Pesquisa da KPMG revela que 72% das empresas ainda não enxergam mudanças climáticas como risco financeiro

A décima edição da pesquisa The Road Ahead, sobre Responsabilidade Corporativa, feita pela KPMG, associada ao CEBDS, mostra que 78% das empresas integram informações financeiras e não-financeiras em seus demonstrativos anuais. Só no Brasil, o aumento entre 2015 e 2017 foi de 16%, o que indica uma percepção cada vez maior de que os dados que não estão relacionados às finanças também são importantes para os investidores.

Zibas comenta a pesquisa da KPMG

Para o sócio-diretor de sustentabilidade da KPMG Brasil, Ricardo Zibas, as corporações estão cada vez mais empenhadas em demonstrar suas contribuições à sociedade. “Já temos uma quantidade relevante de informações socioambientais divulgadas pelas empresas. O desafio agora é em relação à qualidade destas informações e o impacto financeiro que causam”, destacou. Por outro lado, são poucas as companhias que reconhecem que as mudanças climáticas podem trazer riscos financeiros: 72% das maiores companhias do mundo ignoram essa relação.

Em termos de setores, as empresas que operam em Recursos Florestais e Papel (44%), Mineração (40%), e Petróleo e Gás Natural (39%) têm as mais altas taxas de reconhecimento do risco relacionado ao clima em seus relatórios. Elas são seguidas de perto pelos setores Automotivo (38%) e de Serviços Públicos (38%). Serviços de Saúde (14%), Transporte e Entretenimento (20%) e Varejo (23%) são setores menos propensos a reconhecer o risco climático.

As principais constatações do estudo incluem ainda:

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU – um conjunto de 17 metas globais para acabar com a pobreza, proteger o planeta e garantir a prosperidade para todos – tiveram forte receptividade junto às empresas em todo o mundo, em menos de dois anos contados a partir do seu lançamento no final de 2015. Mais de um terço (39%) dos relatórios estudados dentro da pesquisa da KPMG liga as atividades de responsabilidade corporativa das empresas com os ODS. A proporção cresce para 43% dos relatórios quando são examinadas especificamente as 250 maiores empresas do mundo.

Cerca de três quartos dos relatórios de empresas (73%) de todos os 49 países reconhecem os direitos humanos como uma questão de responsabilidade corporativa que a empresa precisa tratar. Esta proporção cresce para 90% no grupo das 250 maiores empresas do mundo. Empresas baseadas na Índia, no Reino Unido e no Japão são as mais propensas a reconhecer a questão dos direitos humanos, como também no caso das empresas que operam no ramo da Mineração.

Dois terços dos relatórios (67%) das 250 maiores empresas do mundo divulgam as suas metas visando a reduzir as emissões de carbono da empresa. Todavia, a maioria desses relatórios (69%) não se alinha às metas climáticas que estão sendo estabelecidas pelos governos, pelas autoridades regionais (tal como a União Europeia) ou pela ONU, dentro do Acordo de Paris.

A pesquisa The Road Ahead é feita a cada dois anos e, neste ano, analisou dados de 4.900 empresas em 49 países. Para ler a íntegra do estudo, clique here [em inglês].

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.