2021: Liderança do setor privado revela ambição na retomada verde

Este texto continha informações incorretas e foi atualizado nos dias 23 e 24 de dezembro

Depois de liderar a agenda sustentável no Brasil e no mundo, durante o ano marcado pela pandemia do Coronavírus, o setor empresarial começará 2021 de olho nas Conferências das Partes (COP) de Biodiversidade (COP15), em maio, e de Clima (COP26), em novembro. Será um ano de grande expectativa sobre o início da implementação de metas nacionais e como fazer avançar o Acordo de Paris após seus cinco anos iniciais. Muitas das tarefas pela frente exigem a participação ativa do setor empresarial e dos governos, seja na mesa de negociação, seja no desenho de normas voltadas para uma retomada verde da economia.

Essa é a avaliação da equipe técnica do CEBDS, que projetou os principais desafios à frente na agenda climática, de energia, água, alimentos, biodiversidade e pessoas. Trata-se de uma visão de curto a médio prazo, ao mesmo tempo em que preparamos os detalhes finais de lançamento da (Re)Visão 2050, um exercício de reinvenção do capitalismo na direção de uma economia do cuidado. É um modelo que prevê maior parceria entre setor público e privado; economia circular e regenerativa; e maior foco nas pessoas e diversidade no ambiente de trabalho, inclusive na liderança das empresas.

No primeiro semestre, o CEBDS dará sua contribuição para apoiar o cumprimento do Acordo de Paris. Lançaremos uma proposta de Marco Regulatório do Mercado de Carbono no Brasil, algo que representará uma vantagem competitiva para o alcance das metas de clima dentro de mecanismos de mercado que serão discutidos em Glasgow e também um incentivo para manutenção e recuperação dos biomas e combate ao desmatamento ilegal e queimadas.

As metas do Paris Agreement estarão presentes ao longo de toda a década de implementação, ressaltam a gerente técnica de Mudança do Clima do CEBDS, Karen Tanaka, e a analista técnica Elissa Tokusato. Os países terão que tirar do papel as Contribuições Nacionais Determinadas (NDC), na sigla em inglês. “É a década final de atuação para a Agenda 2030, dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, e importantíssima para o início do prazo de cumprimento das metas estabelecidas das NDC de 2020 a 2025, dentro do Acordo de Paris”, afirmam.

O mundo dos negócios continuará, ao longo de 2021, precificando riscos relacionados à mudança climática e exigindo que empresas declarem estes passivos em seus balanços. Deve ser um ano, também, de mais investimento em projetos sustentáveis e regenerativos, depois do posicionamento dos grandes bancos nacionais contra o desmatamento na Amazônia e apoio na distribuição do auxílio emergencial durante a pandemia.

Mais responsabilidade

De acordo com a equipe técnica do CEBDS, a responsabilidade das empresas será cada vez mais ampla. “O setor empresarial deve protagonizar uma mudança comportamental para uso mais responsável dos recursos hídricos”, aponta Juliana Lopes, consultora de Água e Biodiversidade. Ao mesmo tempo, cabe ao poder público definir normas e diretrizes claras nas  licitações de serviços previstos no Marco do Saneamento orientadas a promover a segurança hídrica.

O engajamento das empresas nos encontros multilaterais de 2021 pode auxiliar na transição para o maior bem estar. Em 2021, acontece o primeiro fórum mundial das Nações Unidas sobre Sistemas Alimentares, o UN Food System Summit. “A participação ativa do governo brasileiro, comunidade científica e empresas, nas negociações, compromissos e atração de investimento é um imperativo para garantir sistemas alimentares saudáveis, sustentáveis, resilientes e inclusivos”, ressalta a analista técnica Nina Von Lachmann.

O Brasil perdeu mais de 10% de seu território em vegetação nativa nas últimas três décadas e meia. Foram destruídos 87 milhões de hectares de área, numa velocidade que vem aumentando nos últimos anos. Somente entre agosto de 2019 e julho de 2020, mais de 11 mil km2 foram desmatados na Amazônia, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), um salto anual de quase 10%. Certamente, o tema permeará as conversas do Brasil durante a COP de Biodiversidade, em maio. 

Cinco anos depois do Acordo de Paris, temos à frente dez anos para cumprir os ODS e transformar a economia mundial. Essa é a ambição do setor privado brasileiro. O ano de 2021 será de muito trabalho e muita negociação para as bases da retomada da economia que defendemos.

 

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.