comprometeu a atingir o pico de suas emissões antes de 2030.

Esse movimento certamente traz esperanças e é um sinal muito positivo para os demais países que vão se sentar à mesa de negociações, embora, tenhamos que observar ainda qual será a disposição de ambos em repetir esta pró-atividade em Lima. Deveríamos esperar que se ambos se comprometeram bilateralmente e acreditam que este Acordo seja de fato uma contribuição real aos esforços da UNFCCC, isto provavelmente ser repetirá em um Acordo Multilateral. Certo? Não sabemos. Primeiro porque a marca das negociações em clima tem sido, ao longo de todos esses anos, a polaridade entre países desenvolvidos e países em desenvolvimento.

E, segundo, não nos esqueçamos de que o congresso americano, recentemente eleito, tem em sua maioria deputados republicanos. Cabe lembrar que foram esses mesmos republicanos os responsáveis pela não ratificação da Convenção, no Governo Bill Clinton, e pela saída dos EUA do Protocolo de Quioto, no Governo Bush. Passaram eles a reconhecer a existência da mudança do clima, dos riscos inerentes à humanidade e da urgência da tomada de decisões? Esta seria, sem dúvida, uma grande contribuição ao mundo!

Devemos também melhor avaliar quais são as contribuições reais desse acordo bilateral para a meta de limitar em 2°C o aumento da temperatura até 2100. Veja bem, todos os esforços em reduzir emissões são necessários, porém, eles devem também ser suficientes para atingir o objetivo dos 2°C e para isto é necessário que as emissões de GEE sejam de 22 gigatoneladas de CO2e em 2020 (hoje estão entre 38-47 Gt de CO2), ou seja, as emissões globais de CO2e deverão atingir o pico antes de 2020!

Só nos resta esperar até março de 2015 os detalhes desse acordo bilateral entre Estados Unidos e China e, enquanto isto, vamos acompanhar os avanços oficiais nas negociações climáticas em Lima nessas próximas duas semanas.

O CEBDS parte para Lima na próxima quinta-feira! E estarão na delegação do CEBDS as empresas Bradesco, Braskem, Cemig, Ecofrotas, Itaú, Schneider e Vale.

Nos encontraremos por aqui!

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.