Pra entender a precificação de carbono

O Acordo de Paris, assinado em dezembro de 2015, mudou o discurso da agenda climática trazendo a necessidade de aumento da ambição em relação às metas de redução das emissões e de uma participação muito maior da sociedade, abrangendo cada vez mais os governos subnacionais (isto é, incluindo iniciativas de cidades e regiões) e com a participação inexorável do setor empresarial.

Para evitar atingir o nível de aquecimento global que trará colapso do sistema climático global é preciso um processo de descarbonização em nível planetário. Países, empresas, pessoas: todos contam. Como é possível incentivarmos a redução das emissões dado posicionamentos políticos pouco promissores em relação à emergência climática?

A precificação de carbono é um desses incentivos. Trata-se basicamente de um mecanismo que permite colocar um valor monetário nas emissões de gases de efeito estufa (GEE). É uma maneira de sinalizar a importância de se considerar as emissões de produtos e serviços que escolhemos para, por exemplo, atender nossas necessidades no dia-a-dia, fornecer insumos para empresas e “limpar” os investimentos de um país.

Ao estabelecer um valor para as emissões, elas passam a ser consideradas como uma externalidade que precisa ser internalizada. Ou seja, coloca-se um preço para atender os custos sociais e ambientais das emissões, e faz com que as pessoas, empresas e governos busquem opções menos ambientalmente nocivas, diminuindo as emissões e o aquecimento como um todo.

Em um cenário de urgência como este em que vivemos, iniciativas eficazes e que não dependem de uma resolução governamental, como é o exemplo da precificação, podem ser uma solução. Para isso, é necessário avançar no debate sobre o Artigo 6 do Acordo de Paris, que cria um mercado de carbono global e permite que empresas e governos invistam em inovação para combater não só às mudanças climáticas, mas problemas sociais que contribuem diretamente para o aquecimento global.

A precificação de carbono é uma “necessidade coletiva para avançar a agenda climática”, nas palavras de Dominic Waughray, chefe de parcerias público-privadas do Fórum Econômico Mundial. Ela nos permite dar direcionamento em escala para apressar a redução de uso de alternativas carbono-intensivas. E ela já é adotada, voluntariamente, por milhares de empresas (e alguns governos já) no mundo todo, incluindo o Brasil.

O CEBDS, em parceria com o CDP Latin America e apoio do WWF-Brasil, consolidou boas iniciativas de empresas que atuam no Brasil no que tange a contribuição delas em relação à emergência climática, incluindo os modelos de precificação de carbono adotados por algumas delas. Conheça mais na publicação disponível on-line: “Como as empresas vêm contribuindo com o Acordo de Paris” (link).

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.