O que as maiores empresas do Brasil querem do futuro

By Marina Grossi

 

Há mais de uma década, grandes empresas instaladas no Brasil investem em tecnologias inovadoras e modelos de governança para desenvolver produtos e serviços mais sustentáveis. Utilização de materiais com baixa emissão de carbono, sistemas de reaproveitamento de água, reciclagem de resíduos, estímulo à formação de empreendedores são algumas ações que fazem parte da rotina de corporações com visão de futuro. Assim objetivam reduzir o impacto de seus processos produtivos no meio ambiente e ampliar a inclusão social e, consequentemente, a expansão do mercado.

Contudo, os benefícios ambientais, sociais e econômicos dessas iniciativas voluntárias do setor empresarial ficam, na maioria das vezes, restritos ao âmbito da cadeia produtiva das empresas. Por falta de marcos regulatórios que estimulem ações sustentáveis e criem barreiras àquelas desconectadas com a sustentabilidade, todo esse esforço não se reproduz com a abrangência e a velocidade necessárias e deixa de oferecer à sociedade brasileira a oportunidade de construir um novo modelo de desenvolvimento.

Com base nesse diagnóstico, um grupo com mais de 20 presidentes de empresas brasileiras de diferentes segmentos lançou a ideia, no final do ano passado, de elaborar um documento propositivo endereçado aos candidatos à Presidência da República, como também aos postulantes aos demais cargos eletivos. Após sucessivas reuniões coordenadas pelo Brazilian Business Council for Sustainable Development (CEBDS) e com a contribuição de técnicos das empresas e de instituições civis e acadêmicas, foi editada a “Agenda CEBDS – Por um País Sustentável”.

O documento contém 22 propostas de políticas públicas baseadas no conceito de sustentabilidade para atender às demandas da sociedade. Indicam a direção para transformar passivos ambientais em vantagens competitivas no mercado internacional e aplicar os mecanismos de negócios na promoção de um país com melhor saúde, educação, saneamento, mobilidade, oferta de alimentos, água e energia limpa, barata e acessível a todos.

As propostas da agenda abrigam cinco macro-objetivos: agregar valor e competitividade aos produtos da indústria brasileira; valorizar e proteger os ativos e recursos naturais brasileiros; ampliar o acesso à infraestrutura e serviços básicos e de qualidade para a população; promover eficiência e qualidade de vida nos centros urbanos brasileiros e liderar a transição para a economia de baixo carbono.

O CEBDS acredita que um país próspero, justo e responsável depende do comprometimento entre empresas, governo e sociedade civil para dar escala às ações sustentáveis e assim construir um país melhor. Por isso, o lançamento da agenda vai além das eleições. É o marco zero de um diálogo contínuo entre empresas e governo, bem como a instalação de um observatório, que permita o acompanhamento e a colaboração da população a todo o processo.

*Marina Grossi é economista e presidente-executiva do Brazilian Business Council for Sustainable Development (CEBDS) desde 2010.

 Epoca Online_06.08_Blog do Planeta

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.