COP26: No Dia das Finanças, anúncios apontam para negócios mais sustentáveis

Tornar o sistema financeiro mais verde é crucial e, felizmente, uma tendência irreversível. Nesta quarta-feira (3 de novembro), durante a Conferência do Clima da ONU, a COP26, em Glasgow, houve uma série de anúncios que colocam importantes atores do setor financeiro no caminho do desenvolvimento sustentável.

Mais de 30 instituições financeiras (incluindo uma brasileira) reconheceram que combater o desmatamento é essencial para o cumprimento de suas metas de neutralidade climática e se comprometeram a fazer a divulgação dos riscos climáticos de seus negócios. É mais uma iniciativa que coloca a conservação florestal no centro das soluções climáticas, assim como o Pacto pelas Florestas, lançado na terça-feira (02/11). E o Brasil é o país que mais pode se beneficiar destas iniciativas no curto prazo.

Foi também lançada uma coalizão de mais de 450 bancos, seguradoras e gestores de ativos em 45 países, que prometem disponibilizar US$ 100 trilhões até 2050 para financiar ações que eliminem ou neutralizem a emissão dos gases do efeito estufa. Instituições brasileiras integram o movimento.

O setor empresarial brasileiro considera essas iniciativas do setor financeiro muito positivas para direcionar os negócios globais rumo ao desenvolvimento sustentável. É importante financiar projetos limpos em vez de iniciativas que emitem gases do efeito estufa, mas ainda precisamos de escala e padronização. O CEBDS é membro da TCFD (Task Force for Climate-related Financial Disclosure) e, nos últimos anos, tem capacitado as empresas brasileiras para que mapeiem e busquem soluções para os riscos social, ambiental e climático, tanto internos quanto de seus clientes.

“O financiamento cada vez mais tem que ter o selo ambiental, social e de governança, ou seja, os critérios de sustentabilidade, para que sejam viáveis”, destaca a presidente do Brazilian Business Council for Sustainable Development (CEBDS), Marina Grossi. “Porque, se a gente tem um objetivo de o mundo inteiro ter neutralidade climática em 2050, é preciso saber qual o dinheiro que a gente precisa para chegar lá. As iniciativas vão de novos aportes de recursos até o redirecionamento de recursos que já existiam para essa finalidade.”

No Dia das Finanças na COP, o recado foi claro: é mais do que a hora de reportar os riscos ambientais e direcionar os recursos para a economia verde.

Share:

Sign up for our newsletter

Enter your email and receive our content. We respect the privacy of your information by not sharing it with anyone.

Related news

Check out the most current and relevant news to stay on top of what is being debated on the Sustainable Development agenda.

Related publications

Want to go deeper into this subject? Check here other publications related to this same theme.

related events

Check out our upcoming events related to this topic and join us to discuss and share best practices.