CEBDS endossa manifesto da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura

O manifesto traz pontos importantes e prioritários para o desenvolvimento sustentável endereçado ao Presidente da República, Jair Bolsonaro

Retomar o controle do desmatamento e combater a ilegalidades, para colocar o Brasil como líder agroambiental, foi proposto como premissas para o governo federal no documento publicado pela Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura na última quarta-feira, dia 28 de agosto. O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) faz parte dos mais de 200 membros da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura que reúne representantes do agronegócio, das entidades de defesa do meio ambiente, do setor financeiro e da academia, reiterando a necessidade de ações imediatas e sistêmicas do poder público.

Como descrito no posicionamento oficial do CEBDS sobre a Amazônia: “o controle do desmatamento é a opção de menor custo (privado e social) para a redução de emissões de Gases do Efeito Estufa no Brasil. Aliar instrumentos financeiros, inclusive precificação de carbono e mecanismos internacionais de compensação financeira, é fundamental para a viabilidade de tais estratégias”. 

A Coalizão Brasil é enfática ao dizer que “já vivemos períodos em que uma queda significativa do desmatamento se deu em meio a um ciclo de saltos de produtividade na agropecuária”, deixando claro que “esse histórico mostra que não é necessário desmatar para aumentar a produção agrícola”. 

 

A queima do desenvolvimento

O manifesto relata ainda que as queimadas e o desmatamento mostram forte relação neste ano de 2019, e embora o fogo seja utilizado regularmente em algumas práticas agrícolas ele também é usado como forma de desmatar ilegalmente áreas florestais protegidas. “O combate ao desmatamento ilegal envolve também coibir as invasões a terras indígenas ou áreas protegidas, inclusive para fins de garimpo ilegal”.

A preservação da floresta em pé mostra-se como sinônimo do desenvolvimento no país.  “O Brasil tem uma grande oportunidade de atrair novos recursos junto a investidores nacionais e internacionais se for capaz de monetizar seus ativos ambientais. Além de remunerar a manutenção da floresta em pé, esses recursos podem ter reflexos diretos na nossa economia, por exemplo, incorporando o valor dos ativos ambientais brasileiro ao PIB do país”, explica o manifesto.

Por fim, é preciso frisar mais uma vez que não existe controvérsia entre produzir e preservar. As empresas de vanguarda em todos os setores produtivos, especialmente no agronegócio brasileiro, já reconhecem o caminho do desenvolvimento sustentável e as boas oportunidades de negócios geradas a partir das melhores práticas no âmbito social e ambiental.

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.