As empresas e a neutralização das emissões

A descabornização da economia é um dos passos fundamentais para que o mundo consiga cumprir as metas previstas no Acordo de Paris, compromisso entre 195 países para redução das emissões de gases de efeito estufa. A próxima década será o período de implementação das soluções voltadas para conter o aquecimento global em 2º C, com vistas a 1,5ºC, em relação ao período pré-industrial. Serão necessárias soluções disruptivas para conter as emissões brasileiras, principalmente oriundas do desmatamento, visto que o país tem o compromisso de, até 2025, reduzir em 37% as emissões de GEE no meio ambiente, em relação a 2005. 

O compromisso é ambicioso, uma vez que as emissões em 2018 somaram 1,939 bilhão de toneladas de CO2 (gás carbônico) equivalente. O desempenho representou um índice 0,3% maior em relação a 2017, segundo o Sistema de Emissões de Gases de Efeito Estufa(Seeg), do Observatório do Clima. 

O setor industrial, que responde por 5% do total das emissões, avança em compromissos para alcançar a neutralidade de carbono em suas operações, isso é, reduzir as emissões possíveis e neutralizar as que forem inevitáveis, por meio de medidas como plantio de árvores, por exemplo,

Essa transição para uma economia neutra em carbono pode abrir novas oportunidades econômicas e ajudar a criar empregos. Um relatório da New Climate Economy mostra que essa mudança pode criar uma oportunidade de ganho econômico direto de US$ 26 trilhões, e 65 milhões de novos empregos até 2030. Não obstante, mais de 900 empresas assumiram compromissos ambiciosos por meio de iniciativas, como a do We Mean Business e do Global Compact. Desses, mais de 550 estão comprometidas com a redução de emissões, de acordo com os objetivos do Acordo de Paris e 175 se comprometeram a mudar para 100% de eletricidade renovável com o RE100. 

Confira abaixo o que empresas associadas ao CEBDS fazem para neutralizar suas emissões de GEE.

Ambev

A Cervejaria Ambev é a primeira empresa brasileira da indústria de bebidas a assinar o compromisso global Business Ambition for 1.5°C. Ao aderir à campanha, a empresa será avaliada pela Science Based Targets Initiative (SBTi), que vai medir os impactos de sua produção atualmente e delimitar uma meta personalizada para conter o aumento da temperatura da terra. O prazo para adequação ao novo modelo é de dois anos.

Aderir ao novo pacto reforça as iniciativas que a Ambev tem conduzido nos últimos anos para minimizar o impacto de seus negócios em sua cadeia de valor. 

ecolab

Líder mundial em tecnologias e serviços relacionados a água, higiene e energia, a Ecolab também irá alinhar suas operações e cadeia de suprimentos ao movimento Business Ambition for 1.5⁰ C do Pacto Global da ONU, e irá adotar medidas para reduzir suas emissões de CO2 pela metade até 2030 e zerá-las até 2050. A empresa começará a transição de sua matriz energética para utilizar 100% de energia renovável em todas as suas operações; ampliará projetos de eficiência energética em suas unidades, escritórios e operações em todo o mundo; passará a utilizar energia elétrica em sua frota de veículos, nas localidades onde esta tecnologia já se encontra disponível; e atuará em conjunto com seus fornecedores e parceiros para adotar metas climáticas igualmente ambiciosas.

Ipiranga

A Ipiranga compensa as emissões diretas e indiretas (Escopo 1 e 2 – conforme metodologia do GHG Protocol) de suas operações desde 2013. Além disso, desde 2007, oferece opções para que o consumidor possa compensar as emissões de gases responsáveis pelo efeito estufa derivadas da queima de combustíveis de seus veículos por meio de diversas iniciativas: Km de Vantagens, Cartões Ipiranga, Posto na Web e outras. Para garantir esse compromisso, a Ipiranga adquire créditos de carbono com certificação internacional. Um crédito de carbono é igual a uma tonelada de CO equivalente (COe).

Microsoft

A empresa de software assumiu o ambicioso compromisso de, até 2030, ser negativa em carbono e, até 2050, remover do ambiente todo o carbono que a empresa emitiu diretamente ou por consumo elétrico desde que foi fundada, em 1975. A empresa também lançou uma iniciativa que usa a tecnologia Microsoft para ajudar fornecedores e clientes a reduzir suas próprias pegadas de carbono, além de um novo fundo de inovação climática de US$ 1 bilhão para acelerar o desenvolvimento global de tecnologias de redução, captura e remoção de carbono. A partir de 2021, a empresa também considerará redução de carbono um aspecto explícito de nossos processos de compras para nossa cadeia de suprimentos.

Natura

A Natura lançou em 2007 o Programa Carbono Neutro para contabilizar, reduzir e neutralizar emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE). De 2007 a 2013, a empresa reduziu em 33% as emissões de gases de efeito estufa, e quer baixar mais 33% até 2020. O programa se desdobra em ações internas e permeia toda a sua cadeia produtiva, desde a extração das matérias primas ao descarte final das embalagens após o uso. Em 2019, o grupo Natura &Co – que reúne as marcas Natura, The Body Shop e Aesop – firmou um pacto com outras 87 empresas globais para reduzir suas emissões de carbono e evitar que o aquecimento global ultrapasse os 1,5ºC a temperatura do planeta, se comparado à temperatura média da era pré-industrial. A meta final é chegar a uma economia carbono neutro até 2050. A ação faz parte da campanha “Business Ambition for 1.5°C: Our Only Future”. 

Schneider Electric

A Schneider Electric, líder na transformação digital em gestão de energia e automação, anunciou em 2019, em Nova York, a intensificação do seu com a neutralidade de carbono, com o objetivo de combater a principal causa do aquecimento global. A empresa está disposta a alcançar a neutralidade carbônica em todo o seu ecossistema nos próximos cinco anos. A Schneider também pretende também que as suas operações sejam de zero emissões em 2030, bem como chegar a um compromisso com os seus fornecedores de forma a conseguir uma cadeia de distribuição limpa em 2050. 

OK

A Vale anunciou que pretende neutralizar suas emissões de gás carbônico até 2050. A empresa já tinha a meta de reduzir em 16% as emissões de CO2 até 2030, alinhada com o Acordo de Paris da Organização das Nações Unidas (ONU). Agora, para neutralizar até 2050, a companhia vai precisar reduzir as emissões em 33%. Essa meta de redução se refere aos chamados escopo um e dois, que envolvem as emissões internas da companhia em seus processos (produção, tráfego e trens, vagões e caminhões, por exemplo). Em 2020, a Vale também vai anunciar uma meta para o escopo 3, que envolve a cadeia associada à mineração: a metalurgia e navegação, por exemplo.

Sua empresa tem algum compromisso para ser carbono neutra? Compartilhe com a gente em comunicacao@cebds.org

E pra finalizar, cinco coisas que as companhias precisam fazer para se preparar para um futuro net zero.

1)      Se comprometa a zerar suas emissões líquidas

2)      Avalie os riscos climáticos

3)      Estabeleça metas ambiciosas baseadas na ciência (SBTs, na sigla em inglês)

4)      Colabore, envolva e comunique

5)      Considere o que fazer com as emissões que você não pode reduzir. 

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.