O caminho para o desenvolvimento sustentável

By Marina Grossi

Incertezas, contradições, constatações, construção, mudanças. A mistura destas palavras seria uma forma bem adequada para definir 2013. O ano termina deixando marcas negativas nas dimensões institucional, econômica, social e ambiental, mas abrindo janelas de oportunidades e opções para o futuro.

No curto prazo, as perspectivas não são das melhores, especialmente em relação ao controle do clima, hoje o mais urgente e delicado desafio. O resultado da COP-19, a Conferência do Clima da ONU, realizada em Varsóvia, na Polônia, aprofundou as incertezas quanto à capacidade das lideranças políticas globais estabelecerem metas de redução de emissões de gases do efeito estufa.

A crise econômica mundial permanece como biombo dos países desenvolvidos para não assumirem suas responsabilidades históricas. O bloco emergente se acha no direito de manter e até ampliar o uso de combustíveis fósseis nas matrizes energéticas, apesar das advertências científicas e dos eventos climáticos mais intensos e frequentes.
Embora frustrante, a COP-19 abriu espaço para a definição das bases de um acordo internacional a ser assinado em Paris, na França, em 2015, para entrar em vigor a partir de 2020. Antes disso, Lima, no Peru, promoverá, em 2014, a COP-20.

Também em 2015, a ONU anunciará os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Esse movimento fortalecerá o esforço para o estabelecimento de metas de princípios básicos da sustentabilidade: recuperação e manutenção de ativos ambientais e um efetivo combate à pobreza.
Independentemente do sucesso da COP-21 e dos ODS, os próximos seis anos serão decisivos para que o mundo encontre o caminho de um modelo de desenvolvimento que atenda de forma equilibrada demandas econômicas, sociais e ambientais. O papel de outros setores – como empresas e organizações sociais e acadêmicas – tem se fortalecido: são fundamentais nesse novo processo que o mundo atravessa.

No momento, há boas e más notícias. O gás de xisto – que emite 50% menos do que o gás convencional – ganha espaço no mercado americano, chegando a reduzir em 22,37% as importações de petróleo dos Estados Unidos. Em compensação, as principais economias da União Europeia estão substituindo as usinas nucleares por termelétricas movidas a carvão. Na dimensão social, a ascensão das economias emergentes reduz a pobreza no mundo, mas não a ponto de impactar positivamente os países mais fragilizados, especialmente os da África subsaariana.

No Brasil, um cenário de desafios e oportunidades. As manifestações trouxeram à tona vários temas relacionados à sustentabilidade: mobilidade urbana, investimentos em infraestrutura para os grandes eventos e o legado para a população, modelo de gestão com ênfase na transparência e no combate à corrupção. As reivindicações populares alertaram os governantes para a necessidade de repensar comportamentos e estratégias de políticas públicas. A aprovação da lei anticorrupção, que entra em vigor a partir de janeiro, e a ampliação da transparência do Congresso Nacional são exemplos significativos.

O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds) e demais conselhos nacionais do WBCSD (sigla em inglês do Conselho Mundial) adotaram como diretriz estratégica o estudo “Vision 2050”, que apresenta um conjunto de recomendações concretas sobre o que precisamos fazer para chegar à metade do século em condições de oferecer vida digna aos 9 bilhões de habitantes que estarão vivendo no planeta sem afetar ainda mais os ecossistemas.

Durante a Rio+20, lançamos o “Visão Brasil 2050”, que tem por base nossa realidade. O segundo passo é a elaboração do “Ação 2020”, que terá um framework a ser lançado no fim de 2014, com ações das empresas para aliar a agenda do setor privado com a da sociedade e propor soluções de negócios e políticas públicas.

No nosso caso, precisamos aprender a aproveitar as vantagens competitivas – água, biodiversidade, potencial energético, sol o ano inteiro, áreas disponíveis para produção de alimentos e diversidade cultural – não só para atender demandas sociais e ambientais, mas, sobretudo, para transformá-las num círculo virtuoso de desenvolvimento sustentável.

Artigo publicado no site da Amcham em 06/02/2013

 

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.