Com financiamento do Reino Unido, Brasil trabalha para construir uma Política Nacional para Bioeconomia

Projeto será desenvolvido com o apoio técnico de um consórcio formado por CEBDS, Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, Instituto Arapyaú e The Nature Conservancy (TNC) Brasil 

Considerada uma alternativa concreta para a transformação da economia e um caminho para impulsionar soluções de clima, natureza e de desenvolvimento econômico-social, especialmente para os países ricos em biodiversidade, a bioeconomia será o foco de uma política nacional no Brasil. Para construção dessa política e elaboração de Planos Nacionais de Bioeconomia e Sociobiodiversidade, a Secretaria de Bioeconomia do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima contará com o apoio técnico de um consórcio liderado pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), e que conta com as participações da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, do Instituto Arapyaú e da The Nature Conservancy (TNC) Brasil. 

O consórcio terá apoio financeiro do Reino Unido, vinculado à iniciativa UK PACT, para desenvolver o projeto, e o lançamento da iniciativa será nesta terça-feira, dia 26, durante o evento “UK and Brazil: Partners on Green and Inclusive Growth”, entre 8h e 12h, no Hotel Royal Tulip Brasília.

“Reino Unido e Brasil compartilham a visão de que a mudança do clima agrava desigualdades e que a transição ecológica traz grandes oportunidades de desenvolvimento econômico,  mas precisa ao mesmo tempo reduz

ir a pobreza e ser justa. O Reino Unido foi a primeira grande economia a reduzir para metade as suas emissões ao mesmo tempo em que aumentou a sua economia em 79%”, ressalta a Embaixadora Britânica no Brasil, Stephanie Al-Qaq.

Unindo as diversas expertises das instituições que compõem o consórcio, o projeto prevê um extenso processo de construção participativa de políticas públicas, que inclui ampla consulta a stakeholders relevantes e com a representatividade de povos indígenas, quilombolas, populações tradicionais e agricultores familiares. O objetivo é que vários setores da sociedade sejam ouvidos e contribuam com percepções acerca do tema. 

A iniciativa também oferecerá apoio técnico para o desenvolvimento da Política Nacional de Bioeconomia e dos planos de bioeconomia e sociobiodiversidade por meio do desenvolvimento de estudos, ferramentas e estratégias para o desenvolvimento de núcleos da sociobioeoconomia, nos biomas Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica, e ferramentas para apoiar negócios comunitários sustentáveis. 

“A bioeconomia pode ser propulsora de um novo modelo de desenvolvimento econômico, mais verde, ético e inclusivo, que gera produtos, processos e serviços com base no uso sustentável, na regeneração e na conservação dos nossos recursos naturais, e estamos muito felizes por trabalhar na construção de uma política pública voltada para o tema. É inovador ter o setor empresarial e a sociedade civil participando desta forma da construção de uma política nacional”, destaca Carina Pimenta, secretária de Bioeconomia do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima. 

As estimativas apontam que, no Brasil, pela sua riqueza em biodiversidade, a bioeconomia poderá responder, até 2030, por mais 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB). “Estamos idealmente posicionados para transformar nossas vantagens comparativas em vantagens competitivas a partir de soluções da bioeconomia e da sociobiodiversidade, acelerando a transição para uma economia mais verde e inclusiva”, destaca a presidente do CEBDS, Marina Grossi.

“O Brasil tem muito potencial para liderar, pelo exemplo, a agenda de Bioeconomia. Mas para isso, é preciso assistência técnica no campo, acesso a crédito e acesso a mercado, além de um olhar sistêmico para os desafios de um país de dimensões continentais. Neste sentido, a possibilidade da construção de uma Política Nacional para Bioeconomia é uma excelente oportunidade e ajudará a pavimentar este caminho”, acrescenta Renata Piazzon, diretora-geral do Instituto Arapyaú e cofacilitadora da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura. 

O projeto também pretende formar uma base estruturada para alcançar metas de políticas públicas mais amplas, incluindo a transição do Brasil para uma economia de baixo carbono, positiva para a natureza e para as pessoas.  

“Esse projeto envolverá ativamente as pessoas que vivem na floresta e ajudam a protegê-la, incluindo pequenos agricultores, quilombolas, povos indígenas e comunidades tradicionais. O objetivo é garantir que políticas e planos sejam desenvolvidos de forma inclusiva, alinhando-se aos princípios internacionais sobre os direitos dos povos indígenas e o consentimento livre, prévio e informado”, detalha Juliana Simões, Gerente Adjunta de Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais da TNC Brasil. 

A iniciativa terá três etapas principais, que envolvem consultas abertas à sociedade e às principais partes interessadas, workshops para abordar desafios e definir estratégias, e validação do trabalho colaborativo por meio de seminários e coleta de contribuições de diferentes grupos. 

Por fim, a equipe irá ainda desenvolver e apoiar a implementação de estratégia de divulgação, monitoramento e avaliação do Plano Nacional de Bioeconomia; desenhar uma metodologia para registro de negócios de base comunitária, incluindo gestão da informação e instrumentos integrados às plataformas do MMA; analisar oportunidades de financiamento privado para empresas comunitárias e criar propostas de viabilidade para instalação de núcleos propulsores dos negócios da sociobioeconomia em municípios selecionados.

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.