Rio 2016 utiliza Manual do CEBDS

 

O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) lançou nesta quarta-feira (21/5) o Manual de Compras Sustentáveis, projeto realizado com consultoria da EY (antiga Ernst & Young) e com a colaboração de 21 grandes empresas ativas no tema da sustentabilidade. O material tem o objetivo de orientar e conscientizar as empresas sobre as melhores práticas socioambientais para o processo de compra na cadeia de fornecedores.

Marina Grossi, presidente do CEBDS, destacou que o manual evidencia aos empresários a necessidade de adoção de uma visão sistêmica do processo de compras e uma comunicação mais transparente com as áreas internas da empresa e com fornecedores e clientes. “O desenvolvimento do manual vem contribuir para área de compras das empresas e como devem fazê-las de maneira sustentável. Entendemos que os profissionais da área de compras terão uma importante ferramenta em mãos”, afirmou.

O guia inédito traz os passos e métodos para uma estratégia de compras sustentável nos negócios. Os critérios vão desde uma análise que valorize empresas da cadeia que se destacam no tema sustentabilidade até o acompanhamento e capacitação desses fornecedores. “Cada empresa pode utilizar o manual como um guia para o seu processo de compras e adaptá-lo da melhor maneira ao seu negócio”, completou Marina.

A organização dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, desenvolveu um projeto piloto de sustentabilidade para toda a cadeia de suprimentos e João Saravia apresentou os primeiros resultados da aplicação de todo o racional proposto no Manual. “O CEBDS entendeu a necessidade existente no mercado e o guia traz informações relevantes. Após a utilização, verificamos que, no caso da Rio 2016, nosso processo, inclusive no que diz respeito a inclusão de sustentabilidade, está dentro das melhores práticas de mercado”, afirmou João Saravia.

Mário Lima, da EY, afirmou que o manual traz para as empresas o que há de mais robusto no assunto, uma demanda que já aparece na pauta de muitas companhias. “Nosso maior desafio é mostrar que o processo tradicional de compras baseado em critérios comerciais e no menor preço pode se comunicar com aspectos de sustentabilidade”, afirma. A ideia foi construir um guia com uma linguagem clara e que mostra como uma cadeia de compras sustentável traz maior ganho de imagem, diminuição de riscos e, consequentemente, maior eficiência operacional.

O Manual traz um plano de ação que diz exatamente o que o comprador deve fazer, com práticas coerentes com o seu negócio e dentro dos processos operacionais das companhias. “A economia a médio e longo prazo é visível: fornecedores mais sustentáveis geram menos riscos e uma cadeia mais confiável”, afirmou Lima.

A criação do Manual de Compras Sustentáveis foi feita de forma colaborativa pelos participantes. A ferramenta responde às necessidades das diferentes áreas envolvidas (comprador, área solicitante e aprovadores) de buscar um consenso para a decisão de seleção de fornecedor, nem sempre baseada em critérios comerciais.

Dentre os participantes estão: Allianz, AngloAmerican, Braskem, Casa da Moeda do Brasil, Coca-Cola,  Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos – Rio2016, Dow, Ecofrotas e Ecobenefícios, Florestas Inteligentes, Fundação Konrad Adenauer Stiftung, Furnas, GE, Grupo Abril, Grupo BB e Mapfre, Grupo Boticário, Itaú Unibanco, L’Oréal, Panasonic, Petrobras, Renova Energia e Siemens.

Link para o Manual de Compras Sustentáveis

Link para a Ferramenta

Link to an example of using the Tool

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.