‘Mercado de carbono é um novo pré-sal’, diz Marina Grossi

Hoje, Dia Mundial da Alimentação (16 de outubro), o FoodTech Hub Br organizou um seminário on-line para discutir como os sistemas alimentares podem ser mais sustentáveis. O evento teve três focos: sustentabilidades ambiental, social e econômica. O primeiro painel, que contou com a presença da presidente do CEBDS, Marina Grossi, discutiu a “Segurança alimentar e uma geração sem fome”. A abertura foi conduzida por Paulo Silveira, da FoodTech Hub. Participaram também Fernando Camargo Silveira, secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Inovação, do Ministério da Agricultura; Lígia Dutra, superintendente de Relações Internacionais da CNA; Rodrigo Santos, presidente da divisão Crop Science para América Latina na Bayer; e Daniel Balaban, diretor no Brasil do World Food Programme, da ONU, projeto que na semana passada venceu o Nobel da Paz.

“O mercado de carbono pode ser o novo pré-sal”, defendeu Marina Grossi. “A oportunidade que este mercado pode trazer para a cadeia de alimentos é fundamental. Temos muitos desafios no Brasil, mas desafios são oportunidades de mudança: 10 milhões de pessoas passando fome, podendo chegar a 14 milhões com a pandemia, o que nos colocaria novamente no mapa da fome mundial; desperdício enorme de alimentos; nutrição inadequada. Se o Brasil conseguir equalizar estas questões mostrará seu enorme potencial. Podemos aliar preservação e produção”, explicou a presidente do CEBDS.

Segundo Marina, o país tem o grande diferencial de ter uma das maiores biodiversidades do mundo. Com a biotecnologia levada aos alimentos, o Brasil poderá se mostrar um provedor de soluções.

“Graças à ação do setor empresarial e à participação da ciência e da sociedade, as mudanças vêm ocorrendo. Combate ao desperdício, combate às emissões, tecnologia de baixo carbono, agricultura regenerativa estão levando o Brasil a trilhar um novo caminho”, contou.

Rodrigo Santos, da Bayer, explicou por que a ciência e a tecnologia são as soluções para que o Brasil continue sendo o grande protagonista na produção de alimentos sustentáveis e nutritivos no mundo:

“O Brasil precisa se conectar com o mundo. Estamos falando da união de diferentes setores para que o país ocupe cada vez mais o espaço de grande produtor sustentável. Já alimentamos mais do que 1,2 bilhão de habitantes do mundo com o que produzimos aqui. Mas há o grande desafio de fazer isso de forma sustentável, preservando os recursos naturais , mitigando as mudanças climáticas. Para isso, o Brasil terá que fazer alianças estratégicas entre inciativas privadas, setor público e organizações não-governamentais . Não existe forma de assegurar alimentos sustentáveis e nutritivos sem parcerias estratégicas. A revolução da agricultura 4.0 vai ser a grande alavanca  de crescimento de produtividade e produção dos recursos naturais”, garantiu.

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.