Bem-estar deve ser a tônica do capitalista

Representantes de empresas, governos e sociedade civil se mobilizam para mudar indicador tradicional que mede crescimento dos países

By Marina Grossi

O que não pode ser medido, não pode ser gerenciado. Essa máxima do meio empresarial começa a ser estendida para áreas bem menos cartesianas. O desafio que se apresenta é o de construir indicadores para mensurar o bem-estar, visando a um aumento da felicidade das pessoas. Ano passado, às vésperas da Rio+20, o Banco Itaú lançou seu índice de Bem-Estar Social, que reúne uma série de indicadores econômicos e sociais, incluindo inflação, desemprego, expectativa de vida e desigualdade. O índice ainda precisa considerar variáveis importantes para avaliar bem-estar dos brasileiros, mas a preocupação aponta para um novo caminho, impensável há poucos anos.

Embora isolada, a inciativa ilustra um movimento mundial de empresas, governos e sociedade civil que atuam no sentido de substituir o Produto Interno Bruto (PIB) por um indicador que represente melhor o aumento ou a redução do bem-estar de uma população. Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), que serão adotados a partir de 2015, já sinalizam esta preocupação.

O momento é oportuno. Em um ambiente de crise econômica global, é possível repensar o papel messiânico que o crescimento do PIB tem no planejamento e no futuro da sociedade. O questionamento nos leva à compreensão de que é preciso repensar novos parâmetros que reflitam as reais fontes de felicidade de um povo. E nas empresas, a adoção de indicadores de desempenho capazes de ampliar suas estratégias a um caminho de promoção de bem-estar efetivo, tanto na sociedade em que atua, quanto na relação com seus funcionários e fornecedores.

No início desse século, o psicólogo americano David Myers fez essa reflexão e concluiu que, ao contrário do senso comum, o crescimento econômico não provoca um aumento da felicidade da população. Segundo ele, a despeito da sociedade americana ter dobrado sua riqueza em 40 anos, o número de pessoas felizes teve um ligeiro declínio – cresceu os índices de divórcio, suicídio adolescente, depressão e crimes violentos.

No Brasil, o custo econômico ainda domina o escopo dos programas sociais, sem uma abordagem holística. Recentemente, o governo Federal anunciou a ampliação do programa Brasil sem Miséria, com a meta de retirar da pobreza extrema mais de 2,5 milhões de pessoas. Nesse programa, o governo adota somente o indicador monetário (renda de até R$ 70,00 por mês) para definir pessoas extremamente pobres, sem considerar elementos fundamentais, como acesso à saúde, habitação, educação e segurança.

Essa nova visão está presente em diversos ambientes, inclusive no empresarial. Foi-se o tempo em que uma empresa vendia somente produto e serviço. Hoje, ela vende imagem, conceito e benefícios atrelados à marca. Uma empresa com visão sistêmica sabe que a sua relação com o consumidor, o meio ambiente e a sociedade não pode ser inconseqüente. A idéia é criar um ambiente auspicioso.

Grandes empresas já se movimentam em escala mundial. A Natura e a Itaipu, por exemplo, já começaram a implementar experiências locais inspiradas na Felicidade Interna Bruta do Butão, pequeno país asiático. Esse vanguardismo empresarial certamente contribuirá para o desenho de novos indicadores de bem-estar social mundial. Espera-se que os ODS demonstrem essa preocupação ao buscar índices para mensurar novos padrões de produção e consumo a partir de 2015. Entre os grupos que pensam os ODS vale destacar Paul Polman, CEO da Unilever, e Peter Bakker, presidente do Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD, sigla em inglês, rede mundial do qual o Cebds é uma das instituições parceiras).

Ainda embrionário, esse pode ser um dos maiores legados da Rio+20. Devemos ir além da mensuração restrita do PIB. O capitalismo do século XXI terá que superar a busca do crescimento econômico apenas, apontando sua bússola para o bem-estar e a felicidade da população.

 

 

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.

Por CT Biodiversidade e Biotecnologia

Online