Desigualdade de gênero impede desenvolvimento sustentável, aponta Cepal

relatório “A autonomia das mulheres na mudança de cenários econômicos” da Cepal – Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe mostra que a igualdade de gênero e a autonomia das mulheres devem ser a base do novo modelo de desenvolvimento para a região. A América Latina e Caribe crescem menos, enquanto as desigualdades e a pobreza aumentam.

“As desigualdades de gênero são um obstáculo ao desenvolvimento sustentável. As mudanças no cenário enfrentado pela região são uma manifestação da urgência de avançar decisivamente em direção a estilos de desenvolvimento que contemplem a igualdade de gênero e a autonomia das mulheres. Bem como a garantia dos direitos de todas as pessoas, sem exceção”, destaca o documento.

Segundo a Cepal é necessário esforços redobrados na elaboração de políticas públicas de igualdade que reconheçam a contribuição das mulheres para a economia por meio do trabalho doméstico e de cuidados sem remuneração.

“Se os estados não fornecerem serviços e benefícios públicos adequados, as famílias e, em particular, as mulheres, terão que responder individualmente, cada vez mais, às demandas de atendimento aos idosos, muitas vezes à custa de sua participação no mercado de trabalho, bem-estar e realização pessoal”.

Papel das empresas para a Igualdade de gênero

Um dos aspectos sobre direitos humanos que vem recebendo atenção do CEBDS diz respeito à sub-representação de mulheres e negros nas empresas, na política e no setor público em geral. Principalmente no que diz respeito à responsabilidade das empresas, dada a influência econômica dessas organizações. Levantamento da Global Justice Now conclui que, das 100 maiores organizações econômicas mundiais, 31 são Estados e 69 são multinacionais.

Cabe às empresas assumir compromissos em benefícios para a sociedade, além de práticas que permitam o gerenciamento do negócio a fim de minimizar impactos negativos e potencializar impactos positivos.

Trabalhar com a igualdade de gênero começa com políticas internas que envolvam diversidade, inclusão, equidade e conquistas de benefícios. A experiência tem mostrado que tais práticas se refletem tanto no convívio social do empregado em seu ambiente pessoal e profissional quanto nos impactos gerados pelos negócios das empresas.

Dados comprovam a baixa diversidade 

Dados levantados pelo Instituto Ethos indicam que o percentual de homens e mulheres e de brancos e negros no mercado de trabalho varia ainda de acordo com o cargo e posição. Estudo sobre o perfil social, racial e de gênero das 500 maiores empresas do Brasil, revelou que as mulheres são maioria nos cargos mais baixos. São 55,9% entre os aprendizes e 58,9% entre os estagiários. Entretanto, são expressiva minoria nos cargos mais altos, ocupando apenas 13,6% do quadro executivo das empresas (presidência, vice-presidência e diretoria).

O quadro racial é ainda pior: a presença de negros no nível de aprendizes é de 57,5%, contra 4,7% no quadro executivo, evidenciando uma intensa desigualdade entre brancos e negros, na medida em que o grau de hierarquia aumenta.

O cenário é semelhante no setor público. Levantamento da Escola Nacional de Administração Pública demonstrou que as mulheres representavam 43% dos servidores que trabalham na administração direta do Executivo Federal, enquanto os homens 57%.

O percentual de mulheres diminui conforme a elevação dos cargos de Direção e Assessoramento Superior (DAS). Em 2014, as servidoras ocupavam 45% dos cargos de DAS 1, 36% de DAS 4, 28% de DAS 5, e somente 19% de DAS 6.

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.