Brasil das oportunidades perdidas

Article originally published in the newspaper The globe.

No século XXI, produção e conservação são grandes aliadas do mundo dos negócios.

Muito se tem lamentado a desistência do Brasil de ser a sede da Conferência das Partes do Clima (Cop 25) em 2019. Porém, a indignação deveria ser canalizada para a sucessão de perdas de oportunidades pela falta de compreensão do nosso potencial na economia de baixo carbono. Como dizia Roberto Campos, o “Brasil nunca perde uma oportunidade de perder oportunidades”.

A questão climática vai além deste evento e é maior do que ideologias pessoais. Mesmo que não se acredite na interferência humana no aquecimento global, é inegável que o mundo ruma para uma economia mais limpa. Para essa nova economia estão migrando investimentos, especialmente os que estão relacionados à inovação tecnológica nos mais diversos setores produtivos. Muitas vezes a opção de desacreditar nas mudanças climáticas se dá por questões econômicas, reservas de mercado e lobbies de setores, como é o caso do carvão, financiador importante da campanha eleitoral de Donald Trump, insumo fundamental nas economias da China e da Índia. Entretanto, é preciso frisar: esse não é o nosso caso.

No Brasil, temos recursos naturais em abundância para geração de energia solar, eólica e de biomassa, fontes que têm seus custos cada vez mais baixos. É no nosso país que estão a maior floresta tropical e a maior biodiversidade do mundo. Se antes as florestas foram ocupadas ou desmatadas por conta da expansão agrícola, no futuro, que é cada vez mais presente, a floresta será preservada pelos próprios moradores locais, a partir de um planejamento estratégico inteligente de desenvolvimento local e manejo. Hoje, essas ações são feitas em pequena escala, mas poderão ter enorme valor econômico, ser fonte de emprego e renda não só para a região como para todo o país, a partir das cadeias de valor geradas pela produção local.

É preciso que se compreenda que no século XXI produção e conservação são grandes aliadas do mundo dos negócios. Além disso, nossos principais produtos agrícolas sofrerão cada vez mais restrições comerciais, caso a questão climática seja negligenciada. Em todos os setores produtivos cresce a exigência de relatórios com informação sobre as emissões de carbono para evidenciar riscos para acionistas e investidores. Tanto isso é fato, que, atualmente, 25% das emissões globais de carbono já estão associadas a algum mecanismo de precificação. O mundo econômico já opera nessa nova realidade.

Sem o entendimento sobre a importância estratégica das mudanças climáticas para o Brasil, a realização ou não da COP 25 em nosso país se torna mesmo irrelevante. Ainda que nenhum brasileiro acreditasse na interferência humana no aquecimento global, deveríamos aproveitar a enorme oportunidade econômica que a questão nos traz dentro da nova geopolítica. Só temos a ganhar.

O Brasil, com sua matriz energética limpa, seu programa de etanol, sua rica biodiversidade, e suas florestas, tem muito oferecer ao mundo. O protagonismo brasileiro – que já é reconhecido internacionalmente entre os especialistas, autoridades e empresas envolvidas no tema – precisa também ser reconhecido em território nacional, de forma ampla e acessível por toda a sociedade, autoridades e outras empresas que não estejam diretamente ligadas ao tema, mas possam ser beneficiadas indiretamente.

Só assim será possível garantir a expansão de políticas públicas que permitam ampliar ainda mais os negócios, será possível ganhar escala e nossas empresas poderão ter plenas condições de atuação usando o máximo de seu potencial, gerando riquezas, tributos e empregos para o Brasil.

Marina Grossi é presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável.

Suzana Khan é presidente do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas.

 

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.